Cooperação


03-03-2024 13:48

Cidade da Praia, 03 Mar (Inforpress) - O Palácio do Governo acolhe na segunda-feira, 04, o fórum “Organização, funcionamento, princípios e boas práticas dos sistemas prisionais de Cabo Verde e Portugal” presidido pela ministra da Justiça, Joana Lopes, com duração prevista de dois dias.

Este fórum, de acordo com uma nota governamental, enquadra-se num conjunto de acções que o Ministério da Justiça, através da Direcção-geral dos Serviços Prisionais e de Reinserção Social, vem planeando na expectativa de “humanização” do sistema prisional.

A execução mais humanitária das penas privativas de prisão, das medidas tutelares socioeducativas, bem como garantir as condições necessárias para uma eficaz assistência técnica e execução das medidas/penas não privativas de liberdades inserem-se nestas abordagens.

Com a realização deste fórum, pretende-se, igualmente, iniciar um conjunto de acções de formação contínua dos dirigentes, técnicos e agentes de segurança prisional, através de capacitação, em linha com os compromissos assumidos pelo Governo de Cabo Verde, no sentido da humanização do sistema prisional e da reinserção social.

A humanização do sistema prisional é apontada pelo executivo como uns “principais pilares” da acção governativa na área da justiça, e das políticas públicas direccionadas à problemática da gestão prisional, dos estabelecimentos prisionais e das penas, sem descurar do alinhamento da legislação nacional com os instrumentos internacionais a que Cabo Verde se vinculou.

SR/AA

Inforpress/Fim

02-03-2024 19:30

Tarrafal, 02 Mar (Inforpress) – A 20ª equipa médica chinesa em Cabo Verde realizou hoje consultas gratuitas e entrega de materiais hospitalares no município do Tarrafal, acção esta que encerra o ciclo de actividades realizadas no país desde 2022.

Lan Yunping, médica Intensivista e chefe da equipa explicou à Inforpress que o objectivo da equipa tem sido proporcionar saúde para o povo cabo-verdiano e fortalecer o intercâmbio amigável entre China e Cabo Verde, ressaltando que as intervenções em Cabo Verde vão além dos hospitais.

Hoje, segundo esta responsável, no município do Tarrafal, interior da ilha de Santiago atenderam mais de 60 pacientes em diversas especialidades, nomeadamente Medicina Interna, Gineco-obstetrícia, Anestesiologia e Dor, Cirurgia Geral, Neurocirurgia e Medicina Tradicional Chinesa (MTC) e Acupunctura e também fizeram a entrega de alguns materiais ao Centro de Saúde, como desinfectante, seringas, máscaras cirúrgicas, máscaras N95, roupas de protecção, entre outros.

A 20ª equipa médica chinesa em Cabo Verde iniciou em Setembro de 2022 e Lan Yunping informou que realizaram 15 missões médicas, oferecendo consultas gratuitas e equipamentos, beneficiando as ilhas de São Vicente, Boa Vista, Sal e hoje finalizaram no Tarrafal.

No município do Tarrafal, explicou que esta foi a primeira vez e o motivo que levou a equipa a chegar a esta comunidade é que constataram que o município possui as suas potencialidades, mas que “devido ao difícil acesso e à escassez de recursos médicos, a segurança da saúde dos cidadãos é uma preocupação”.

Em Abril de 2024 a responsável informou que vão regressar à China após completar a missão médica, mas garantiu que “a nova equipa médica chinesa continuará a prestar serviços médicos e de saúde em várias ilhas de Cabo Verde”.

Questionada sobre as dificuldades constatadas na área da saúde pela equipa, Lan Yunping apontou que a principal dificuldade é a “falta de recursos médicos e a falta de gestão padronizada de doenças crónicas (como hipertensão e diabetes) entre as pessoas”, que segundo a mesma precisa de ser melhorada.

Sobre o balanço do ano e meio de trabalho no país, a médica responsável considera que a equipa “honrou os seus compromissos” tendo conseguido, além de fornecer consultas, orientações e medicamentos, identificar algumas necessidades de tratamento e contribuir para fortalecer a amizade entre a China e Cabo Verde.

MC/HF

Inforpress/Fim

02-03-2024 14:41

Lisboa, 02 Mar (Inforpress) – O primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, garantiu, em Lisboa, que o Governo está a finalizar os preparativos para a criação do Fundo Climático e Ambiental com projectos já definidos relacionados à energia renovável e gestão da água.

O chefe do Governo deu essa garantia quando questionado pelos jornalistas sobre o ponto de situação de implementação do Fundo Climático e Ambiental, à margem da sua participação na 34ª edição da Bolsa de Turismo de Lisboa (BTL) 2024, que decorre até domingo, 03, na capital portuguesa, tendo Cabo Verde como o destino internacional convidado.

“Nós fizemos em Dubai [COP28] a assinatura da parte da concretização dos projectos que já estão identificados. Estamos a finalizar a criação do Fundo Climático e Ambiental, através de uma lei do Parlamento”, explicou.

Segundo o primeiro-ministro, os projectos estão em fase avançada, especialmente na área das energias renováveis, visando aumentar a capacidade de produção de energia sustentável em Cabo Verde.

No entanto, devido ao período eleitoral em Portugal, onde muitos dos processos relacionados à operacionalização do fundo devem ser realizados, algumas etapas serão adiadas até que um novo Governo seja formado.

“Depois, é claro que a situação que estamos hoje em Portugal não permite operacionalizar por causa deste período eleitoral, mas assim que se passar esta fase, houver um novo governo, nós estaremos em condições de operacionalizar aquilo que já está praticamente tudo preparado”, assegurou Ulisses Correia e Silva.

Os projectos prioritários abrangem tanto a área das energias renováveis quanto a gestão da água, com investimentos planeados para aumentar a capacidade de produção de energia limpa e promover práticas sustentáveis de gestão hídrica.

Em Junho de 2023, os Governos de Portugal e de Cabo Verde assinaram um memorando de entendimento, para converter 12 milhões de euros da dívida que Cabo Verde tem para com este país europeu, destinados à criação de um Fundo Climático e Ambiental, até 2025.

O memorando de entendimento foi assinado pelo vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças, Olavo Correia, e pelo ministro das Finanças de Portugal, Fernando Medina, testemunhado pelo primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, e pelo seu homólogo português, António Costa, em Lisboa.

Neste momento, a dívida que Cabo Verde tem com Portugal, incluindo a dívida bilateral entre os governos, é de cerca de 140 milhões, mais a dívida comercial junto da Caixa Geral de Depósitos e do Banco Português de Investimentos, que dão no total quase 600 milhões de euros.

DR/HF

Inforpress/Fim

01-03-2024 19:08

Cidade da Praia, 01 Mar. (Inforpress) - O presidente da Câmara da Praia, Francisco Carvalho, recebeu esta tarde uma visita de cortesia da nova embaixadora do Reino Unido, Lisa Bandari, para "auscultação, identificação e levantamento dos grandes problemas do município da Praia”.

No final da audiência, Francisco Carvalho revelou à imprensa que este encontro se enquadra na política da cooperação internacional, de modo a ajudar na resolução dos problemas que os países enfrentam, neste caso particular, o município da Praia.

“Abordamos várias áreas e estivemos a fazer uma listagem dos principais desafios do nosso município. Foi um encontro muito importante e que vamos dar continuidade”, afiançou, sublinhando que este “primeiro encontro serviu, de facto, para analisar o quadro global”, ainda que não tenha sido analisado nenhum projecto em concreto.

Considerando que se tratou de um encontro para se fazer uma caracterização geral do município e de identificar várias áreas, a serem definidas num segundo momento, Francisco Carvalho adiantou, contudo, que a autarquia da Praia priorizaria as áreas do ambiente, energia, aproveitamento da energia solar,  formação, capacitação dos jovens, oportunidades do emprego, ordenamento do território e habitação social   para uma cooperação com o Reino Unido.

A nova embaixadora dos Reino Unido em Cabo Verde apresentou as suas cartas credenciais ao Presidente da República, José Maria Neves, esta quinta-feira, 29, no Palácio do Povo em São Vicente, onde anunciou a criação de um consulado na Boa Vista para apoiar os seus cidadãos que visitam o arquipélago e facilitar os cabo-verdianos na aquisição de vistos para férias para aquele país europeu.

SR/JMV
Inforpress/Fim

01-03-2024 17:22

Lisboa, 01 Mar (Inforpress) - Os ministros do Turismo de Cabo Verde e Moçambique assinaram anunciaram hoje a assinatura de um memorando de entendimento, em Lisboa, que entra imediatamente em vigor, visando fortalecer os laços bilaterais no sector do turismo.

O acordo, selado à margem da 34ª edição da Bolsa de Turismo de Lisboa (BTL) 2024, que decorre até domingo, 03, na capital portuguesa, tendo Cabo Verde como o destino internacional convidado, tem como objectivo principal estreitar as relações no domínio turístico, explorando o vasto potencial paisagístico, ambiental e cultural de ambas as nações.

“Moçambique e Cabo Verde são países eminentemente turísticos, conhecidos pelo seu potencial em atrair visitantes não apenas pelas suas deslumbrantes paisagens, mas também pelos recursos ambientais e culturais”, afirmou o ministro do Turismo e Transportes, Carlos Santos.

O governante cabo-verdiano destacou que, embora ambos os países possuam uma forte base no turismo de sol e praia, há oportunidades para explorar outros segmentos, como o turismo de natureza.

O memorando, elaborado após uma visita da ministra do Turismo de Moçambique, Eldevina Materula, à ilha do Sal, em 2021, visa facilitar a troca de experiências em diversas áreas, incluindo normativos turísticos, prática de taxas turísticas e capacitação de quadros.

Para além disso, busca impulsionar esforços de promoção turística em mercados globais, reconhecendo o ambiente altamente competitivo do sector.

“A assinatura deste memorando representa o culminar de um processo iniciado em 2021, quando reconhecemos a importância de África em se afirmar no cenário turístico global”, ressaltou a ministra do Turismo de Moçambique.

A governante enfatizou a necessidade de os países africanos trabalharem em conjunto, formulando políticas conjuntas e partilhando experiências para fortalecer a presença do continente no turismo internacional.

Ambos os ministros expressaram optimismo em relação ao potencial do acordo para impulsionar o turismo nos dois países e fortalecer a presença na Organização Mundial do Turismo (OMT) e na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

O memorando de entendimento, que entra em vigor imediatamente, terá um plano de acção a ser desenvolvido para implementar as medidas acordadas.

As partes irão também promover a cooperação no domínio turístico, tanto de carácter público como privado, e impulsionarão o intercâmbio periódico de peritos em promoção e comercializações turísticas, assim como em planificação e desenvolvimento de destinos turísticos.

DR/CP

Inforpress/Fim

01-03-2024 15:11

Cidade da Praia, 01 Mar (Inforpress) – O Governo pretende albergar, ainda este ano, na Cidade da Praia, uma sede da European Public Law Organization (EPLO), anunciou hoje a ministra da Justiça, Joana Rosa.

O anúncio foi feito em declarações à imprensa, após um encontro com o director da EPLO, professor Spyridon Flogaitis, que se encontra em Cabo Verde para uma visita de dois dias, com o fim de reforçar e consolidar o Estado de Direito Democrático, através da promoção dos princípios e valores universais.

“Para isso vamos assinar um protocolo de cooperação e estaremos a dinamizar a instalação da EPLO para definir as responsabilidades das partes”, disse a ministra, esperando que, com isso, Cabo Verde sirva de exemplo na sub-região africana na partilha dos princípios e valores desta organização.

“Nós estamos a trabalhar com o património do Estado para localizar um edifício, que tenha as características exigidas pela EPLO e que possa transmitir uma boa imagem da própria instituição”, acrescentou.

A instalação de uma sede em Cabo Verde, apontou a ministra, significa que o país pode fazer intercâmbios entre universitários, participar nas formações que a instituição, que funciona também como uma academia, promove para a formação de altos quadros.

Neste sentido, informou que Cabo Verde foi convidado pela EPLO a participar num “master” que será realizado ainda este ano, considerando que o país tem de se envolver com essa organização para partilhar os valores do Estado de Direito.

Por sua vez, o director da EPLO enalteceu o Estado de Direito Democrático, considerando que a posição de Cabo Verde nos diferentes “rankings” fala por si.

A EPLO, criada 2007, com sede em Atenas, na Grécia, composta por 14 Estados membros, é um organismo vocacionado para a promoção do Estado de Direito, da Democracia e Boa Governança, sobretudo, através do incentivo e apoio à investigação, ensino e formação, com projectos e actividades na Europa, Médio Oriente, África e América Latina, e que tem vindo a dedicar uma especial atenção aos Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento.

Tem estatuto de Observador da Assembleia-Geral das Nações Unidas, Organização Internacional do Trabalho (OIT), Organização Internacional das Migrações (OIM), Organização Mundial da Propriedade Intelectual, tendo-lhe sido concedido, igualmente, o estatuto de Observador Associado da CPLP, em 2021.

O seu Conselho Directivo integra 76 Universidades e Institutos de todo o Mundo.

OM/HF

Inforpress/Fim 

01-03-2024 14:48

São Filipe, 01 Mar (Inforpress) – A Cooperativa das Mulheres Remanescente do Vulcão, com sede em Achada Furna, precisa de “muito apoio” e de promoção das suas actividades, disse a coordenadora internacional projecto de apoio ao micro empreendedorismo feminino, Irene Cassaniti.

As actividades do projecto de apoio ao micro empreendedorismo feminino, ambientalmente sustentável no sector do turismo rural visando a resiliência dos sectores vulneráveis são encerradas hoje e, na quinta-feira, 07, os promotores e parceiros visitaram a cooperativa das mulheres remanescente do vulcão, um espaço onde as mulheres trabalham e partilham as dificuldades do trabalho de escultura da pedra vulcânica.

“Abrimos o espaço como uma forma de tentar empurrar um pouco as mulheres que tem muitos desafios no dia a dia”, advogou Irene Cassaniti, para quem a cooperativa é um espaço onde os turistas podem visitar e conhecer o trabalho das mulheres e descobrir o que está por trás de uma pequena lembrança muito conhecida nas ilhas, mas que não dá para entender todo o trabalho e o valor que está dentro do mesmo.

A cooperativa funciona em Achada Furna na antiga Casa do Queijo e, além de adquirir souvenir, os turistas podem tomar um lanche, mediante pedido antecipado, referiu a coordenadora, afirmando que a cooperativa precisa de “muito apoio” e de promoção para toda a zona de Achada Furna, já que o projecto também apoiou uma outra mulher que produz queijo.

“É outra forma de dar a entender aos turistas, não só a vida das pessoas do mundo rural, mas as dificuldades efectivas que estão por detrás de um queijo que é comprado por 120 escudos ou uma ‘casinha de pedra de vulcão’ que custa 200 escudos’ que para um turista pode ser pouco, mas tem um valor muito maior”, disse.

Hoje, no quadro do programa de encerramento do projecto, são inaugurados os quiosques de Estância Roque (Santa Catarina) e Cutelo Alto (Mosteiros), construídos em parceria com as associações de desenvolvimento comunitário das duas localidades.

No caso de Estância Roque, além do quiosque, o projecto promoveu formação para as pessoas que acolhem turistas nas próprias casas proporcionando outras experiências aos turistas como a preparação de camoca e uso de plantas medicinais.

“Criamos à volta das comunidades experiências que o turista pode fazer autonomamente e deixar algum recurso para comunidade e famílias”, referiu a mesma fonte, salientando que todas as comunidades têm um ‘tracking’ ligado e que de Estância Roque pode seguir para Chã das Caldeiras.

Nesta comunidade existe uma gruta que é um lugar muito sugestivo, mas que é pouco conhecido e divulgado e seria interessante, segundo a mesma fonte, colocá-la no circuito porque cria outro perfil para visitar Estância Roque e descobrir a riqueza natural.

Irene Cassaniti disse que a ideia foi sempre trabalhar na óptica de criar uma rede para potenciar o que existia e criar espaços onde faltava, já que muitas vezes os turistas não vão a determinadas localidades porque não existem actrativos na comunidade.

O encerramento acontece na comunidade de Cutelo Alto com a inauguração do quiosque construído pelo projecto, em parceria com a associação local, e, doravante, passa a funcionar para fornecer refeições, artesanato local, café e doce produzido pelas mulheres da comunidade.

“As associações e cooperativas que precisarem de apoio irão sempre encontrar parceiro no Persone Como Noi e na Organização das Mulheres de Cabo Verde”, disse.

A ONG italiana Persone Como Noi trabalha há 15 anos em Cabo Verde e pretende implementar outros projectos a nível do turismo rural e, neste momento, tem em curso um projecto em Tarrafal de Santiago, referiu a coordenadora, para quem a “ideia é continuar a apoiar Cabo Verde e a OMCV”.

O projecto "Apoio ao micro empreendedorismo feminino ambientalmente sustentável no sector do turismo rural visando a resiliências dos sectores vulneráveis" foi promovido pela ONG italiana Persone Como Noi e a Organização das Mulheres de Cabo Verde com o financiamento da Agência Italiana de Cooperação para o Desenvolvimento.

JR/AA

Inforpress/Fim

01-03-2024 11:18

Cidade da Praia, 01 Mar (Inforpress) – O Instituto Internacional da Língua Portuguesa (IILP) tem aberto, até 11 de Março, um concurso para seleccionar um profissional para integrar a equipa de trabalho para o projecto de Terminologias Científicas e Técnicas Comuns.

De acordo com um comunicado do IILP, a que a Inforpress teve acesso, o objectivo é reforçar a capacidade de desenvolvimento de projectos próprios que fazem apelo, mais directamente, às competências na área da pesquisa e da investigação académica e científica.

Para o presente concurso, articulando-se o trabalho do candidato a seleccionar com o desenvolvimento de projecto na área das Terminologias Científicas e Técnicas Comuns, considera-se fundamental a posse de competências nestes domínios.

O candidato beneficiará de uma bolsa para mestrado ou doutoramento nas áreas de terminologia ou lexicografia e à candidatura seleccionada será atribuída uma bolsa mensal, pelo período de duração do contrato de bolsa, no valor de 1.700,00€ ao académico detentor de mestrado e 2.000,00€ ao detentor de doutoramento.

O bolseiro seleccionado integrará a equipa de trabalho que, no âmbito do projecto das Terminologias Científicas e Técnicas Comuns do IILP, irá desenvolver o projecto Base de Dados Terminológica e Textual da Assembleia Nacional de Cabo Verde (BDTT-ANCV), o projecto “Terminologias Técnicas e Científicas para a CPLP”, incidindo sobre as mudanças climáticas, economia circular, doenças infecto-contagiosas e migrações, e apoiar a realização da Formação “Terminologia: teorias, metodologias e práticas”.

Segundo a mesma fonte, o trabalho concreto a desenvolver em cada projecto pelo bolseiro será definido em coordenação entre a Direcção Executiva do IILP e a equipa por esta designada para efectuar a coordenação científica dos projectos em questão e o seu desenvolvimento, às quais o bolseiro responde, prevalecendo as decisões da Direcção Executiva do IILP.

Apenas serão admitidos cidadãos de Estados-membros da CPLP, detentores de grau de mestre ou de doutor em domínios associados às áreas de trabalho especificamente assinaladas. Além disso, é necessário possuir experiência de trabalho e de investigação nas áreas mencionadas e não ter usufruído de nenhuma bolsa anterior do IILP no âmbito do mesmo programa.

TC/HF

Inforpress/Fim

01-03-2024 9:34

Lisboa, 01 Mar (Inforpress) – A cantora portuguesa Cristina Clara interpreta este sábado, 02, em Lisboa, o tema “Primavera”, uma música do cabo-verdiano Jon Luz e letra da própria artista, na segunda semi-final do Festival da Canção 2024 da RTP.

Em declarações à Inforpress, em Lisboa, a artista minhota de Vila Nova de Famalicão Cristina Clara, que é enfermeira, amante de poesia e outras culturas, revelou como a colaboração com Jon Luz originou de uma amizade de longa data.

“Conheci-o no B. Leza ainda quando ele fazia lá noites às quartas-feiras e fiquei logo fascinada porque é um músico talentosíssimo”, partilhou Cristina, explicando que a parceria entre os dois artistas “não é nova”, ou seja, mais de 10 anos, sendo que a “Primavera” concretizou-se nas recentes colaborações, há dois anos.

De acordo com Cristina Clara, a música, uma mistura única de Morna e inspirações do Fado, os dois géneros (cabo-verdiano e português, respectivamente) Património Imaterial da Humanidade, é descrita pela artista como uma mensagem de esperança e encorajamento em tempos desafiadores.

“A música tem naturalmente esse universo do Fado e da Morna e eu gosto muito da pulsação, quase que como se fosse mesmo o bater de um coração. Achei que o poema que eu escrevesse tinha de ter a ver também com essa mensagem, algo que tivesse a ver com uma proposta de esperança, de encorajamento, perante momentos que às vezes na nossa vida e no mundo são bastante desoladores”, explicou.

Cristina Clara lembrou o contexto mundial actual de “pleno de conflitos gravíssimos”, a celebração dos 50 Anos do 25 de Abril em Portugal, por isso, explicou que achou por bem e de uma forma mais positiva, “que seria interessante falar de liberdade” e de se encontrar a própria voz, sustentando que “é uma canção sobretudo sobre renascimento, esperança e encorajamento”.

“Para o Festival da Canção são as melhores expectativas, ainda por cima faz 60 anos, então vai ter imensos convidados, vai ser uma oportunidade maravilhosa para conhecer imensa gente que eu admiro”, expressou Cristina que prometeu uma performance ao público com uma mistura de culturas e emoções.

A equipa base de Cristina Clara são Pedro Loch (Santa Catarina, na guitarra clássica), Edu Miranda (São Paulo, no Bandolim) e Rolando Semedo (Cabo Verde, no baixo).

Cristina falou das suas influências musicais, destacando sua forte ligação com o Fado, a canção tradicional portuguesa e os ritmos cabo-verdianos, entre outros géneros, revelando a sua paixão pela cultura cabo-verdiana explicou como a sua conexão com artistas e a música de Cabo Verde a inspirou profundamente.

"Eu tenho assim uma grande gratidão às pessoas e à cultura cabo-verdianas pela inspiração que me deu e que me continua a dar", expressou Cristina, enfatizando o impacto emocional de sua visita a Cabo Verde no ano passado.

Cristina Clara também esteve no ano passado em Cabo Verde no Atlantic Music Expo (AME) e deu um concerto no Centro Cultural Português, na Cidade da Praia.

Além de sua carreira musical, Cristina Clara que se mudou para Lisboa há 16 anos para exercer a enfermagem no Hospital de Santa Maria, dois aspectos da sua vida que garante que consegue conciliar, já que neste momento trabalha online na área da formação, o que lhe permite mais mobilidade e dedicação à música desde o lançamento de seu disco.

"Foi sempre um grande desafio conciliar as duas coisas, mas ao mesmo tempo muito inspirador", afirmou Cristina, destacando como as histórias das pessoas que ela conhece como enfermeira também a inspiram na música.

Quando questionada sobre o que surgiu primeiro em sua vida, a música ou a enfermagem, Cristina Clara explicou que a música veio primeiro, sendo uma parte importante de sua vida desde sua infância, enquanto a enfermagem surgiu mais tarde, quando teve de escolher sua carreira profissional.

No dia 18 de Outubro do ano passado, a cantora celebrou um ano do seu disco “Lua Adversa”, com um concerto no Teatro da Trindade, onde contou com convidados como a cantora jazz Maria João, o pianista espanhol Marco Mezquida, as batucadeiras Freirianas Guerreiras de Cabo Verde e a bailarina Bárbara Faustino.

Sobre seus próximos projectos musicais, Cristina Clara revelou planos de gravar seu próximo disco, destacando que a sua influência cabo-verdiana será mais evidente neste trabalho, expressando o desejo de visitar novamente Cabo Verde em breve, seja para cantar ou apenas para visitar.

DR/HF

Inforpress/Fim

29-02-2024 19:30

Mindelo, 29 Fev (Inforpress) – O ministro do Mar, Abraão Vicente realçou, à nova embaixadora de Turquia em Cabo Verde, a abertura que Cabo Verde tem em receber investidores turcos para projectos nas áreas ligadas ao mar.

O governante mostrou esse posicionamento ao receber, em visita de cortesia, a embaixadora da Turquia, que esteve, no Mindelo, para entregar na quarta-feira, 28, as suas cartas credenciais ao Presidente da República, José Maria Neves.

A diplomata Hatice Nur Sagman, conforme informações do Ministério do Mar, reconheceu, durante o encontro, o papel e o desempenho de Cabo Verde no que toca à preservação dos oceanos e ao desenvolvimento sustentável e mostrou o interesse do seu país em colaborar com o arquipélago.

O ministro do Mar, por seu lado, enalteceu a “larga experiência” da Turquia a nível dos portos e logística, aquacultura, investigação científica e haliêutica, áreas de comum interesse, e que abrem “excelentes possibilidades” e linhas de cooperação entre os dois países.

Por isso, Abraão Vicente agradeceu o interesse desse país europeu e retribuiu destacando a abertura de Cabo Verde para a cooperação, bem como para receber investidores turcos nas áreas ligadas ao mar

Durante a visita, de acordo com informações do Ministério do Mar, ficou expressa a vontade da assinatura de um futuro acordo de parceria entre os dois países para o sector da economia azul.

A embaixadora Hatice Nur Sagman esteve acompanhada do seu conselheiro comercial, do segundo secretário da Embaixada da Turquia no Senegal e do instrutor/professor no Centro Cultural Turco Yunus Emre.

LN/HF

Inforpress/Fim

29-02-2024 17:52

Mindelo, 29 Fev (Inforpress) - O embaixador do Irão em Cabo Verde mostrou hoje que o seu país quer reforçar a cooperação com o arquipélago em diversas áreas principalmente académica e universitária e trazer expertise nos ramos da tecnologia.

Hassan Asgari, que estará residente em Dacar, Senegal, falava à Inforpress após ser recebido pelo Presidente da República, José Maria Neves, no Palácio do Povo, em São Vicente, a quem apresentou as suas cartas credenciais e com quem analisou o reforço e consolidação da cooperação bilateral que, afirmou, já ultrapassou mais de meio século.

“O Irão, infelizmente, apesar de ser sancionada por todos os estados, alcançou muitas conquistas em diferentes áreas como a nanotecnologia, a biotecnologia, na agricultura inteligente no fabrico de medicamentos e equipamentos médicos”, exemplificou Hassan Asgari para quem esta expertise pode ser colocada à disposição de Cabo Verde.

Conforme o embaixador, Irão e Cabo Verde “beneficiam de uma posição geoestratégica” pelo que devem “transformar esta potencialidade em vantagens competitivas” para ambos.

Para Hassan Asgari existe um bom potencial para a interação entre os dois países também a nível de trocas comerciais, pelo que já encetou contactos com os presidentes das Câmaras de Comércio de Cabo Verde para incentivar a participação de empresas em feiras expositivas no seu país.

Além deste diplomata, o Presidente da República recebeu a nova embaixadora da Sérvia em Cabo Verde, Ana Ilíc, esta que também terá residência em Dacar.

Ana Ilíc partilhou com o chefe de Estado que Servia tem uma vasta experiência  nas novas tecnologias, nas tecnologias de informação e na digitalização dos serviços públicos, que  podem ser úteis para cooperação com Cabo Verde, sublinhando que já existem contactos de parte a parte neste sentido.

É claro que podemos compartilhar a nossa experiência. Podemos ajudar vocês e vocês nos ajudam com a vossa experiência neste campo, que é o futuro de todo o país do mundo”, projectou a diplomata que também prometeu ajudar a promover Cabo Verde como destino turístico para os sérvios.

“Amanhã vou para Santa Antão para conhecer. Temos um voo directo de Belgrado para Lisboa, e agora a conexão com Cabo Verde é muito mais fácil porque há voos de Lisboa para Cabo Verde todos os dias. Então, eu vou trabalhar para promover o turismo em Cabo Verde”, adiantou, lembrando ainda que os dois países têm perspectivas de cooperação também na área da agricultura.

CD/CP

Inforpress/Fim

29-02-2024 16:50

Mindelo, 29 Fev (Inforpress) - A embaixadora do Reino Unido anunciou hoje a criação de um consulado na Boa Vista para apoiar os seus cidadãos que visitam o arquipélago e facilitar os cabo-verdianos na aquisição de vistos para férias para aquele país.

Lisa Bandari fez este anúncio à imprensa após apresentar as suas cartas credenciais ao Presidente da República, José Maria Neves, no Palácio do Povo em São Vicente.

Segundo a embaixadora, o Reino Unido é o maior emissor de turistas para Cabo Verde, com cerca 300 mil visitantes por ano, pelo que as relações entre os dois países exigem uma presença diplomática mais forte.

“As ligações entre o Reino Unido e Cabo Verde são muito fortes e queremos construir uma base mais forte  ainda pelo que temos planos para montar um consulado honorário para ajudar os turistas britânicos na Boa Vista, no futuro próximo”, avançou a diplomata que também reconheceu as dificuldades na logísticas e os custos que os cabo-verdianos têm na obtenção dos vistos para o Reino Unido.

 Sobre este particular Lisa Bandari avançou também que o Reino Unido tem planos para digitalizar os vistos em 2024/2025 e acredita que estas mudanças ajudarão os residentes cabo-verdianos a conseguir um visto mais facilmente e provavelmente com taxas mais reduzidas.

A embaixadora, que terá residência em Lisboa, disse que esta foi a sua primeira visita a Cabo Verde e mostrou-se ansiosa por conhecer mais sobre “a cultura, a paisagem, o povo e a morabeza do arquipélago deste país tão bonito”.

“Cabo Verde é um parceiro importante para o Reino Unido, partilhamos valores comuns e também temos cooperação em áreas de importância global, bem como local, incluindo a segurança internacional e a defesa na luta contra as alterações climáticas”, arrematou.

Quem também apresentou as cartas credenciais foram as representantes diplomáticas do Gana e do Paquistão.

Da parte do Gana, a embaixadora Emma Mensah, realçou que o seu país e Cabo Verde têm uma longa relação que foi reforçada com a visita do Presidente do Gana, por duas vezes, e ainda estão a identificar as áreas específicas de cooperação com o arquipélago, salientando que existem diversas possibilidades para reforçar esta cooperação.

A embaixadora do Paquistão, Saima Sayed, por sua vez, explicou que o seu país pretende construir uma forte cooperação com os países africanos pelo que veio a Cabo Verde também para identificar oportunidades, áreas de interesse, principalmente o comércio.

Saima Sayed também avançou que o Paquistão quer firmar uma cooperação com Cabo Verde para a formação de jovens diplomatas, promover intercâmbios entre as academias e pessoas dos dois países.

CD/CP

Inforpress/Fim

Exibindo 1 para 12 de 60