ECONOMIA


15-07-2024 14:38

Cidade da Praia, 15 Jul (Inforpress) – O segundo boletim estatístico do SPS em Cabo Verde referente a 2021/2023, apresentado hoje, na cidade da Praia, concluiu que 60 % da população estava coberta com, pelo menos, uma prestação da protecção social.

Este boletim estatístico do Sistema de Protecção Social (SPS) foi apresentado pela coordenadora do Instituto Nacional de Estatística, Noemi Ramos, à margem da conferência sobre a “Inclusão e Sustentabilidade: Desafios e Oportunidades para o futuro da Segurança Social” que decorreu esta manhã, no âmbito da celebração do Dia Nacional da Segurança Social, assinalado hoje.

O estudo teve como base toda população residente em Cabo Verde e que beneficia de, pelo menos, uma prestação de protecção social e teve como público alvo três grupos, nomeadamente, crianças dos 0 aos 14 anos, adultos ou população em idade activa dos 15 aos 64 e idosos de 60 anos ou mais.

Os dados revelam que 60 % da população de Cabo Verde estava coberta pelo menos com uma prestação de protecção social, onde 62 % são mulheres e 58 % homens.

A nível do regime, a maior parte está coberta pelo regime contributivo com 55 % da população e 5,0 % pelo regime não contributivo.

Em termos de tipo de prestações, os dados indicam que 48 % das crianças estavam cobertos pela segurança social e que 77 % dos idosos de 60 anos ou mais estavam cobertos também por uma prestação da protecção social.

O documento aponta ainda que a cobertura de subsídios de emprego face ao total de desempregados foi de 6,0 %, 24% para a protecção na maternidade, 12% na invalidez e 8,0 % da população vulnerável estava coberta por uma prestação social do regime não contributivo, ou seja, através das pensões geridas pelo INPS.

Os dados revelam que a população residente é muito jovem com uma idade média de 31 anos, onde 28 % da população são crianças dos 0 aos 14 anos, 62 % da população em idade activa dos 15 aos 64 anos e 10% idosos com idade a partir dos 60 anos.

O diagnóstico concluiu ainda que o Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 5,1% onde a esperança de vida é de 76 anos nas mulheres e 67 homens.

Em termos de mercado de trabalho, a análise indica que a taxa de emprego é de 52%, 12% de subemprego, 10% desemprego e que a informalidade continua elevada com 48%.

O segundo boletim estatístico sobre protecção social 2021/2023 apresenta a evolução da cobertura da protecção social e fornece informações para a avaliação das políticas públicas desenvolvidas nos últimos três anos, principalmente aquelas para fazer face ao período pós-pandemia.

Segundo Noemi Ramos, o estudo contou com o engajamento do Ministério das Finanças, do INPS, do INE e a colaboração do Banco de Cabo Verde, do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP), da Fundação Cabo-verdiana de Acção Social Escolar (Ficase) entre outras instruções que trabalham na área da protecção social.

A cerimónia contou também com a intervenção do presidente do Instituto Nacional de Previdência Social, coordenadora residente do Sistema das Nações Unidas em Cabo Verde, encarregado de Negócios da Embaixada de Portugal em Cabo Verde e do ministro do Estado, da Família, Inclusão e Desenvolvimento Social.

AV/HF

Inforpress/Fim

15-07-2024 9:42

São Filipe, 15 Jul (Inforpress) – A terceira edição da Festa de Queijo vai abrir com uma acção de formação e capacitação das mulheres em matéria de transformação dos produtos derivados do leite e queijo de cabra.

A acção, intitulada “Mulheres na transformação dos produtos derivados do leite e do queijo de cabra”, visa capacitar as mulheres de Monte Grande para impulsionar o desenvolvimento socioeconômico local e vai ser a primeira actividade da terceira edição da Festa de Queijo de Monte Grande que se realiza de hoje a sábado, 20.

A acção de capacitação de um total de 25 mulheres é ministrada por um engenheiro alimentar e por uma especialista em gestão estratégica de marketing, e conta com apoio da cooperação portuguesa, segundo o presidente da Associação “Ka Djidja” (Casa Djidja, em português), Pedro Matos.

A par desta acção de formação e no quadro da 3ª edição da Festa do Queijo prevê-se uma outra acção de capacitação em produção semi-intensiva de ruminantes, destinada aos criadores e ministrada pela mestre em Medicina Veterinária Janice Duarte Silva.

Da terceira edição destaca-se ainda o fórum de desenvolvimento local sobre mudanças climáticas e segurança alimentar no mundo rural e “Escuta diálogo com lideranças locais e tomadores de decisão” e a Rota do Queijo, em parceria com associações locais e operadores turísticos.

O evento objectiva proporcionar aos turistas e demais interessados uma “experiência única” junto aos criadores e produtores de queijo.

A Rota do Queijo tem como principal objectivo socializar os visitantes quanto ao processo de fabrico do queijo artesanal, estimular o turismo rural e gastronómico e conhecer as tradições em torno da vida do campo.

Para esta edição, a organização escolheu a localidade de Cabeça Fundão para realizar a Rota do Queijo, dada a “forte tradição” no domínio de pecuária, com destaque para caprinocultura e prevê-se visita às áreas de plantas endémicas e currais, assim como sessão de conversas sobre educação ambiental e degustação de queijos.

A Associação Ka Djidja que, em parceria com as associações locais de Monte Grande organiza a Festa do Queijo, quer implementar alguns projectos visando a valorização do queijo da ilha do Fogo.

Entre os projectos em carteira o presidente da associação apontou o de implementação de queijaria individual/familiar para pequeno produtor de queijo e direccionado apenas para produção e armazenamento do produto com respeito pelas normas e especificidades do sector e com envolvimento das associações locais.

A associação pretende igualmente trabalhar a marca de origem do queijo do Fogo para que o mesmo seja reconhecido como um património gastronómico imaterial de Cabo Verde.

JR/AA

Inforpress/Fim

14-07-2024 10:40

Porto Novo, 14 Jul (Inforpress) – O novo centro de expurgo de Santo Antão, que está a ser construído no porto do Porto Novo, vai estar pronto ainda no decorrer deste ano de 2024, conforme a previsão dos serviços do Ministério da Agricultura. 

O delegado deste ministério no município do Porto Novo, Joel Barros, disse à Inforpress que o centro de expurgo, cujas obras estão a decorrer “a um bom ritmo”, encontra-se em fase adiantada, prevendo-se que comece a operar ainda no decurso deste ano. 

O novo centro de inspecção e embalagem dos produtos agrícolas de Santo Antão, que representa um investimento de 80 mil contos, vai facilitar o escoamento dos produtos agrícolas para os mercados turísticos do Sal e da Boa Vista, avançou este responsável.

Aquando da consignação das obras, em Novembro de 2023, o ministro do Mar, que presidiu ao acto, explicou que o Governo pretende com o novo centro de inspecção resolver o problema do embargo imposto há quase 40 anos aos produtos agrícolas de Santo Antão, devido à praga dos mil pés.

O novo centro de expurgo está a ser erguido dentro das instalações portuárias numa área de 1.350 metros quadrados, vai trazer, no entender do Governo, “muitas vantagens” aos agricultores de Santo Antão, desde logo, o facto de se situar no “ponto de saída” desta ilha.

JM/ZS

Inforpress/Fim

13-07-2024 9:26

Lisboa, 13 Jul (Inforpress) - Cabo Verde e Guiné-Bissau são dois dos oito países africanos, num total de 20 a nível mundial, que vão participar num programa piloto do Grupo Banco Mundial no âmbito da reforma institucional desta entidade.

"Desde 01 de Julho que temos em 20 países uma pessoa do Grupo Banco Mundial que representa o grupo todo, em África são oito países, nos quais selecionámos uma colega que representa o Banco Mundial, a Corporação Financeira Internacional e a MIGA", disse o vice-presidente do Corporação Financeira Internacional (IFC), o braço do Grupo para o sector privado.

Em entrevista à Lusa em Lisboa, Sérgio Pimenta explicou que esta alteração insere-se na reforma institucional que o Grupo está a levar a cabo sob a presidência de Ajay Banga, na sequência da decisão dos acionistas de implementarem um novo modelo de funcionamento que visa tornar os bancos multilaterais de desenvolvimento maiores, mais fortes e mais ousados ('bigger, better and bolder', na expressão em inglês).

"Quando uma empresa ou um Governo fala com esse representante, passa a ter acesso aos diferentes instrumentos de todo o Grupo, tem a ver com a maneira como trabalhamos de forma conjunta e com isto alavancamos o impacto sem aumentar a necessidade de mais capital", disse Sérgio Pimenta, salientando que Cabo Verde e Guiné-Bissau são os dois países lusófonos escolhidos para lançar esta reforma.

"Começamos esta iniciativa inovadora em países pequenos, que por vezes é mais fácil, e Cabo Verde é um bom exemplo porque é um dos países onde o Banco Mundial e a IFC tem bastantes operações, estamos muito envolvidos, e vamos construir a partir daí", disse o responsável.

A IFC olha para Cabo Verde como "um bom exemplo de uma colaboração em parceria público-privada, em que as prioridades da IFC foram definidas em conjunto com o Governo", explicou o responsável para África, salientando a vertente holística da abordagem.

"Financiámos uma cadeia hoteleira portuguesa, a Oasis, que vai fazer renovações, identificámos outra cadeia de hotéis que será financiada este ano, facilitámos o acesso ao transporte aéreo, ajudámos o Governo a identificar um parceiro para fazer uma PPP [parceria público-privada], financiámos a Vinci com um apoio de longo prazo que permite fazer renovações nos aeroportos”, disse.

Segundo o responsável, o IFC fez ainda um “trabalho com os bancos”, com “linhas de crédito de partilha de riscos para as Pequenas e Médias Empresas.

“Portanto financiamos não só uma empresa, mas sim todo o setor do turismo, garantindo um impacto forte com intervenções específicas em diferentes níveis", concluiu Sérgio Pimenta.

Inforpress/Lusa

Fim

13-07-2024 9:08

Porto Novo, 13 Jul (Inforpress) – Cinquenta e sete toneladas de produtos agrícolas diversos provenientes da ilha de Santo Antão foram exportadas no primeiro semestre deste ano para os mercados turísticos do Sal e da Boa Vista.

A informação foi avançada hoje pelos serviços do Ministério da Agricultura e Ambiente, no Porto Novo, que explicaram que são excedentes agrícolas tratados a partir do Centro de Expurgo, entre os meses de Janeiro e Junho de 2024.

O delegado do Ministério da Agricultura e Ambiente, Joel Barros, confirmou à Inforpress que 85 por centro (%) dos produtos, como inhame, batatas, cenoura e tomate, vão para a ilha do Sal, que tem sido o principal mercado para os produtos agrícolas de Santo Antão.

Em 2023 foram exportadas para as duas ilhas turísticas 118 toneladas de produtos agrícolas.

Os dados fornecidos pelos serviços do Ministério da Agricultura e Ambiente dizem que desde 2013, ano em que o Centro de Expurgo do Porto Novo começou a funcionar, até Junho de 2024, foram exportados para as duas ilhas 918 toneladas de produtos agrícolas.

O ministro do Turismo, Carlos Santos, exortou em Junho, em Santo Antão, os agricultores a tirarem o proveito do mercado turístico das ilhas do Sal e Boa Vista.

Carlos Santos apelou aos agricultores em Santo Antão a aproveitarem a oportunidade de negócio que este mercado turístico oferece, informando que, por ano, os hotéis nas ilhas do Sal e Boa Vista consomem 100 milhões de euros só em produtos agrícolas.

JM/AA

Inforpress/Fim

13-07-2024 9:05

Cidade da Praia, 13 Jul (Inforpress) - O engenheiro Valdemar Soares substitui, a partir do dia 01 de Julho, João Oliveira no cargo de presidente do conselho de administração da Vivo Energy, empresa de comercialização de combustíveis e lubrificantes da marca Shell.

De acordo com uma nota informativa da instituição, Valdemar Soares possui mais de 30 anos de experiência no sector energético, liderou vários projectos com desempenho em cargos importantes sendo o mais recente o director financeiro da Vivo Energy Moçambique.

“Com visão do grupo Vivo Energy de ser líder e o mais respeitado do sector energético em África, estamos certos de que Valdemar Soares, na sua nova missão, levará a empresa a um novo patamar, com desempenho de excelência, respeito pelos mais altos standards da HSSE, responsabilidade corporativa e social” disse.

Valdemar Soares é licenciado em Economia pelo Instituto Superior de economia e Gestão (ISEG) da Universidade Técnica de Lisboa e possui pós-graduação em Gestão pelo Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE).

LT/AA

Inforpress/Fim

12-07-2024 14:25

Mindelo, 12 Jul (Inforpress) - O terminal de cruzeiros de São Vicente deve ficar concluído no mês de Outubro, mas o presidente do conselho de administração da Enapor nega atrasos na obra, que “têm andado em bom ritmo”.

O que ocorreu, esclareceu hoje Ireneu Camacho, em conferência de imprensa, no Mindelo, foi a necessidade de incluir, com a obra em andamento, o novo projecto “Onshore Power Supply” para fornecer, já em Outubro, energia limpa aos navios de cruzeiro que atracam neste mesmo terminal.

Portanto, sintetizou, esta “pequena prorrogação do prazo” para Outubro deveu-se à inclusão de um “grande projecto” que irá “transformar completamente” o novo terminal.

“Isto reduzirá significativamente as emissões de carbono nos nossos portos e melhorará a qualidade do ar no porto e na cidade, ou seja, este projecto cumprirá o quadro regulamentar, cumprirá o Acordo de Paris, baseado na Convenção Marpol 73 e 78, as directivas da União Europeia relacionadas com os portos e a iniciativa climática que existe em todo o mundo”, reforçou a mesma fonte.

Paralelamente à construção do terminal, Ireneu Camacho enfatizou que a Enapor se encontra a trabalhar num plano de desenvolvimento do destino, com participação em diversas feiras internacionais de promoção do destino Cabo Verde.

“Neste momento estamos a trabalhar em conjunto com a Macaronésia, Ilhas da Madeira, Açores, Canárias e Tenerife, num novo itinerário que incluirá também Cabo Verde”, enfatizou a mesma fonte, que indicou ainda, dentro desta estratégia, a negociação para finalizar a contratação da Global Port, para ajudar a promover o destino Cabo Verde e o destino São Vicente.

“Acredito que todos estes eventos, esta participação nas feiras, para vender muito bem o destino Cabo Verde, tem ajudado muito para o crescimento dos navios de cruzeiro e também para o número de passageiros de cruzeiros nos nossos portos”, finalizou.

Os portos de Cabo Verde registaram no primeiro semestre de 2024 um aumento de cerca de 71 % ao nível do tráfego de navios de cruzeiro, em relação a 2023, de passageiros de cruzeiros em cerca de 9 %.

As obras do terminal prosseguem, e, no seu todo, os trabalhos da construção envolveram a conquista de um terrapleno, denominado “Ponte Terrestre”, com 2.700 metros quadrados, a dragagem de aproximadamente 124 mil metros cúbicos na bacia portuária e no canal de acesso, e a reabilitação do cais número 09, que vai passar a servir navios de recreio de pequeno porte.

As obras estão a ser executadas pelo consórcio luso-cabo-verdiano constituído pelas empresas Mota-Engil – Engenharia e Construção, SA e Empreitel Figueiredo, SA, sendo o projecto co-financiado em 29 milhões de euros pelo Governo de Cabo Verde, Fundo ORIO, dos Países Baixos, e pelo Fundo OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) para o Desenvolvimento Internacional.

AA/ZS

Inforpress/Fim

12-07-2024 13:19

Mindelo, 12 Jul (Inforpress) – A direcção da Enapor tem um curso um programa “muito forte” de investimentos em infra-estruturas e equipamentos portuários tendente a melhorar a produtividade e eficiência dos portos com equipamentos modernos e uma nova filosofia nas operações portuárias.

A afirmação é do presidente do conselho de administração da Enapor, Ireneu Camacho, empresa pública responsável pela gestão e logística portuária a nível nacional, para quem o objectivo é adaptar os portos de Cabo Verde e ter infra-estruturas para atracar navios de grande porte e promover “cada vez mais” o tráfego e o transbordo, “um dos grandes objectivos” dos portos nacionais.

Igualmente, disse a mesma fonte, o investimento nos equipamentos portuários objectiva melhorar a eficiência portuária e a produtividade nos portos.

A título de exemplo, a mesma fonte mencionou o porto de Vale Cavaleiros, o qual, com “uma simples mudança”, as operações que antes demoravam dias, agora demoram horas, com “impacto directo” nos operadores económicos, pois as mercadorias chegam mais rapidamente ao mercado, os navios demoram menos no porto, pagam menos e deslocam-se mais rapidamente para outros portos.

O presidente do conselho de administração da Enapor aproveitou para anunciar alguns projectos em carteira e que vão avançar em 2025, como disse, entre eles as gares marítimas do Porto do Tarrafal (São Nicolau) e do Porto da Praia (Santiago).

Isso sem contar, como disse, a nível das infra-estruturas portuárias, com o projecto Global Gateway, já com financiamento através da União Europeia e também do Banco Europeu de Investimento, de expansão do Porto Grande de São Vicente, e, ao mesmo tempo, a expansão do Porto Novo, e também o projecto de fornecimento de energia limpa aos navios que atracam nos portos de Cabo Verde.

Por outo lado, em relação ao Porto Inglês, na ilha do Maio, cuja rampa metálica encontra-se assoreada desde inícios do mês de Junho, Ireneu Camacho referiu que a Enapor trabalha neste momento com uma equipa especializada para fazer uma análise “bastante técnica” do porto.

“Contamos dentro em breve iniciar uma dragagem na rampa metálica que se encontra assoreada, já contratámos uma empresa para fazer o desassoreamento e acreditamos que iniciaremos o trabalho de antes do final do corrente mês de Julho”, concretizou o presidente do conselho de administração da Enapor.

AA/ZS

Inforpress/Fim

12-07-2024 13:10

Mindelo, 12 Jul (Inforpress) – O presidente do conselho de administração da Enapor, Ireneu Camacho, considerou hoje que a empresa pública responsável pela gestão e logística portuária a nível nacional registou um crescimento “muito positivo” em todos os segmentos de negócios.

Em conferência de imprensa, no Mindelo, para balanço das actividades do primeiro semestre de 2024, em comparação com o período homólogo do ano passado e o período que antecedeu a pandemia da covid-19, Camacho referiu que os segmentos de negócio incluem o tráfego e o volume de negócios, ou seja, a nível financeiro.

A mesma fonte indicou que a nível do tráfego registou-se um aumento do número de navios que sulcaram os portos nacionais, ou seja, 4.087 navios, um aumento de 9 por cento (%) em relação ao ano de 2023, e de 71 %, quando comparado com o ano de 2019.

Em relação a passageiros, os registos actuais apontaram para cerca de 740 mil passageiros, com um aumento de 12 % em relação a 2023, e também de 64 % quando comparado com o ano de 2019, e, nos bens, regista-se um aumento de 2 % quando comparado com o ano de 2023, e também de 1% quando comparado com o ano de 2019.

No segmento de cruzeiros, que Ireneu Camacho classificou de “muito importante” para o desenvolvimento da economia, o crescimento registado é “muito forte”, ou seja, indicou um aumento de 71 % ao nível do tráfego de navios de cruzeiro, em relação a 2023, e um aumento de 155 % quando comparado com o ano de 2019.

Igualmente, apontou crescimento do número de passageiros de cruzeiros, de 9 % em relação ao ano de 2023, e de 262 % quando comparado com o ano de 2019, crescimento que, precisou, tem impacto directo no crescimento a nível financeiro, nomeadamente no negócio da empresa.

“Também estamos a crescer financeiramente, temos um crescimento no volume de negócios de cerca de 10 % quando comparado com o ano de 2023, e estamos também a crescer ao nível do volume de negócios de quase 2% quando comparado com o ano de 2019, ano anterior ao da pandemia”, concretizou o presidente do conselho de administração da Enapor.

A mesma fonte referiu-se ainda às receitas operacionais, com crescimento de 11 % em 2023, e de 4 % quando comparado com o ano de 2019.

AA/ZS

Inforpress/Fim

11-07-2024 20:03

Cidade da Praia, 11 Jul (Inforpress) – Cerca de cem beneficiários da Acção Social da Câmara Municipal da Praia estão munidos de ferramentas que lhes permitem gerir pequenos negócios, tendo hoje recebido os seus certificados, no quadro de uma formação promovida para o efeito.

O acto de encerramento e entrega de certificados desta acção de formação em gestão de pequenos negócios, no âmbito do projecto "Construindo Oportunidades", aconteceu na tarde de hoje, testemunhado pelo vereador da Acção Social, Fernando Pinto, e pela representante da Mentors Internacional de Cabo Verde, Tatiana Rocha, enquanto parceira do projecto.

Promovida pelo pelouro da Acção Social, Modernização Administrativa, Juventude, Desporto e Serviços Desconcentrados, a iniciativa tem como propósito o empoderamento das famílias, visando a autossustentabilidade e combate ao assistencialismo, através da capacitação nas áreas de gestão de pequenos negócios, educação financeira, género, VBG e crimes sexuais, relacionamento interpessoal e familiar, entre outras.

Na sua intervenção de ocasião, o vereador da Acção Social, Juventude e Desporto destacou “aspectos importantes” desta formação que, conforme salientou, permitirão objectivos de longo prazo, com vista à empregabilidade e desenvolvimento do negócio.

 “No percurso das nossas vidas temos altos e baixos, mas um aspecto fundamental para o sucesso é conhecer regras básicas, traçar metas pessoais que nos permitem alcançar objectivos a curto, médio e longo prazos”, elucidou, desafiando os participantes a serem proativos, saber gerir, planificar, calcular margem de lucro, associado ao princípio do exercício da poupança.

“Esta formação tem como propósito libertar e fazer as pessoas acreditarem que são capazes de levar o seu projecto avante, acrescentar valores para a vida e para a sociedade, quebrando assim o ciclo vicioso de dependência e assistencialismo”, completou.

Fernando Pinto concluiu, desejando sucessos a todos os participantes da formação, na sua grande maioria mulheres, destacando, ao mesmo tempo, o “empenho da câmara” em investimentos a nível social, em diferentes domínios.

Por seu lado, e em representação da Mentors Internacional de Cabo Verde, Tatiana Rocha espicaçou os formandos, referindo que toda a teoria só poderá dar certo quando os conhecimentos adquiridos forem colocados em prática.

“Para transformar a nossas vidas. Acreditar que somos capazes. Trabalhar os nossos talentos e qualidades que Deus nos deu, ter propósitos visando a melhoria da condição de vida das nossas famílias. Não há dinheiro no mundo que possa chegar se o nosso emocional está doente”, examinou, destacando a missão da Mentors Internacional que é o de ajudar as gerações em todo o mundo a sair da pobreza e alcançar a autossuficiência e prosperidade.

Patrícia, uma das beneficiárias, em poucas palavras contou as suas lutas e dificuldades, ambicionando ser uma “grande empreendedora”.

“Antes batia à porta das pessoas pedindo ajuda, mas hoje tenho o meu próprio negócio, a minha pequena empresa. E o meu objectivo é transformar-me numa grande empreendedora. Acreditemos em nós mesmos, porque somos capazes. É ter garras e determinação”, desafiou às colegas.

SC/JMV

Inforpress/Fim

11-07-2024 18:00

Pedra Badejo, 11 Jul (Inforpress) - A conferência “Santa Cruz e os Desafios do Desenvolvimento Econômico Local”, que vai decorrer esta sexta-feira, em Santa Cruz, tem como foco traçar impulsionar o crescimento sustentável e a prosperidade do município.

Em declarações à Inforpress, a vereadora responsável pela área do Desenvolvimento Económico Social Administração e Finanças da Câmara Municipal de Santa Cruz, Jamira Duarte, explicou que o intuito é reunir no espaço personalidades diferentes, desde sociedade civil, académicos, empresários, especialistas das diversas áreas para discutir o futuro económico do município.

Esta primeira edição da conferência está a ser organizada pela autarquia santa-cruzense em parceria com a Universidade de Santiago, no quadro das festividades de “Nhu Santiago Maior” e tem como foco “impulsionar o crescimento sustentável e a prosperidade de Santa Cruz”.

Jamira Duarte ressaltou que, nos últimos anos, o município tem enfrentado “desafios significativos”, sobretudo nos sectores agrícola, pecuária e pesca, que coincidentemente se encontram integrados dentro do sector primário e as actividades a que a maioria dos santa-cruzenses se dedicam.

Estes desafios, conforme explicou a vereadora, são ditados pelas alterações climáticas adversas, nomeadamente a seca recorrente e que tem impactado negativamente a segurança alimentar no município, contribuindo para a reprodução de um ciclo vicioso de pobreza.

Neste sentido, avançou que a autarquia entende que tem um papel crucial na promoção de um desenvolvimento económico territorial  de forma global e, localmente, trabalhar para se ter uma economia mais sustentável, para facilitar todos os parceiros e stakeholders interessados na promoção do sector primário com programas complementares que podem dar suporte a programas macro-económicos deste sector para criar resiliência na comunidade costeira e rural, garantindo assim um desenvolvimento mais sustentável e inclusivo.

É neste contexto que a conferência vai abordar esses desafios complexos ao reunir todos os stakeholders, parceiros, representantes governamentais, municipais, organizações não-governamentais, académicos, empresários, membros da comunidade local, todos no mesmo espaço para promover um diálogo profundo e construtivo para debater sobre políticas públicas no que tange o acesso ao financiamento, factores de indução de desenvolvimento sócio-económico local.

Esta conferência é dividida em dois painéis, sendo que o primeiro vai se debruçar sobre o desenvolvimento local num contexto de insularidade e o segundo sobre as políticas públicas e os desafios de um desenvolvimento local sustentável.

Com esses dois painéis, a vereadora diz acreditar que é possível abordar esses desafios, explorar oportunidades de crescimentos, pois além de identificar desafios, pretende-se inspirar novas estratégias e sinergias que vão ser indutores para o desenvolvimento sócio-económico e sustentável do município. 

MC/CP

Inforpress/Fim

11-07-2024 9:33

São Filipe, 11 Jul (Inforpress) – Os projectos turísticos sustentáveis de Chã das Caldeiras são socializados hoje, num seminário que vai contar com a presença do primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva.

O evento, que estava previsto para o passado mês de Maio, foi adiado devido a problemas nas ligações aéreas que impossibilitaram o ministro do Turismo e Transporte, Carlos Santos, e de outros participantes de viajarem para a ilha.

A abertura do seminário de socialização dos projectos vai acontecer na comunidade turística de Chã das Caldeiras, sob a responsabilidade do ministro do Turismo e Transporte, e o encerramento pelo primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva.

O evento, de acordo com os organizadores, pretende, num primeiro momento, promover a socialização dos eixos do Programa de Valorização Turística e Ambiental das Aldeias Rurais (PVTAAR), através da abordagem da estratégia de intervenção e de comunicação do programa.

Num segundo momento vão ser apresentados os projectos específicos para valorizar o turismo rural e a sustentabilidade turística das aldeias, com foco na dinamização da economia local e no aumento do rendimento das famílias em Chã das Caldeiras.

O PVTAAR visa diversificar a oferta turística e melhorar o saneamento básico e as condições de vida em uma rede de 18 aldeias seleccionadas, com financiamento dos fundos do turismo e do ambiente e procura desenvolver sustentavelmente aldeias rurais com potencial turístico e transformar as aldeias em espaços de prática de turismo.

As intervenções previstas incluem requalificação, conservação e melhoria da qualidade ambiental, com arranjos paisagísticos, reabilitação de habitações, reforço do saneamento básico e abastecimento de água.

No quadro do PVTAAR estão programadas acções de formação e capacitação para o empreendedorismo, sensibilização e educação ambiental, e promoção da oferta turística através de roteiros nacionais e internacionais.

No final do evento, o primeiro-ministro vai proceder ao lançamento da Aldeia Rural de Chã das Caldeiras, no município de Santa Catarina do Fogo.

Na sexta-feira, 12, o chefe do Governo vai presidir ao lançamento das Aldeias Rurais de Campanas de Cima (São Filipe) e Pai António (Mosteiros).

JR/AA

Inforpress/Fim

Exibindo 1 para 12 de 60