Sociedade


21-02-2024 18:49

Mindelo, 21 Fev (Inforpress) – O chinês Paulo Pan, que vive em Cabo Verde há mais de 30 anos, considera o crioulo como sua segunda língua, que possibilitou a sua “rápida integração” e fundamental para se sentir em casa no arquipélago.

Paulo Pan, que falou à Inforpress a propósito do Dia Internacional da Língua Materna, conheceu Cabo Verde pela primeira vez em 1992, na tentativa de busca de vida melhor como comerciante e teve como primeira paragem a cidade da Praia, onde esteve por três anos.

Neste processo de adaptação, ainda mais em termos linguísticos, de radicais completamente diferentes, afirma ter-se socorrido primeiramente a um dicionário de tradução inglês/português, que lhe permitiu ter os primeiros contactos com os cabo-verdianos.

Entretanto, segundo a mesma fonte, a maior parte do vocabulário crioulo foi adquirido no dia-a-dia, na convivência com funcionários, novos amigos cabo-verdianos, feitos principalmente em São Vicente, onde reside há mais de 15 anos.

“Foi mais fácil aprender o crioulo de São Vicente, porque é mais ligado ao português e as palavras têm poucas diferenças”, considerou Paulo Pan, que hoje ocupa a função de presidente da Associação dos Empresários Chineses em Cabo Verde.
Também disse ter sido nesta ilha onde se sentiu  um pouco mais cabo-verdiano e a considerar o crioulo como sua segunda língua e que, inclusive, até o tem permitido comunicar com outras pessoas fora do País.

Paulo Pan dá o exemplo de algumas vezes que viajou para Portugal e conseguiu falar o dialecto com funcionários do aeroporto de Lisboa, naturais de São Vicente, e até mesmo com portugueses.

“É muito interessante quando acontece isso”, descreveu, adiantando que também na China o crioulo serviu-lhe de “ponte de amizade” até num restaurante que geriu durante alguns anos, depois ter feito uma pausa em Cabo Verde e voltou à sua terra natal.

Foi ali que disse ter conhecido alguns médicos cabo-verdianos que estiveram a estudar medicina tradicional chinesa e os surpreendeu, em abordagem feita em crioulo, falado por um chinês.

Contudo, Paulo Pan mostra-se céptico quanto à oficialização da língua materna cabo-verdiana, já que, como disse, esta só tem peso dentro de Cabo Verde

“Ainda assim, cada ilha tem a sua língua e com muitas diferenças, por exemplo, entre norte e sul. Por isso, acho muito difícil [a oficialização]”, assegurou o empresário, relembrando ainda que não há unanimidade entre os cabo-verdianos sobre qual dialecto a ser oficializado.

Por outro lado, acrescentou, há que ter em conta a “pouca expressão” do crioulo a nível internacional quando comparado com a língua oficial portuguesa que é falada na Europa, África, Ásia e América Latina.

Polémicas a parte, Paulo Pan argumentou a importância do crioulo na sua vida, a ponto de sentir o arquipélago como sua casa.

“Tenho sempre vontade de voltar para Cabo Verde. Vou à China visitar a família, mas, só consigo passar dois-três meses no máximo e logo sinto saudades de voltar”, asseverou, apontando a língua como um dos factores fundamentais para essa “paixão adquirida”.

Assegura ter “muito carinho” pelas gentes e pela língua cabo-verdiana, que, ajuntou, convive perfeitamente com a sua língua materna, o chinês, que tenta também preservar através da ligação com familiares e hoje em dia com a convivência com diversos jovens cabo-verdianos, que fizeram os estudos na China.

O Dia Internacional da Língua Materna é celebrado anualmente em 21 de Fevereiro em todo o planeta,  este ano com o lema “Educação multilingue- um pilar de aprendizagem intergeracional”.

Criado pela UNESCO – Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, em 17 de Novembro de 1999, o Dia Internacional da Língua Materna tem o objectivo de promover a diversidade linguística e cultura entre as diferentes nações.

Além disso, esta data também convida a todos os países membros da UNESCO e suas matrizes a refletirem sobre a preservação das particularidades linguísticas e culturais de cada sociedade.

LN/JMV
Inforpress/Fim
 

21-02-2024 17:38

Assomada, 21 Fev (Inforpress) – Os profissionais que lidam directamente com as grávidas e recém-nascidos da Região Sanitária Santiago Norte (RSSN) participaram hoje numa acção de capacitação sobre o atendimento aos recém-nascidos e reanimação neonatal.

Em declarações à Inforpress, o director da RSSN, João Baptista Semedo, explicou que o objectivo principal é continuar a reforçar a capacidade técnica dos profissionais de saúde, sobretudo os que se encontram na porta de entrada do sistema a nível de atenção primária, neste caso nos Centros de Saúde, mas também a dos profissionais a nível secundário, os que se encontram nos hospitais e que actuam no atendimento específico de grávidas.

Segundo este responsável, esta formação foi ministrada presencialmente na sala de reuniões do Gabinete Técnico da RSSN, em Achada Falcão (Santa Catarina) e nas plataformas digitais.

Abrangeu os profissionais dessa vertente dos seis municípios que compõem a região, nomeadamente São Lourenço dos Órgãos, Santa Cruz, São Salvador do Mundo, Santa Catarina, São Miguel e Tarrafal, com vista a dar um seguimento certo e evitar consequências ligadas tanto a mães como aos filhos recém-nascidos. 

Esta formação, conforme sublinhou, prepara os profissionais no sentido de intervirem e prestarem os cuidados iniciais ao recém-nascido, considerando que o “parto possui vários mistérios” e, com as ferramentas apresentadas, os profissionais estarão aptos para identificar a olho nu e rápido, quando o recém-nascido nascer se este tem a necessidade de reanimação e ajuda.

Com estas intervenções, o director afiançou que assim pode-se evitar complicações, na maioria das vezes graves, exemplificando que se um recém-nascido precisar de ajuda e não for socorrido, esta situação pode levá-lo a óbito, pode originar paralisia cerebral, entre outras complicações.

“Queremos ter cidadãos sãos e para isso o sistema tem de ter pessoas altamente qualificadas para trabalhar na prevenção destas situações, desde a captação da gravidez até ao processo do nascimento nas primeiras horas”, finalizou.

Por seu turno, o médico neonatalogista e director do serviço de neonatologia do Hospital Universitário Agostinho Neto, António Cruz, realçou que o objectivo é fazer com que a taxa da mortalidade infantil que se encontra em dois dígitos, ou seja, 10 por mil crianças que nascem com vida, seja reduzida para abaixo dos 10 por mil (%0).

Recordou que nos anos de 1975 a taxa de mortalidade infantil em Cabo Verde era de 108 para cada criança nascida viva até 1 ano de idade, foram introduzidas algumas melhorias nas condições de vida, saneamento, água, vacinação das crianças o que fez essa taxa baixar e, no ano 2000, começou-se a ficar no efeito platô, e morriam 21 a 23 crianças, situação que permaneceu até 2013.

Tendo em conta esta situação, realçou que foi feito um investimento para melhorar o período compreendido entre 0 a 28 dias, período em que se concentrava a taxa de mortalidade infantil e em 2022, a taxa passou a ser de 10,2, considerando-o como sendo um marco “muito importante”, ressaltando que o objectivo é conseguir encaixar essa taxa abaixo de 10 por mil.

Diante do objectivo traçado, António Cruz enalteceu a importância desta formação, sublinhando que tem sido realizada quase por todo o país, com foco na uniformização dos protocolos de reanimação neonatal, ou seja, para que todos os técnicos que contactam com as mães e as crianças recém-nascidas possam falar todos a mesma linguagem a nível nacional. 

Entretanto, aproveitou para lembrar às mães que “possuem um papel muito importante nesse processo e nessa luta”, ressaltando que as crianças que mais morrem são os prematuros extremos, e o que leva a isso, muitas vezes, conforme anunciou é a falta de acompanhamento.

Neste sentido, pede a todas as mães para que ao descobrirem uma gravidez que procurem os Centros de Saúde e assim fazer o seguimento de forma correcta, o que diminui a taxa de parto prematuro, pois fazem os exames, evitam infecções (ou são detectadas a tempo) que provocam o parto prematuro, exemplificando que uma infecção urinária pode desencadear um parto prematuro e é algo que pode ser prevenido.

“Se todas as grávidas tiveram o seguimento correcto e a tempado, diminui muitos partos prematuros e consequentemente ajuda a reduzir a mortalidade infantil”, considerou, reforçando que Cabo Verde não investe em crianças com menos de 25 semanas de gestação, porque estas apresentam mais sequelas do que qualidade e querem dar às mães crianças com qualidade de vida e não um vegetal, e que “não há condições técnicas para tentar salvar crianças com menos de 25 semanas”. 

MC/HF

Inforpress/Fim 

21-02-2024 17:20

Porto Novo, 21 Fev (Inforpress) – O programa de cuidados no município do Porto Novo, Santo Antão, abrange, neste momento, mais de 1.300 idosos, correspondente a 8.3 por cento (%) da população do concelho, com “impactos altamente positivos na vida dessas pessoas”.

Esses dados foram fornecidos hoje pela autarquia porto-novense, que realçou o impacto positivo do programa de cuidados que está a ser implementado no município do Porto Novo e que tem direccionado as acções a 1.318 idosos. 

“O programa de cuidados continua com as suas acções direccionadas a 1.318 idosos, correspondente a 8.3% da população do município, com impactos altamente positivos na vida dessas pessoas”, notou o executivo camarário, salientando também a importância dos três centros da terceira idade na melhoria das condições de vida desta camada social.

Porto Novo dispõe de três centros de dia, dois na cidade e outro na Ribeira das Patas (Círio) que acolhem os idosos diariamente, dando a resposta, neste momento, a cerca de 150 idosos, explicam ainda os dados fornecidos pela equipa camararia.

Os idosos que passam o dia nos centros de dia fazem várias actividades sócio-culturais, lúdicas, recreativas, extensivas à motricidade e estimulação cognitiva, ginástica todos dias, cuidados de higiene pessoal, entre outras actividades.

Os porto-novenses têm estado a reclamar a criação de mais centros de dia no interior do Porto Novo para acolher os idosos em situação de vulnerabilidade, sugerindo a construção de um centro no Tarrafal de Monte Trigo.

Porém, Ribeira da Patas pode ainda este ano receber mais um centro de terceira idade, a localizar em Coice de Chã, onde já existe uma infra-estrutura construída para o efeito, explica o plano de investimentos municipais para 2024. 

O plano, a que a Inforpress teve acesso, diz ainda que a edilidade porto-novense pretende investir em 2024 quase 40 mil contos na coesão social, sendo que a promoção da habitação social e a protecção social (assistência social, apoio às igrejas e promoção da infância social) algumas das áreas a abarcar. 

JM/HF

Inforpress/Fim

21-02-2024 17:05
21-02-2024 14:25

Cidade da Praia, 21 Fev (Inforpress) – O subdirector da área técnica da Escola Secundária Polivalente Cesaltina Ramos, na Praia, Luizito Moreira, apontou hoje a implementação da reforma e acesso ao financiamento como os “maiores desafios” da comunidade educativa.

Em entrevista à Inforpress, este responsável avançou que com a introdução de mais um ano lectivo no ensino da via técnica, justifica-se reavaliar a matriz curricular, como medida para implementar de forma “efectiva e eficaz” todo processo que já se encontra em curso.

Segundo explicou Luisito Moreira, o ensino técnico funcionava a partir do 11.º ano, com a mudança curricular, neste momento os alunos podem optar pela área no 10.º ano de escolaridade.

“O ensino técnico anteriormente era de apenas dois anos e na reforma o ensino técnico passou para três anos. Ou seja, era 11.º e 12.º, agora é 10.º, 11.º e 12.º. Foi feito uma actualização de conteúdos tendo em conta que a área técnica é dinâmica”, esclareceu, indicando o acesso ao financiamento como outro desafio.

Conforme avançou, a via técnica proporciona aos alunos a componente teórica e executa na prática os trabalhos que, no final, lhe auferem um certificado profissional de nível quatro, com a possibilidade de realizar o estágio profissional e ingressar no mercado de trabalho.

O que impõe, acentuou o subdirector da área técnica, a compra de materiais e consumíveis de aulas práticas que são “custosos”.

O mesmo destacou que a reforma anda em “bom ritmo” e que a previsão é já no próximo ano sair da fase experimental, cumprindo o objectivo do sistema educativo.

LT/AA

Inforpress/Fim

21-02-2024 13:58

Cidade da Praia, 21 Fev (Inforpress) A XVI Semana da Via Técnica, promovida pela Escola Secundária Polivalente Cesaltina Ramos, na cidade da Praia, decorre de 26 de Fevereiro a 02 de Março sob o lema “Inovar, criar, realizar: descubra a via técnica”.

O evento, que se destina a comunidade educativa dos concelhos da Praia, Ribeira Grande de Santiago e São Domingos, tem como objectivo proporcionar maior conhecimento da via técnica aos alunos do 9ºano de escolaridade.

O subdirector da área técnica, Luizito Moreira, avançou à Inforpress que embora seja uma área que exista há algum tempo, muitos alunos desconhecem a sua funcionalidade, evidenciando que a feira permite demonstrar as funções e dinâmicas das diferentes profissões.

Além da abertura oficial, referiu que a iniciativa reúne outras actividades como apresentações e exposições nas oficinas e laboratórios por forma que os alunos do 9ºano façam a escolha assertiva das áreas.

A Escola Secundária Polivalente Cesaltina Ramos conta com 946 alunos na formação por via técnica entre 10º e 12º anos.

A escola oferece oito áreas técnicas, quais sejam, administração de sistemas informáticos e administração de base de dados, construção civil, contabilidade e administração, climatização e refrigeração, eletricidade e eletrónica, tecnologia da informação e comunicação, informática de gestão e artes gráficas.

LT/CP

Inforpress/Fim

21-02-2024 13:15

Mindelo, 21 Fev (Inforpress) - O Comitê Escolar de Brockton, nos EUA, pediu a intervenção de militares estaduais face ao aumento da violência no liceu local, em que mais de 40 por cento (%) dos estudantes são cabo-verdiano ou descendentes.

Esta informação foi confirmada à Inforpress por uma fonte do corpo docente do Brockton High School (Liceu de Brockton) também ele cabo-verdiano, que pediu para não ser identificado.

Segundo a mesma fonte, a Brockton High School é a maior escola pública do Estado de Massachusetts, com uma população estudantil de cerca de 4.300 estudantes e cerca de 300 professores, e está na 31.ª posição a nível dos Estados Unidos da América (EUA).

Conforme o docente, esta instituição, que há dez anos foi referência naquele Estado, tem vivido incidentes relacionados com a violência e suscitado preocupações a nível de segurança e de abuso de substâncias tóxicas, e os professores “já chegaram ao seu limite”.

“A questão de fundo é que sempre Brockton teve muitos problemas sociais, principalmente sofre o fenómeno de gangues que começam na escola ou então os grupos de gangues recrutam estudantes com a venda de drogas”, precisou a mesma fonte.

A situação, continuou, “ficou grave este ano” na sequência da redução do número de professores, porque Brockton teve um déficit no orçamento no ano passado de 18 milhões de dólares e viu-se obrigado a cortar muitos professores.

Além do corte de professores, ajuntou, cerca de 30 docentes faltam diariamente às aulas e deixam os alunos desocupados porque a instituição não consegue contratar substitutos para ocupá-los nesse tempo lectivo, por causa do corte nas verbas.

“A instituição começou o ano lectivo sem director e houve alguns professores que preferiram ir para outro lugar por causa dessa situação. A nossa comunidade está a ser fortemente penalizada porque nessa cidade a comunidade maior é a cabo-verdiana e há muitos jovens cabo-verdianos nesta situação”, adiantou a mesma fonte, realçando que os traficantes de droga tentam recrutar as pessoas dentro da escola, porque o mercado é grande.

“Um viciado ao sair da escola continua a consumir, mas nos Estados Unidos é complicado porque não se pode deixar nenhum aluno para trás. Os professores não podem fazer muita coisa, não podem expulsar os alunos porque, recentemente, criaram uma lei que diz mais vale um aluno na sala de aula do que na rua, porque se ele não for à escola poderá estar a fazer algo de errado”, alegou.

Para o docente, os professores “estão no limite” porque a situação é “extremamente crítica” em Brockton.

O mais preocupante é que, explicou, cada vez há mais jovens a abandonar os estudos em Cabo Verde, jovens a ir para os Estados Unidos para entregar no High School (liceu), alguns não conseguem integrar-se e abandonam a instituição e vão trabalhar, e outros entram em grupos de gangues.

“Alguns emigrantes que vão a Cabo Verde têm filhos fora do casamento ou da união estável e quando os filhos crescem mandam buscá-los e a mãe fica em Cabo Verde. Mas, geralmente, a outra família nos EUA, principalmente, a mulher não aceita o enteado. Há outras situações em que os pais que não têm elo de afectividade com os filhos e quando desembarcam nos EUA a primeira coisa que o pai lhes diz é para se desenrascarem”, clarificou.

O mesmo considerou que estas situações de emigração de jovens cabo-verdianos sem preparação devem ser debatidas e repensadas porque ao serem “preparados e bem integrados” contribuem para diminuir o número de deportações.

De acordo com informações publicadas nos jornais de Massachusetts, quatro membros do Comitê Escolar de Brockton endereçaram uma carta ao presidente de câmara Robert Sullivan a relatar que a escalada de turbulência nessa escola “atingiu um ponto crítico” quando 35 professores se ausentaram recentemente, “ressaltando a gravidade dos desafios” que têm “enfrentando”.

Os alunos são frequentemente vistos vagando pelos corredores, envolvendo-se em brigas e atrapalhando a aula, com casos do comportamento tornando-se “alarmantemente frequentes”, escreveram os membros do comitê, que acrescentaram que mais alunos estão a sair da escola sem autorização e o número de incidentes e de invasão à instituição também tem aumentado.

CD/AA

Inforpress/Fim 

21-02-2024 12:51

Porto Novo, 21 Fev (Inforpress) – O presidente da Associação Alven do Norte, no Planalto Norte do Porto Novo, em Santo Antão, alertou hoje para o “mau estado” dos caminhos vicinais na localidade, que são “muito utilizados” pelos moradores e turistas.

Maduine Silva disse à Inforpress que nesta altura a maior preocupação prende-se com o percurso de acesso à zona de Cinta de Círio, “muito frequentada! pelos turistas e que dá acesso a uma nascente ainda “muito utilizada” pelos habitantes.

Além dos caminhos vicinais, a estrada de acesso ao Planalto Norte está também em “mau estado”, segundo este responsável, que se mostrou preocupado, sobretudo com o troço que liga Chã de Feijoal à Chã de Norte.

O líder associativo associa-se aos habitantes do Planalto Norte para reivindicar também a requalificação da estrada de acesso ao Planalto Norte, por ser uma zona de “grande potencial económico”, designadamente a nível da pecuária e do turismo.     

Os moradores no Planalto Norte têm insistido na necessidade de o Governo avançar com a obras na estrada Campo Redondo – Chã de Norte, grande parte da qual encontra-se “praticamente intransitável”.  

Os habitantes disseram à Inforpress que o estado em que se encontra a estrada, sobretudo o troço que liga Chã de Cruz à Chã de Norte, “tem sido um perigo para a vida das pessoas”.

Os próprios operadores turísticos no Planalto Norte defendem a requalificação da estrada para que o turismo possa ser incrementado nessa parcela do território municipal, acreditando que, “com uma estrada condigna”, esse planalto passará a ser “uma das zonas mais visitadas” de Santo Antão.

Os munícipes têm estado, nos últimos tempos, a pedir com insistência a reabilitação da rede de estradas carroçáveis no município do Porto Novo, que sofreu “danos consideráveis” durante as chuvas de Setembro do ano passado.

Além da estrada do Planalto Norte, a via que liga Ribeira da Cruz à Chã de Norte e as estradas de acesso à Ribeira Fria e à Ribeira dos Bodes precisam também de obras de reabilitação, segundo os moradores.

No caso da Ribeira Fria, o representante da comunidade, Adilson Gomes, disse à Inforpress que “a situação da estrada é de tal forma alarmante” que os próprios condutores têm estado eles próprios a “tapar os buracos” que dificultam a circulação das viaturas.

A Câmara Municipal do Porto Novo prevê investir em 2024 cerca de 20 mil contos na reabilitação e requalificação das estradas municipais.

JM/AA

Inforpress/Fim 

21-02-2024 8:32

Ribeira Brava, 21 Fev (Inforpress) – O ministro da Educação afirmou hoje que processamento de salários em atraso dos novos professores “está em andamento” e que a previsão aponta para conclusão do processo na próxima semana, para que haja a normalização dos pagamentos.

Segundo Amadeu Cruz, a contratação de novos professores é um processo igual à contratação de um funcionário público, pelo que é regida pela lei de base do emprego público e a um “conjunto de procedimentos” que devem ser seguidos.

“O pagamento dos salários em definitivo dependerá do visto do Tribunal de Contas, nós, o Ministério da Educação, e da Administração Pública estamos em sintonia e a trabalhar no sentido de acelerar o processo da contratação e publicação dos contratos no Boletim Oficial para podermos normalizar em definitivo o pagamento dos novos professores”, afirmou.

Amadeu Cruz sublinhou que até junho “está garantido” o pagamento dos professores, indicando que o Ministério da Educação ainda “não está indiferente” às dificuldades enfrentadas pelos docentes devido ao atraso no pagamento dos salários.

Contudo, sublinhou, “são processos burocráticos e devem seguir a lei, e a lei obriga a determinados procedimentos”.

“Estamos a acelerar e a tomar medidas, até medidas transitórias, para podermos ter a normalização dos salários, mas claramente não posso fugir a circunstância do novo professor ter de enfrentar constrangimentos e nós sabemos que não e fácil, entendemos que podem reivindicar e nós estamos a fazer de tudo para acelerar o processo”, realçou.  

Amadeu Cruz sublinhou que uma das medidas transitórias adoptadas é a assinatura de contratos de prestação de serviço para garantir o pagamento dos professores, enquanto decorre o processo de tramitação e obtenção do visto do Tribunal de Contas, que vai permitir a publicação dos contratos no Boletim Oficial e pagamento normal dos salários.

Cerca de 250 professores que entraram ao serviço este ano receberam apenas os três primeiros meses, Setembro, Outubro e Novembro, com o Ministério da Educação a justificar-se com a necessidade de os contratos serem visados pelo Tribunal de Contas, que, por sua vez, disse à Lusa não ter recebido nenhum pedido.

A maioria dos docentes afectados está deslocada em ilhas afastadas das zonas de residência e tem dificuldade em pagar despesas de alimentação, tratamentos médicos, entre outras.  

WM/AA

Inforpress/Fim

20-02-2024 22:16

Cidade da Praia, 20 Fev (Inforpress) – A Alta Autoridade para a Imigração promove esta quinta feira uma conferência, com o objectivo de melhorar o conhecimento do país, explorar desafios e oportunidades sobre o fenómeno das migrações e asilo no contexto regional africano.

De acordo com uma nota de imprensa, o contexto actual da mobilidade e das migrações internacionais revela a complexidade do fenômeno, pela variedade de factores económicos, sociais, políticos, de segurança ou outros que o impulsiona, com reflexos nas diferentes necessidades e perfis das pessoas envolvidas.

Em Cabo Verde, indica a nota, as situações que demandam assistência emergencial e humanitária a pessoas em mobilidade não são frequentes, mas tem surgido casos que clamam intervenção tanto no domínio das migrações irregulares, como de solicitação de asilo e protecção.
“A conferência visa promover o melhor conhecimento do fenómeno, explorar desafios, oportunidades e as responsabilidades relacionadas ao asilo e recolher eventuais subsídios que se possam traduzir em recomendações para fortalecer os mecanismos e ferramentas jurídicas e operacionais do país na matéria”, lê-se na nota.

O evento será presidido pelo ministro do Estado, da Família, Inclusão e Desenvolvimento Social, Fernando Elísio Freire e realiza-se em parceria com a Organização Internacional para as Migrações e a Universidade de Santiago.

A Alta Autoridade para Imigração, enquanto instituto público, tem a missão de coordenar e implementar políticas e medidas no domínio da imigração.

São atribuições da AAI elaborar propostas de políticas, estratégias e planos nacionais, programas e projectos para gestão da imigração e integração de imigrantes, bem como assegurar a sua implementação.

Tem ainda a função de coordenar e avaliar periodicamente a implementação das medidas, estratégias e/ou planos nacionais em matéria de imigração e integração de imigrantes, promover programas e projectos que facilitem o acesso dos imigrantes aos serviços básicos, “em especial a regularização, educação, saúde, trabalho e segurança Social”.

Também assegurar a articulação institucional e partilha de informação com instituições públicas e da sociedade civil implicadas ou interessadas no fenómeno imigratório em Cabo Verde, “implementar e monitorar as estruturas e serviços de atendimento e apoio aos imigrantes” nos diferentes concelhos.

CM/JMV
Inforpress/Fim.

20-02-2024 18:51

 
Cidade da Praia, 20 Fev (Inforpress) – A secretária-geral da União Nacional dos Trabalhadores de Cabo Verde – Central Sindical, (UNTCS-CS), Joaquina Almeida, denunciou hoje o que considera ser um “abuso de poder” da ministra de Modernização do Estado e da Administração Pública.

Em conferência de imprensa, realizada esta tarde, Joaquina Almeida afirmou que a ministra de Modernização do Estado usa a sua posição para impor condições “desfavoráveis, humilhantes e intimidatórias” aos seus subordinados.

A presidente da UNTC-CS sublinhou também que com o início do decreto-lei nº 33/2021, de 14 de Abril de 2021, que regula os precários na função pública, houve esperança para milhares de funcionários que labutam há décadas em “situação precária”.

Destacou ainda que em Dezembro último, a ministra “frustrou” o sonho de milhares de funcionários, ao escolher a dedo quem deveria ser abrangido ou não pelo referido decreto-lei, que, segundo disse, tinha fins eleitoralistas.

Joaquina Almeida acrescentou que com o fim do prazo dos contratos precários, a 31 de Dezembro último, a ministra tem vindo a “afrontar e a pressionar, maliciosamente” os trabalhadores a assinar proposta de prorrogação por mais seis meses improrrogáveis com alíneas que diminuem os seus direitos adquiridos.

“Foi a própria ministra quem enviou aos DGPOGs a minuta dessa prorrogação, obrigando-os a adotá-la, deixando bem claro que os referidos contratos dos trabalhadores já não são válidos, o que é redondamente falso”, criticou.

A sindicalista aproveitou para instar os trabalhadores a não assinarem a proposta de prorrogação dos seus contratos e exigiu a resolução imediata dos problemas dos precários, sob pena de se iniciar uma frente de luta “tréguas”, contra os abusos do Ministério da Modernização do Estado e Administração Pública.

Joaquina Almeida, na sua comunicação, apontou como exemplo os 166 precários do Ministério das Finanças que requereram a regularização do vínculo, dos quais apenas 39 foram abrangidos, tendo ficado de fora a grande maioria, 127, sem “justificativa plausível”.

“Para alem do abuso de poder e discriminação, também está instalado na Função Pública, uma cultura de medo e pavor, implantada e enraizada nos ministérios, pelo simples facto de determinados funcionários serem de uma outra cor partidária”, denunciou a sindicalista.

JR/PC/JMV
Inforpress/fim
 

20-02-2024 17:19

Cidade da Praia, 20 Fev (Inforpress) – Cerca de 30 formandos procedentes de 17 entidades institucionais participam, de 21 a 27 de Fevereiro, numa ação de formação de formadores dedicada à temática da gestão de cibersegurança a decorrer no TechPark, na cidade da Praia.

A formação, que surge no quadro do financiamento do Governo de Cabo Verde, através de um empréstimo junto da Associação Internacional de Desenvolvimento (AID)/Banco Mundial (BM) para a implementação do projecto digital do país, no montante global de 20 milhões de dólares, vai ser dirigida por VisionWare, empresa tecnológica portuguesa dedicada à segurança de informação e cibersegurança.

O projecto digital do país, explica uma nota de informação, tem como objectivo contribuir para transformar o país num hub digital regional para acelerar a economia digital por meio de uma infra-estrutura digital aprimorada e uma demanda fortalecida de serviços e habilidades digitais.

O desafio digital cabo-verdiano, conforme a mesma fonte, deve-se ao crescente número de ciberataques de grande impacto sofridos no país em total alinhamento com a estratégia digital e de promoção da literacia nestas matérias veiculada pelo Governo de Cabo Verde, através das acções do gabinete do secretário de Estado da Economia Digital.

“Esta iniciativa e aposta na formação surge assim, fruto de uma sinergia expressa através de um consórcio internacional da qual fazem parte integrante, a VisionWare, a PKI Consulting e Solange Furtado & Associados RL”, lê-se no documento.

Credenciada pela NATO, a VisionWare é reconhecida como detentora de elevado know-how e capacidade técnica por instituições portuguesas e internacionais, tendo estado envolvida em diversos projectos apoiados pela União Europeia.

Entre as suas principais áreas operacionais e técnicas, destaca-se o crescimento acelerado das suas equipas convergentes de Cybersecurity, Privacy & Legal, Ethics & Compliance, SOC (Security Operations Center) & CSIRT (Computer Security Incident Responde Team), VisionWare Academy - a sua área de formação -, bem como da sua área emergente de Strategic Intelligence & Risk Analysis.

PC/HF

Inforpress/Fim

Exibindo 1 para 12 de 60