Cooperação


15-07-2024 7:59

Lisboa, 15 Jul (Inforpress) - O Conselho de Ministros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) decide, “em definitivo”, esta sexta-feira onde será a próxima cimeira de Chefes de Estado e de Governo, disse o Secretário Executivo da organização.

Em declarações à Lusa a propósito desta reunião, marcada para 19 de julho em São Tomé e Príncipe, Zacarias da Costa disse que “em princípio” espera que seja em Bissau, porque na última cimeira se estabeleceu que a próxima presidência é da Guiné-Bissau, mas será nesta reunião que os chefes de diplomacia terão de “colocar no papel, preto no branco” o local onde vai realizar-se.

"Não sairá uma data, mas certamente que teremos de ter a certeza onde será a próxima reunião ordinária do Conselho de Ministros, que se realiza (...) na mesma altura da cimeira", afirmou Zacarias da Costa, questionado se há dúvidas de que esta se realize na Guiné-Bissau.

"Eu assumo que a decisão já foi tomada e que será na Guiné-Bissau, a não ser que os Estados-membros pensem, enfim, o contrário", referiu.

Esta reunião de sexta-feira é "muito esperada", disse o Secretário Executivo da CPLP, até porque vai ocorrer quase um ano antes da altura em que a próxima presidência deverá suceder à de São Tomé e Príncipe, a atual.

Na 14.ª Cimeira de chefes de Estado e de Governo ficou decidido que a Guiné-Bissau iria assumir a próxima presidência da CPLP, entre 2025 e 2027, sucedendo a São Tomé e Príncipe, país que lidera a organização neste momento por dois anos.

As cimeiras de Chefes de Estado e de Governo ocorrem no país que vai assumir a presidência rotativa da CPLP.

A 25 de outubro de 2023, em visita a Portugal, o Presidente da Guiné-Bissau disse, na sede da organização dos países de língua portuguesa,em Lisboa, que o país estava pronto para assumir a presidência em 2025.

"A Guiné-Bissau já está pronta para assumir a presidência [da CPLP] a partir de 2025", afirmou o chefe de Estado guineense durante a visita.

Sissoco Embaló realçou que o seu país "tem objetivos" para a organização que fazem parte do "objetivo comum de reforçar" a comunidade, "não só no que diz respeito à livre circulação”, mas também “às culturas".

A situação política na Guiné-Bissau alterou-se desde então, com a decisão do Presidente de dissolver, em dezembro, o parlamento, que tinha sido eleito em junho, alegando uma grave crise institucional no país e uma tentativa de golpe de Estado.

Os partidos do Governo, eleito na altura, contestaram a decisão de Sissoco Embaló, que consideraram de ilegal à luz do artigo 94 da Constituição da Guiné-Bissau, que impede a dissolução do parlamento antes de completar 12 meses.

Na semana passada, Umaro Sissoco Embalo anunciou que vai marcar eleições legislativas antecipadas para 24 de novembro.

Várias forças políticas têm defendido que as eleições que devem ser convocadas ainda no decurso deste ano são as presidenciais e não as legislativas, sustentando que o mandato do Presidente termina em fevereiro de 2025 e a escolha do novo chefe de Estado deve ser feita antes.

Umaro Sissoco Embaló rejeita estas exigências e defende que as presidenciais só devem ocorrer no final de 2025.

A CPLP tem como estados-membros Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Portugal, Moçambique, São Tomé e Príncipe, Guiné Equatorial e Timor-Leste.

Inforpress/Lusa

Fim

14-07-2024 18:07

 Cidade da Praia, 14 Jul (Inforpress) - O Presidente da República, José Maria Neves, lamentou e condenou hoje o atentado contra o ex-Presidente norte-americano Donald Trump.

Em São Tomé e Príncipe, onde se encontra em visita, o Chefe de Estado, segundo uma nota da Presidência, recebeu com “imenso desgosto” a notícia sobre a tentativa de assassinato de Donald Trump, antigo Presidente dos Estados Unidos da América e actualmente candidato às eleições presidenciais de Novembro próximo.

Para o Presidente da Republica, tal atentado constitui um “facto altamente deplorável” não apenas para os Estados Unidos quanto para toda a comunidade de Nações apostadas na Democracia e no Estado de Direito Democrático.

“Neste contexto, todas as tentativas de contaminação ou subversão das regras do jogo democrático, mormente em ambiente eleitoral, bem como todo e qualquer acto de violência na política, devem ser veementemente condenados onde quer que se verifiquem”, lê-se no comunicado.

O Presidente da República exprime os “melhores votos” de franca recuperação ao Presidente Donald Trump, ao mesmo passo que endereça ao Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e a toda a Nação americana a firme “solidariedade” do povo e da República de Cabo Verde neste momento de “mais uma provação à grande Democracia americana”.

TC/ZS

Inforpress/Fim

14-07-2024 10:28

Cidade da Praia, 14 Jul (Inforpress) – O Presidente da República, José Maria Neves, felicitou hoje o seu homólogo Emmanuel Macron e o povo francês por ocasião do Dia Nacional da República Francesa, que se assinala neste 14 de Julho.

“Endereço a Vossa Excelência e ao povo francês, em nome do povo cabo-verdiano e em meu próprio, as nossas mais sinceras felicitações e os melhores votos de saúde e sucessos para si e de bem-estar e prosperidade para esse país amigo”, lê-se na Carta endereçada a Paris.

Nesta especial oportunidade, o Chefe de Estado reafirmou a sua contínua vontade de reforçar e aprofundar as excelentes relações de amizade, solidariedade e cooperação, para benefício mútuo de ambos os povos.

José Maria Neves augurou que os valores da "Liberdade, Igualdade, Fraternidade" continuem a guiar os destinos do povo francês.

TC/ZS

Inforpress/Fim

14-07-2024 0:13

Cidade da Praia, 13 Jul (Inforpress) - A Comissão Nacional para os Direitos Humanos e a Cidadania foi eleita membro do Comité de Pilotagem, durante a segunda Conferência dos Mecanismos Nacionais de Prevenção (MNP) Africanas, ocorrido no passado mês de Junho na África do Sul.

A presidente da Comissão Nacional para os Direitos Humanos e a Cidadania (CNDHC), Eurídice Mascarenhas, explicou, em declarações à Inforpress, que nesta conferência foi formalizada a Rede dos MNP Africanos com aprovação do estatuto e eleição dos órgãos directivos

O MNP de Cabo Verde foi eleito como membro do Comité de Pilotagem, por um mandato de dois anos, juntamente com Marrocos (presidente), África do Sul (vice-presidente), Senegal, Moçambique e Mauritânia.

Explicou que as funções do Comité de Pilotagem incluem implementar as decisões da Assembleia Geral, supervisionar as actividades da Rede dos MNPs africanos, aprovar o plano de trabalho e o orçamento antes de sua submissão à Assembleia Geral, assegurar a coordenação e comunicação entre os membros, representar a Rede dos MNPs africanos em eventos e actividades internacionais, entre outras tarefas.

“Foi um grande momento. É um reconhecimento do papel de Cabo Verde nesta matéria. Ficaremos com responsabilidades acrescidas”, manifestou Mascarenhas, avançando que Cabo Verde vai acolher a realização da 3ª Conferência dos MNP Africanos em 2025.

O MNP tem como principal missão a prevenção da tortura e outras penas ou tratamentos cruéis, desumanos ou degradantes em locais de privação de liberdade, tais como estabelecimentos prisionais, esquadras policiais, estruturas de saúde, entre outras.

A Comissão Nacional para os Direitos Humanos e a Cidadania foi designada pelo Governo como Mecanismo Nacional de Prevenção (MNP) da Tortura em Cabo Verde, através da Resolução número 98/2018 de 24 de Setembro.

SC/AA

Inforpress/Fim

13-07-2024 17:59

Mindelo, 13 Jul (Inforpress) - A delegada da OMCV considerou hoje que as dez jovens que vão representar Cabo Verde na cimeira de liderança e empoderamento feminino nos Estados Unidos terão a responsabilidade de abrir portas a outras.

Em declarações à Inforpress, Fátima Balbina, delegada da Organização das Mulheres de Cabo Verde (OMCV) disse que o convite para participar no evento partiu do programa Empowering Youg Cape Verdean Women (EYAVVW), através da Associação Cabo-Verdiana de New Bedford.

“A responsabilidade é maior, porque terão de representar Cabo Verde bem lá fora e porque terão também a tarefa de transmitir o conhecimento que vão adquirir para outros jovens nas suas comunidades. Foram seleccionadas em diferentes comunidades desde Calhau, Ribeirinha, Monte Sossego, Espia, Pedreira e Alto de Sentina, entre outras zonas”, afirmou, acrescentando que o grupo é constituído por jovens dos 18 aos 25 anos.

Fátima Balbina explicou que essas jovens foram escolhidas através de um “processo exaustivo de selecção” feito pela OMCV em São Vicente e, a partir de domingo, durante uma semana, vão participar de uma série de actividades ligadas ao empoderamento feminino e liderança em New Bedford.

“As meninas tiveram mais de um mês em preparação na ilha de São Vicente, na OMCV, em que contamos com um professor de inglês e uma professora, psicólogos, sociólogos e pessoas ligadas ao direito que lhes deram alguma preparação como educação financeira para que pudessem ir com alguma bagagem”, explicou, reforçando que as jovens saíram de São Vicente, mas a participação é de Cabo Verde.

Conforme Fátima Balbina, desse grupo de dez jovens há apenas uma de Santiago, residente em São Vicente, porque a OMCV teve algumas dificuldades em integrar jovens das outras ilhas, algumas porque não se mostraram interessadas e outras porque os pais não autorizaram a viagem temendo que pudessem estar a ser aliciadas para tráfico humano.

Isto porque, explicou, muitos não acreditaram que os custos da viagem para os Estados Unidos seriam suportados pela organização que fez o convite.

“Para cada uma das participantes tivemos custos de mais de 100 mil escudos. O visto e a passagem da Praia para os EUA foram pagos pelo programa de empoderamento de jovens e mulheres em parceria com a Associação Cabo-verdiana de New Bedford. E os custos de passagem de São Vicente - Praia ficaram a cargo dos pais e da OMCV, que recebeu um apoio de um empresário chinês em São Vicente e de uma empresa nacional, e arrecadou fundos com rifas, feiras e sorteios”, esclareceu.

Apesar de afirmar que foi um “processo desgastante”, a mesma enalteceu o envolvimento da direcção nacional da OMCV e da Embaixada dos Estados Unidos de América, na cidade da Praia, nos trâmites e na atribuição dos vistos.

O programa Empowering Youg Cape Verdean Women foi criado em 2019 e trabalha para a liderança e empoderamento feminino e mostra interesse em estabelecer parcerias com organizações cabo-verdianas nos Estados Unidos e em Cabo Verde.

CD/AA

Inforpress/Fim 

12-07-2024 20:39

Cidade da Praia, 12 Jul (Inforpress) - As organizações de defesa e protecção dos consumidores dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) assinaram hoje a Declaração da Praia para o desenvolvimento de políticas comuns na defesa e protecção dos consumidores.

O documento foi rubricado após o encerramento do seminário sobre Protecção dos Consumidores e Comércio Electrónico, dirigido às entidades dos PALOP e organizado pela Comissão Federal do Comércio (FTC, na sigla em inglês).

Na ocasião, o presidente da Autoridade da Concorrência de Cabo Verde (AdC), Emanuel Barbosa, disse que este instrumento vai criar melhores condições para a execução da missão na defesa dos direitos e interesses dos consumidores.

A Declaração de Praia, acrescentou, propiciará conjunturas para o estabelecimento e aprofundamento das relações permanentes, efectivas e impactantes entre os países signatários.

“Também tem a faculdade de partilhar as boas práticas, que possam facilitar a realização das competências e responsabilidades das organizações da defesa e protecção dos consumidores dos países lusófonos”, ajuntou.

Por sua vez, o presidente do Gabinete dos Assuntos Internacionais da Comissão Federal do Comércio dos Estados Unidos da América, Michael Panzera, disse que durante o seminário foram identificadas várias lacunas no quadro jurídico dos países de língua portuguesa a nível da defesa dos direitos dos consumidores.

“Todos reconheceram a obrigação de melhorar a nível da resolução das queixas dos consumidores, por necessitarem de ferramentas para sancionar as empresas que cometem infrações”, frisou.

Michael Panzera aconselhou acções colectivas para investigar as acções que prejudicam os consumidores que desconhecem as leis.

O responsável considerou que o maior desafio dos consumidores dos países lusófonos tem sido a legislação a nível do comércio electrónico, por não haver disposições específicas neste sector.

A Comissão Federal do Comércio do Brasil tem como missão proteger os consumidores e promover a concorrência, combatendo fraudes de “telemarketing” e na internet, além de esquemas de fixação de preços.

A brasileira FTC aplica leis federais de protecção ao consumidor que evitam fraudes, enganos e práticas comerciais desleais e outras, que possam levar a preços mais elevados, menos opções ou menos inovação.

No quadro da sua agenda para 2024, pretende desenvolver um conjunto de actividades de assistência técnica e capacitação institucional dirigidas a entidades dos PALOP.

OM/CP

Inforpress/Fim

12-07-2024 17:30

Cidade da Praia, 12 Jul (Inforpress) – O Ministério das Infraestruturas, Ordenamento do Território e Habitação, a Agência Brasileira de Cooperação e a ONU-Habitat Cabo Verde assinam este ano um acordo tripartido que vai contemplar as autarquias de Santiago com assistência técnica a nível da habitação.

O anúncio foi feito pela directora geral da Habitação, Eneida Morais, à margem da cerimónia de encerramento da semana da missão de prospecção da equipe brasileira - ONU Habitat do Brasil e da Agência Brasileira de Cooperação em Cabo Verde, que decorreu de 08 a 12 deste mês.

Explicou que o plano nacional de habitação aponta que Cabo Verde tem um déficit qualitativo de 40 mil habitações e 14 mil em termos de quantidade.

“Nós temos estado a trabalhar com diferentes parceiros para materializar os eixos do Plano Nacional de Habitação”, afirmou a responsável.

Segundo avançou Eneida Morais, o protocolo, que poderá ser analisado em meados de Setembro, vai permitir às câmaras municipais beberem da experiência do Brasil, que dispõe de uma vasta experiência a nível da habitação.

"Já tínhamos um mapeamento daquilo que eram realmente as nossas necessidades que se baseiam, principalmente, no apoio à assistência técnica às câmaras municipais, na questão de elaboração dos seus planos municipais”, disse.

Afirmou que esse apoio abrange a área da fiscalização, ordenamento de território, a questão dos planos municipais de habitação e a elaboração de projectos.

“Nós questionamos porquê temos tantas habitações com teto a cair, tantas habitações sem casas de banho, e temos estado a construir todos os dias (…) é preciso capacitar as câmaras municipais no sentido de trabalhar na sensibilização, na questão da escolha da qualidade dos materiais e de como construir.

A directora geral da Habitação explicou que nesta fase, o protocolo vai contemplar as autarquias da Ilha de Santiago, mas a ideia é estender para outras câmaras onde há realmente necessidade.

Por seu turno, a analista da Agência Brasileira de Cooperação, Mariana Falcão Dias, disse que a ideia é compartilhar e adaptar as experiências brasileiras ao contexto local e, de alguma maneira, contribuir para superar o déficit qualitativo e quantitativo habitacional existente em Cabo Verde.

Segundo esta responsável, os desafios de Cabo Verde são vários e muito similares aos do Brasil, apenas em escalas diferentes, em função do tamanho do país.

A ideia, avançou Mariana Falcão Dias, é ajudar o país a nível da gestão do condomínio, assistência técnica habitacional com interesse social e que as câmaras municipais possam também desenvolver e implementar os seus próprios programas municipais de habitação.

AV/CP

Inforpress/Fim 

12-07-2024 14:24

Cidade da Praia, 12 Jul (Inforpress) – Técnicos do Instituto do Arquivo Nacional de Cabo Verde (IANCV) e da Administração Pública destacaram hoje a “grande importância” da formação em transição digital na gestão da informação em arquivos da Administração Pública para o seu o dia-a-dia.

A formação de dois meses tem como objectivo sensibilizar para a importância da organização do património arquivístico do país, no sentido de desenvolver e fortalecer competências nas áreas de gestão documental e protecção de dados.

Para o formando do IANCV Mário Loff esta formação é "muito positiva" porque recebeu “novos conhecimentos” na transformação de dados e processamento de informações.

“Com estas informações, vamos trabalhar ainda mais de uma forma transparente, célere e prática nos trabalhos que são feitos no dia-a-dia”, concretizou.

“Esta ferramenta que adquirimos nesta formação é uma mais-valia para materializar todas as informações da Administração Pública em pouco tempo e isso ajuda-nos na internacionalização de tudo o que é feito em Cabo Verde, que pode ser feito também em outros países também", reforçou.

Por seu lado, a outra formanda Samira Andrade fez "balanço positivo" desta acção, afirmando que se sente enriquecida com mais conhecimento na gestão do arquivo digital.

“O mundo está em constante transformação, a nível tecnológico, é muito importante saber como gerir um arquivo digital. Esta formação foi bastante interessante, pois tive a oportunidade de conhecer as ferramentas que não tinha conhecimento antes. Aprendi e ganhei habilidade de utilizar essas ferramentas no trabalho”, salientou.

Por seu lado, o presidente do conselho directivo do IANCV, José Maria Borges, disse que a formação é “muito importante” para esses técnicos da Administração Pública e do IANCV que trabalham com os arquivos, pois permite organizar melhor os documentos nos serviços.

Com esta formação informou que esses técnicos vão ter "mais bagagem" para fazer a gestão dos arquivos, que são diariamente produzidos e recebidos nessas instituições.

Após a formação, indicou, haverá uma nova etapa, com o projecto de questionário e de inserção de arquivos na instituição pública.

Esta formação foi promovida pelo Instituto do Arquivo Nacional de Cabo Verde em parceria com Instituto Nacional de Administração de Portugal e financiado pelo Instituto Camões em 32 mil euros.

DG/AA

Inforpress/Fim

 

11-07-2024 21:27

Cidade da Praia, 12  Jul ( Inforpress) - A Escola Básica de Milho Branco, no concelho de São Domingos,  vai ser ampliada  e remodelada, através de uma parceria entre o Ministério da Educação e   a Broa Foundation,  com um  financiamento   de 10 mil contos.

As partes   assinaram hoje, na Cidade da Praia, um protocolo de cooperação, que contou com a presença do ministro da Educação, Amadeu Cruz, que prevê a construção de mais cinco salas de aulas na Escola Básica de Milho Branco, assim como a sua total remodelação.

A Broa Foundation CORP é uma instituição de carácter educacional, social, comunitário e vocacional para as comunidades desfavorecidas de Cabo Verde, com a sua sede em Atlanta, estado da Geórgia, Estados Unidos da América.

Na ocasião, o ministro da Educação disse que a assinatura deste protocolo vai na lógica   do programa do Governo   para a reabilitação das escolas em todo o território nacional.

 No caso de Milho Branco esclareceu que se trata de uma escola que está a funcionar em instalações arrendadas, pelo que se necessita de salas de aulas condignas para os alunos.

 Amadeu Cruz enalteceu a iniciativa da Broa Foundation no apoio ao desenvolvimento do sistema de ensino cabo-verdiano, através da modernização das infra-estruturas e no fornecimento de equipamentos informáticos para a criação de laboratórios tecnológicos.

 “Trata-se de um projecto importante, com a construção de mais cincos salas de aulas, para poder acolher alunos do 1º ao 8º ano de escolaridade na escola básica de Milho Branco”, notou o ministro, que enalteceu esta   colaboração dos emigrantes cabo-verdianos.

O presidente da Broa Foundation CORP, Adilson Ramos, esclareceu, por seu lado, que   o próximo passo será a recolha de subsídios junto dos patrocinadores após a apresentação do projecto.

Além disso, informou que a fundação tenciona construir um centro para as pessoas com deficiência na ilha da Boa Vista, bem como a entrega de 700 kits escolares no próximo ano lectivo.

O delegado do Ministério da Educação do concelho de São Domingos, Silvino Almeida, classificou essa parceria   como uma grande mais-valia para a comunidade educativa do município, sobretudo na melhoria das condições técnicas, logísticas e administrativas do agrupamento.

Com isto, precisou, pretende-se melhorar as condições de funcionamento e proporcionar facilidades de acessos ao ensino básico e secundário para todos os alunos da freguesia de Nossa Senhora da Luz.

 

OM/JMV

Inforpress/Fim 

11-07-2024 16:50
11-07-2024 13:19

Cidade da Praia, 11 Jul (Inforpress) – O representante do Fundo das Nações Unidas para População (UNFPA, sigla em inglês) considerou hoje que a humanidade só pode progredir se todos forem contados, independentemente da sua localização.

O representante do UNFPA em Cabo Verde, David Matern, que alertou para que se dobrem esforços na promoção da inclusão, enalteceu o lema deste 11 de Julho - “O poder dos dados inclusivos em rumo a um futuro resiliente e equitativo para todos”.

A este propósito, afirmou que não recensear uma pessoa significa torná-la invisível e consequentemente tirar-lhe a oportunidade de exercer os seus direitos.  

O Dia Mundial da População 2024 é, para David Matern, uma oportunidade para uma reflexão sobre os que ainda não contam e as consequências deste fracasso para os indivíduos e a sociedade, e um momento que desafia a todos a redobrar os esforços para garantir que os sistemas de dados reflitam toda a diversidade da comunidade global.

Ao parafrasear o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, Matern disse que para concretizar os direitos e as escolhas daqueles que estão à margem das sociedades “devem ser contados, porque todos contam”.

Enfatizou que para apoiar Cabo Verde na promoção da inclusão, o UNFPA intervém na implementação da estratégia da eliminação da pobreza extrema, na elaboração da estratégia nacional das pessoas com deficiência e na elaboração da Cartilha com Deficiência, bem como na implementação do Cadastro Social Único e no reforço do sistema nacional de estatística.   

O presidente do Instituto Nacional de Estatística (INE), por sua vez, enalteceu a importância dos dados estatísticos na identificação das desigualdades, com a “clara noção de que somente produzindo e divulgando dados fiáveis e oportunos consegue apoiar os decisores a elaborarem as melhores políticas para as populações”.

João Cardoso disse que o INE, enquanto órgão central da produção de estatística oficial em Cabo Verde, está a dar o seu melhorar para alcançar os objectivos, num país signatário da Carta de Dados Inclusivos, documento-chave para a definição de estratégica de produção de dados inclusivos, de forma “a não deixar ninguém para trás”.

O relatório sobre a Situação da População Mundial, denominado “Vidas entrelaçadas, fios de esperança: acabar com as desigualdades na saúde e nos direitos sexuais e reprodutivos”, destaca o impacto contínuo do racismo, do sexismo e de outras formas de discriminação no progresso da saúde sexual e reprodutiva das mulheres e raparigas.

O mesmo foi submetido a um debate logo após a sua apresentação pública.

SR/AA

Inforpress/Fim

11-07-2024 8:28

Lisboa, 11 Jul (Inforpress) – A gestora do Centro Cultural de Cabo Verde (CCCV), em Lisboa, destacou a contribuição do espaço para reforçar ainda mais a importância de divulgar e acarinhar a cultura cabo-verdiana e a diversidade cultural no seu todo.

Ângela Barbosa fez essa declaração à Inforpress no âmbito das comemorações do quinto aniversário do CCCV, inaugurado a 06 de Julho de 2019, indicando alguns momentos nesse percurso, como a celebração da morna como Património Imaterial Cultural da Humanidade, a actuação de Nha Balila, no âmbito “MMM - Março Mês da Mulher”, a apresentação do Gil Moreira com a cimboa, em conjunto com um músico austríaco que toca cítara, e o desfile de tabanca no mês da Cultura e das Comunidades, em 2023.

Da programação anual, a gestora destacou ainda o projecto musical “Kriolo Sounds – cada nota, uma estória” e, relativamente a eventos, considerou que a celebração do 05 de Julho é “o mais impactante” pelo significado e importância da data.

“Nestes cinco anos de existência o CCCV contribuiu para reforçar ainda mais a importância de divulgar e acarinhar a cultura, não só a nossa, a cabo-verdiana, mas a diversidade cultural no seu todo. Mas não temos feito só isso, também temos mostrado que o respeito pela multiculturalidade e inclusão das comunidades é fundamental para o bem-estar das pessoas e para o desenvolvimento dos países em vários aspetos”, frisou.

Em relação ao contributo que o centro tem dado para o fortalecimento dos laços entre Cabo Verde e Portugal, Ângela Barbosa disse que a assinatura do protocolo de cedência do edifício para o CCCV com a Câmara Municipal de Lisboa é demonstrativa da importância dos laços culturais seculares que unem os dois países.

Estes, continuou, ficam ainda “mais evidentes” por via do reforço da diplomacia cultural, além de todos os outros laços.

“São Bento é um dos bairros mais icónicos para a cultura cabo-verdiana em Portugal, porque aqui floresceram e cresceram alguns dos primeiros empreendimentos culturais de africanos, tendo sido Bana um pioneiro”, lembrou.

Com o crescimento do turismo na cidade de Lisboa, prosseguiu a mesma fonte, parecia que as ruas do bairro eram mais frequentadas por turistas do que por gente falante de língua portuguesa e dos países de expressão portuguesa, contou.

A responsável notou que com a abertura do CCCV há cada vez mais cabo-verdianos e outros lusófonos a frequentar a zona, assim como de outros países africanos e não só.

Isto porque, hoje, as pessoas são “atraídas pelos aromas das comidas de Cabo Verde”, pelos ecos que a música [cabo-verdiana] deixa no ar e pela arte, entre muitas outras atividades.

Nesses cinco anos, Ângela Barbosa sublinhou que o dia-a-dia do centro tem sido intenso, lembrando os contratempos criados pela pandemia da covid-19, mas que desde início de 2022 o espaço não parou, tendo uma programação própria, complementada com os pedidos da comunidade cabo-verdiana e outras.

“Estou sempre muito ocupada, desde a preparação da programação e da agenda, dos eventos, passando pela manutenção do espaço, resolução das questões que surgem, assim como receber os visitantes e pessoas que querem apresentar os seus projectos e eventos”, declarou a mesma fonte. Ou seja, continuou, mesmo que pareça que não há muito para fazer, há sempre muitas tarefas de bastidores envolvidas, já que é um trabalho e um esforço “quase invisíveis”, que faz com que os visitantes e outras pessoas tenham esta ideia de que é “tudo tranquilo e fácil de concretizar”, frisou.

Para comemorar o quinto aniversário do CCCV, Ângela Barbosa indicou que foi preparado um conjunto de eventos ao longo do mês de Julho, para a celebração dos 49 anos da Independência, porque o centro foi inaugurado por ocasião dos 44 anos do 05 de Julho, o que faz com que as duas datas coincidam.

Até ao momento já aconteceu, no dia 05 de Julho, a actuação dos artistas Vânia Martins e Princezito, acompanhados pelo guitarrista Ariel, e a inauguração de uma exposição colectiva de artes plásticas, denominada “Island Escapology - Escapologia da Ilha”, que junta mulheres artistas insulanas, oriundas ou com origem em ilhas e países insulares.

No dia 06 aconteceu a inauguração da exposição “Alt_Print Riba Kova”, que juntou os artistas Mito Elias e Rita Pires a jovens do Bairro da Cova da Moura e à Associação Cultural Moinho da Juventude ao projecto com o mesmo nome, financiado pelas embaixadas de Cabo Verde e da Austrália, país onde o cabo-verdiano Mito Elias vive há mais de dez anos e cuja embaixadora em Portugal está também acreditada em Cabo Verde.

O dia do aniversário terminou na Fundação Calouste Gulbenkian, com o concerto “Pilon di Xou” do Princezito, acompanhado no palco por mais de 40 batucadeiras e integrado no Festival Jardim de Verão, do qual um dos curadores é o artista luso-cabo-verdiano Dino d’Santiago, como forma de homenagear “a batucadeira”, imagem do mural que emoldura a parede lateral exterior do CCCV.

DR/AA

Inforpress/Fim

Exibindo 1 para 12 de 60