Suíça representa México no Equador após rompimento de relações diplomáticas

16-06-2024 5:55

Cidade do México, 16 Jun  (Inforpress) – A Suíça vai tratar dos assuntos consulares do México no Equador, após o rompimento das relações diplomáticas com Quito devido à invasão policial da embaixada mexicana e detenção do ex-vice-presidente equatoriano Jorge Glas.

Numa mensagem publicada nas redes sociais, o Ministério dos Negócios Estrangeiros mexicano anunciou o acordo, assinado pela ministra Alicia Bárcena e pelo homólogo suíço Ignazio Cassi, para “o apoio na protecção de bens e assuntos consulares do México no Equador”.

O acordo foi assinado durante uma visita à Suíça de Bárcena , que está na cidade de Nidwalden para participar da Cimeira para a Paz na Ucrânia, juntamente com representantes de 92 governos e 55 líderes mundiais.

O México rompeu relações com o Equador depois de uma rusga policial à sede diplomática mexicana em Quito, a 05 de Abril, condenada quase unanimemente pela comunidade internacional.

Glas, que rejeita todas as acusações e declarou ser vítima de perseguição política, entrou na embaixada do México em 17 de Dezembro para pedir asilo, quando o Ministério Público se preparava para o acusar de desvio de fundos públicos nas obras de reconstrução depois do devastador terramoto de 2016.

O Governo mexicano concedeu asilo a Glas no meio de uma crise diplomática com o Equador.

O Presidente equatoriano, Daniel Noboa, expulsou a embaixadora Raquel Serur depois de o homólogo mexicano, Andrés Manuel López Obrador, ter relacionado o homicídio do candidato presidencial Fernando Villavicencio com a vitória eleitoral do empresário, em novembro.

Glas, que também tem cidadania alemã, foi um dos homens fortes do governo de Correa (2007-2017) e, entre 2013 e 2017, ocupou o cargo de vice-presidente, bem como durante os primeiros meses do mandato presidencial de Lenín Moreno (2017-2021), até ao início das investigações.

O México e o Equador apresentaram queixa perante o Tribunal Internacional de Justiça pelos acontecimentos de 05 de abril, acusando-se mutuamente de terem violado convenções e normas internacionais.

Em 07 de Junho, um tribunal de recurso do Equador rejeitou a libertação imediata de Glas, por considerar que a detenção foi “legal, legítima e não arbitrária”, indicaram os advogados do ex-vice-presidente.

A rejeição do recurso veio confirmar os argumentos do governo equatoriano de que a entrada sem autorização na Embaixada do México em Quito se destinava a impedir a fuga de um arguido, com mandado de captura e condenações pendentes.

O 'habeas corpus' apresentado pedia que a justiça equatoriana ordenasse a libertação de Glas e que o antigo responsável fosse entregue ao México ou a um país terceiro que respeitasse o asilo concedido pelo governo mexicano.

Inforpress/Lusa/Fim
 

Notícias Recentes


15-07-2024 14:38
15-07-2024 14:09
15-07-2024 14:01
15-07-2024 13:41
15-07-2024 13:25