Trabalho infantil em Cabo Verde afecta 4,2 % das crianças sendo 2,5 % em condições perigosas – estudo

07-02-2024 14:10

Cidade da Praia, 07 Fev (Inforpress) – Um estudo apresentado hoje concluiu que o trabalho infantil afecta 4,2 % das crianças cabo-verdianas entre os 5 e 17 anos, 2,5 % trabalham em condições perigosas, mas grande parte trabalha para os familiares.

O inquérito sobre o Trabalho Infantil (TI) em Cabo Verde, apresentado na cidade da Praia pelo Instituto Nacional de Estatísticas (INE), no âmbito do Inquérito Multi-objectivo Contínuo (IMC), foi realizado entre Novembro de 2022 e Janeiro de 2023 com uma amostra aleatória de agregados familiares provenientes de áreas urbanas e rurais, a nível nacional.

Segundo a técnica e responsável pelas estatísticas do mercado de trabalho, Alice Pina, no universo de 117 mil crianças entre os 5 a 17 anos, 50,5 % são rapazes, 49,5 % meninas e 74,4 % estão no meio urbano.

O estudo aponta ainda que grande parte dessas crianças trabalham para o consumo próprio dos agregados familiares, cerca de 9.004 estavam a trabalhar, e dessas, 4.900 crianças, cerca de 4,2 %, estavam no trabalho infantil, e 2.896 trabalham em condições perigosas, o que representa 2,5 %.

No que diz respeito à educação, os dados apontam que 97,3 % das crianças trabalham e estudam ao mesmo e 2,7 % não estavam a frequentar nenhum estabelecimento escolar.

Os dados revelam ainda que os rapazes decidiram abandonar a escola por opção e as meninas por falta de interesse onde a idade média é de 14 anos.

O inquérito analisou ainda as tarefas domésticas/cuidados de pessoas com necessidades especiais, e concluiu que 73.446 crianças fazem este tipo de trabalho, o que representa 62,4 %, dos quais 2.673 dos inquiridos em condições perigosas e uma média de 8:10 horas por semana.

Por outro lado, concluiu-se que meninas fazem mais tarefas domésticas, com 68,9 % em trabalho como lavar a louça, preparar a mesa, limpar a casa ou a garagem.

A responsável explicou que o trabalho infantil é o envolvimento de crianças em trabalho perigoso e de modo geral em tipos de trabalhos a serem eliminados como social e moralmente indesejáveis e trabalho perigoso.

Envolve crianças que trabalham em profissões ou ramo de actividade económica consideradas perigosas, trabalham mais de 44 horas por semana a transportar cargas pesadas em ambiente expostos ao sol.

Em todo o planeta, as crianças continuam a trabalhar, colocando em risco a sua educação e o seu normal desenvolvimento moral, sendo que milhões trabalham em condições que representam grandes perigos para a sua saúde, segurança e bem-estar.

Muitas dessas crianças são traficadas, escravizadas, isoladas no serviço doméstico e/ou traumatizadas e abusadas em decorrência de diferentes explorações sexuais.

O último estudo sobre o trabalho infantil foi realizado em 2012 e, devido a diferenciação da metodologia, não foi possível fazer a comparação, segundo explicou a responsável do INE.

AV/AA

Inforpress/Fim

Notícias Recentes


20-06-2024 15:17
20-06-2024 14:52
20-06-2024 14:45
20-06-2024 14:42
20-06-2024 14:40