São Vicente: Guiné-Bissau deseja importar “know how” de Cabo Verde nas áreas de administração e formação

28-02-2024 14:34

Mindelo, 28 Fev (Inforpress) – O novo embaixador da Guiné-Bissau em Cabo Verde disse hoje que o seu país pretende reforçar e diversificar as relações bilaterais com Cabo Verde e importar “know how” do arquipélago nos domínios da administração e da formação.

Ibraima Sano falava à imprensa após apresentar as cartas credenciais ao Presidente da República, José Maria Neves, no Palácio do Povo no Mindelo.

“Cabo Verde é um país com quem nós, como guineenses, temos muito que aprender. Manifestei essa vontade do Governo da Guiné-Bissau no sentido de importarmos algum ‘know how’ daqui de Cabo Verde para a Guiné-Bissau”, explicou o embaixador para quem a Guiné-Bissau observou que Cabo Verde é um país exemplo em termos de administração e de outros saberes sublinhando que em termos de formação já há estudantes que vieram da Guiné-Bissau para fazer a sua formação em Cabo Verde.

Questionado sobre a posição da Guiné-Bissau em relação à instabilidade na Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) e do conflito no Senegal, Ibraima Sano afirmou que “são situações preocupantes”.

Particularmente sobre a CEDEAO, o mesmo lembrou que a sua situação “já foi discutida a nível da última cimeira e viu-se que se está a reconsiderar tanto a posição de expulsão dos outros países da CEDEAO como encontrar outras soluções, a fim de trazer os irmãos desavindos para se juntarem novamente à volta da comunidade”.

Sobre o conflito no Senegal, Ibraima Sano considerou, preocupante sobretudo porque a Guiné-Bissau tem fronteira com o Senegal e havendo um problema no Senegal é também um problema na Guiné-Bissau.

“Esperamos que eles possam ultrapassar esses problemas o mais breve possível”, desejou.

Questionado sobre o processo de marcação das eleições na Guiné-Bissau, depois da dissolução do parlamento pelo Presidente da República, Umaro Sissoco Embaló, o embaixador disse que está em andamento pelo que estão a aguardar para a marcação da data das eleições.

Quanto à candidatura de Angola à presidência da União Africana (UA), que já conta com o apoio de Cabo Verde, o embaixador da Guiné-Bissau revelou que essas candidaturas “são vistas no âmbito multilateral”, pelo que, “no âmbito da CPLP a Guiné-Bissau apoia a candidatura de Angola porque é um país que, nos últimos tempos, tem sido campeã da paz”.

Também informou que saber brevemente a Guiné-Bissau vai apresentar a candidatura para a comissão, em 2025, na pessoa de Suzi Carla Barbosa, antiga Ministra dos Negócios Estrangeiros.

CD/HF

Inforpress/Fim 

Notícias Recentes


19-06-2024 21:01
19-06-2024 20:22
19-06-2024 19:52
19-06-2024 19:42
19-06-2024 19:30