Presidente do IPC aponta património cultural na agenda nacional como "ganho incontornável"

10-03-2024 12:08

Cidade da Praia, 10 Mar (Inforpress) - A presidente do Instituto do Património Cultural (IPC), Ana Samira Baessa, avaliou hoje, na cidade da Praia, o seu primeiro mandato, tendo apontado a entrada do património cultural para agenda nacional como um "ganho incontornável".

Ana Samira Baessa falava à Inforpress a propósito do seu primeiro ano de mandato, assinalado neste mês de Março, avaliando positivamente este período com consolidação de vários ganhos.

“Acabamos de completar um ano na gestão do IPC e tem sido uma experiência positiva a todos os níveis. O sector do património cultural ganhou uma grande projecção nos últimos anos, graças aos investimentos alocados, a confiança e credibilidade junto dos parceiros, o que confere um quadro muito favorável à dinâmica institucional. O património cultural está na agenda nacional e isso é um ganho incontornável”, enfatizou.

Por outro lado, mereceu destaque da presidente do IPC, a "força determinante" do capital humano e as experiências acumuladas no seio da instituição, nomeadamente na conquista de novas parcerias e projectos.

“Assumimos que a nossa gestão seria de continuidade, numa lógica de concluir os projectos em curso, consolidar os ganhos institucionais em termos dos grandes projectos e agregar novos valores à dinâmica de valorização do património cultural. E é nesta lógica que temos vindo a trabalhar”, salientou, anotando que em 2023 o IPC concluiu vários projectos.

De entre esses projectos, Ana Samira Baessa destacou a montagem do Museu de Arqueologia da Boa Vista e a reabilitação e musealização do Forte Duque de Bragança que se posicionam já como os principais atractivos culturais da ilha, e tem se destacado pela enorme afluência de visitantes.

Ainda na Boa Vista, o IPC avançou com os trabalhos para a criação do primeiro Parque Arqueológico Subaquático do país, cujos trabalhos técnicos estão em fase de conclusão, e o projecto de valorização do funaná, que culminou com a montagem do Centro Interpretativo em Santa Cruz, homenageando a figura de Sema Lopi e a submissão do dossiê completo para a classificação deste género como património nacional.

Na Cidade Velha Património Mundial, indicou a presidente do IPC, várias acções foram realizadas como a reabilitação das coberturas das casas da Rua da Banana, o início do processo da elaboração do plano de salvaguarda, algo inédito em 30 anos da classificação deste sítio, e a elaboração dos projectos de requalificação urbana e ambiental.

Em termos de reforço do quadro legal, submetemos para aprovação o Regulamento para a Proteção dos Bens móveis e imóveis, instrumento de suma importância nos procedimentos de inventariação, classificação e gestão do património nacional e que vai conferir uma nova dinâmica no quadro da protecção do património nacional.

Na mesma senda, o IPC avançou com uma proposta técnica para a ratificação das convenções sobre o tráfico ilícito dos bens culturais, isso pensando, sobretudo, na vulnerabilidade do património arqueológico subaquático e a necessidade premente de reforçar a sua protecção contra actos de roubo e pilhagem.

Para 2024, segundo Ana Samira Baessa, o instituto traçou como grandes objectivos reforçar o processo de valorização do património imaterial, considerando elementos chaves da identidade cultural cabo-verdiana como o artesanato tradicional, a olaria tradicional, o panu de terra, a cestaria e a gastronomia.

TC/CP

Inforpress/Fim

Notícias Recentes


21-06-2024 22:18
21-06-2024 20:26
21-06-2024 20:23
21-06-2024 20:12
21-06-2024 19:35