Pescas: Estratégia de implementação do género no sector pretende atingir “níveis de altos” de formalização das mulheres na cadeia – director (c/áudio)

15-03-2024 13:05

Mindelo, 15 Mar (Inforpress) – O director nacional das Pescas e Aquacultura assegurou hoje, no Mindelo, que a Estratégia do género no sector das pescas tem como um dos principais objectivos atingir “níveis de altos” de formalização das mulheres na cadeia.

Carlos Monteiro teceu as considerações à imprensa hoje, no Mindelo, durante o workshop de apresentação dos resultados das actividades de implementação da Estratégia de Género no Sector das Pescas, resultante da parceria técnica e financeira existente com a representação da FAO em Cabo Verde.

Conforme o responsável, o objectivo “fundamental” da estratégia é dissipar a desigualdade de oportunidade e capacitar as mulheres que ainda são em "pequena percentagem", sobretudo no empreendedorismo.

“O sector tem essa possibilidade, na restauração, na transformação, na comercialização, porque os pescadores pescam, mas, nas outras áreas há uma percentagem enorme de mulheres”, justificou Carlos Monteiro, para quem agora precisa-se trabalhar a componente da formalização, que passa também pela comparticipação para a previdência social.

“Porque é uma reforma a médio e longo prazo e as pessoas têm que entender que não é uma despesa, pelo contrário, é um investimento. Têm que entender que ir ao INPS [Instituto Nacional de Previdência Social] e contribuir nem que seja por uma quantidade ínfima é bem melhor do que ficar de fora, porque terão uma pensão muito mais alta que a pensão social”, reiterou.

E são essas reflexões que, ajuntou, estão a ser feitas para se atingir uma “situação mais estável e mais confortável e de dignidade dentro do sector” numa perspectiva feminina, contabilizada em cerca de três mil mulheres, conforme informações do  Censo 2021.

A ideia, di-lo Carlos Monteiro, é também trabalhar o quadro institucional e formar as mulheres que desempenham um “papel importante” em todo o sector das pescas.

A assessora do programa da FAO em Cabo Verde, Katya Neves, também acredita que a estratégia já está a ter impacto no terreno e neste momento querem continuar a trabalhar para empoderar mais a classe feminina, também através da formação.

Conforme a mesma fonte, a intenção é elevar o nível dos indicadores sensíveis ao género dentro da estratégia de cinco componentes, realizada em parceria com a Direcção das Pescas, com a Escola do Mar (EMar) e o Instituto Cabo-verdiano de Igualdade e Equidade do Género (ICIEG).

“Vamos continuar a apoiar o ministério a implementar a estratégia do género de 2022- 2026”, afiançou Katya Neves, acrescentando que, além da capacitação, pretendem ter dados estatísticos para “implementar políticas de melhor acesso aos recursos e melhor controlo”.

Conforme informações avançadas no evento, no âmbito da estratégia, já estão implementados até agora cerca de 32 por cento (%) das actividades, orçadas um total de cerca de 30 milhões de escudos cabo-verdianos.

LN/ZS

Inforpress/Fim

Notícias Recentes


21-06-2024 22:18
21-06-2024 20:26
21-06-2024 20:23
21-06-2024 20:12
21-06-2024 19:35