Governo desafia IFC do Grupo Banco Mundial a aumentar sua carteira de investimentos em Cabo Verde

04-03-2024 19:05

Cidade da Praia, 04 Mar (Inforpress) - O vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças, Olavo Correia, desafiou hoje a International Finance Corporation (IFC), do Grupo Banco Mundial, a aumentar a sua carteira de investimentos em Cabo Verde por forma a provocar mudanças a nível do país.

Actualmente, a IFC tem um pacote de investimento estimado em 65 milhões de dólares americanos, e, de acordo com o diretor regional da IFC para África ocidental e Central, Olivier Buyoya, esse montante vai aumentar para 90 milhões em Junho.

“O IFC aumentou o seu compromisso em Cabo Verde com níveis recordes de investimento, num ano aumento de 1 milhão para mais de 65 milhões, com o potencial de atingir pelo menos 90 milhões até o final de Junho”, disse o responsável, que falava na cidade da Praia, na sessão de apresentação do Diagnóstico do Sector Privado do País (CPSD), feita em conjunto com o Banco Mundial.

Olivier Buyoya adiantou que este pacote de financiamento está complementado por serviços de consultoria em sectores-chave, tais como as parcerias público-privadas (PPP), energia e desenvolvimento da economia.

Neste sentido, lembrou que no ano de 2023 a IFC comprometeu um pacote de investimento de perto de 30 milhões de dólares para Vinci Airports para a reabilitação de sete aeroportos no país, antecipando um crescimento de passageiros.

Conforme destacou, o estudo de diagnóstico hoje apresentado examina sectores como o turismo sustentável, a economia azul e os serviços digitais, como sendo áreas que oferecem oportunidades de investimentos “excitantes” para o sector privado.

Na perspectiva do director regional da IFC, esse estudo de diagnóstico irá ajudar a formar o quadro de parceria do Banco Mundial, cujos processos serão lançados em breve, com o Governo permitindo que se faça muito mais à medida que se planeja aumentar a presença do Banco Mundial no país.

“Gostaria de reafirmar o compromisso do Grupo do Banco Mundial em apoiar Cabo Verde na sua jornada rumo ao turismo sustentável e à prosperidade. Através da colaboração eficaz e do investimento sábio, poderemos ajudar Cabo Verde a realizar a sua visão de um futuro resiliente e próspero para todos os seus cidadãos”, garantiu.

O vice-primeiro-ministro, Olavo Correia, ao intervir na mesma sessão, enalteceu a agradeceu todo apoio do Banco Mundial e da IFC que agora tem um representante no país.

Contudo, o governante cabo-verdiano salientou que o pacote de investimento acima mencionado ainda é pouco para a ambição de Cabo Verde e, sobretudo, nesse contexto em que é preciso governar com velocidade.

“Hoje estamos à volta dos 65 milhões de dólares americanos, e até Junho podemos atingir 90 milhões de dólares americanos. Mas, como deve imaginar, caro amigo Olivier, isso ainda é muito pouco. É muito pouco porque nós, neste novo contexto, precisamos de governar com velocidade, mas também com escala, para podermos provocar a mudança. Financiar um, dois ou três projectos é bom, como é óbvio, mas é muito pouco para aquilo que nós precisamos em Cabo Verde”, sustentou.

Por isso, desafiou a IFC a aumentar sua carteira de investimento em sectores chaves em Cabo Verde relacionados com a transição energética, conectividade, transição digital, economia azul entre outras.

Olavo Correia pediu ainda ajuda da IFC nos processos de privatizações.

MJB/CP

Inforpress/Fim

Notícias Recentes


17-06-2024 10:30
17-06-2024 10:27
17-06-2024 8:38
17-06-2024 8:07
17-06-2024 7:47