Fuga de chefs de cozinha para o estrangeiro afecta unidades hoteleiras em Cabo Verde

27-02-2024 15:40

Cidade da Praia, 27 Fev (Inforpress) - O presidente da Associação de Chefs de Cabo Verde, Damian Sanchez, revelou hoje que a maior dificuldade das unidades hoteleiras tem sido manter o quadro de pessoal, devido à emigração excessiva dos profissionais para o estrangeiro.

Em entrevista à Inforpress, Damian Sanchez afirmou que a nível laboral, Cabo Verde apresenta condições acima da média internacional e superior em África, garantindo que um profissional pode estar inteiramente capacitado em seis ou oito meses de preparação.

Segundo este responsável, a unidade hoteleira forma e capacita os profissionais com alto nível para o mercado, contudo com a fuga desses quadros para o estrangeiro, a maior dificuldade tem sido encontrar um número suficiente de profissionais para trabalhar nos hotéis e restaurantes.

Instado se o baixo salário estaria por detrás dessa decisão, Damian Sanchez explicou que cada chef de cozinha negocia o próprio salário e que depende de variantes como experiência, currículo internacional e conhecimento na matéria.

“Quanto mais quartos e clientes tem um hotel, obviamente que influencia a tabela salarial. O salário de um chef de cozinha é algo que determina o mercado, o mercado que determina a valorização de um chef, o mercado e também a parte curricular”, acentuou.

Damian Sanchez defendeu que com a profissionalização da classe, a grelha salarial poderá melhorar, asseverando que a missão da associação é divulgar a gastronomia e valorizar o produto nacional.

LT/CP

Inforpress/Fim

Notícias Recentes


20-06-2024 22:21
20-06-2024 21:52
20-06-2024 21:37
20-06-2024 21:14
20-06-2024 20:57