Autárquicas’2024/Fogo: “Problemas internos criados por um grupo e muita intriga pesaram na escolha do partido” – Alberto Nunes

13-03-2024 8:48

São Filipe, 13 Mar (Inforpress) – O presidente da câmara de Santa Catarina do Fogo, Alberto Nunes, considerou que problemas internos criados por um grupo de pessoas e “muita intriga” com “resquício de vingança” pesaram na sua não escolha como candidato a um terceiro mandato.

O autarca reagia à escolha pelo Movimento para a Democracia (MpD) de Evandro Monteiro em detrimento da sua pessoa para concorrer com cabeça de lista nas autárquicas deste ano.

A mesma fonte salientou que não foi pelo trabalho, nível do desenvolvimento do município e pela performance que não é candidato, mas por questões relacionadas com problemas internos, que talvez exigia “alguns sacrifícios redobrados” para a reeleição, que levou o seu partido a fazer outra escolha.

Segundo Alberto Nunes, a nível interno foram criados problemas, “uma coisa muito bem montada” para derrubar a sua pessoa, focado no caráter e na sua personalidade e não nos problemas do município.

Sublinhou que “nunca, até este momento, ninguém apresentou uma proposta alternativa”, mas apenas um “ataque vil” dirigida à sua pessoa e com “resquício de maldade, inveja e ódio”.

“Pelo trabalho ninguém me condena e nunca o município esteve tão bem como agora, há coisas que quem está no poder não pode permitir como por exemplo que o interesse pessoal/individual sobrepõe o interesse colectivo porque a pessoa votou ou fez campanha”, afirmou Alberto Nunes.

O autarca lembrou que em caso de beneficiar ou privilegiar e resolver um problema ilegal quem responde judicial e politicamente é o presidente e não a pessoa beneficiada.

O edil destacou que antes de 2016 havia esta cultura política, a que não podia dar seguimento, e durante a sua governação alterou este paradigma, lembrando que todo o seu projecto autárquico foi para servir o município através de uma administração diferente.

“A minha presidência serviu o município sem nenhum tipo de discriminação e com base nos critérios de necessidade, independentemente de ser apoiante ou não. O importante é ter consciência tranquila”, reiterou.

Alberto Nunes reconheceu que às vezes a política é feita focada nas pessoas e não no desenvolvimento e que em Santa Catarina existe um grupo que está a focar na sua pessoa a tentar pôr em causa o seu carácter e a dignidade.

Isto, explicou, obrigou-lhe a fazer alguma reflexão e depois o partido fez sondagens e optou por um novo candidato para que o município continue a ser governado pelo MpD e seja dada continuidade ao desenvolvimento com uma pessoa “competente e que já deu provas por onde passou”, que é Evandro Monteiro.

“É uma pessoa que posso depositar a confiança, apoio e acredito que vai dar continuidade ao processo de desenvolvimento e trazer inovações para Santa Catarina do Fogo”, realçou Alberto Nunes, sublinhando que no final do mandato deixará a presidência da câmara, mas continuará a trabalhar para Santa Catarina, para ilha do Fogo e para Cabo Verde.

Alberto Nunes, que está a cumprir o seu segundo mandato (2016/2024), agradeceu toda a população de Santa Catarina que o elegeu em 2016 e 2020 e ao MpD pela confiança por três vezes (2012, 2016 e 2020), sublinhando que durante o mandato colocou na prática mais de 80 por cento (%) daquilo que era seu projecto autárquico para Santa Catarina.

“Saio com cabeça levantada e com realizações em todas as localidades e em todos os sectores de actividades desde pesca, passando pela agricultura, requalificação urbana, educação, área social”, destacou Alberto Nunes.

O político  enfatizou que entregou à Cooperação Luxemburguesa um projecto orçado em mais de um milhão de euros que deverá ser aprovado nos próximos tempos e que poderá começar a ser implementado ainda no seu mandato.

Avançou ainda que vai deixar um município “atractivo e desenvolvido” e que já reuniu a equipa de vereadores no sentido de reforçar o trabalho e mobilizar recursos até o último dia do mandato, porque, explicou, foram eleitos por um período de quatro anos.

O edil disse que depois do anúncio do candidato para Santa Catarina nas próximas eleições já recebeu centenas de chamadas e mensagens de pessoas a manifestar a sua tristeza pela sua exclusão, mas na vida política é assim e vai continuar a trabalhar até o último dia do mandato.

Alberto Nunes, que já manifestou o seu apoio ao candidato escolhido, descarta “qualquer possibilidade” de candidatura independente da sua parte, sublinhando que é um militante do MpD e foi apoiado por três vezes, por isso partido e se entender agora que corre o risco de perder as eleições não irá avançar com candidatura independente.

“O MpD tomou a melhor medida e mesmo que fosse uma decisão errada, seria uma ingratidão apresentar candidatura independente”, disse Alberto Nunes, garantindo que vai continuar a ser militante do MpD e não vai mudar de ideologia.

Com relação ao seu futuro, disse que há várias alternativas, mas que independentemente do lugar onde estiver continuará ligado ao município e à ilha do Fogo.

Alberto Nunes disse que deu muito para o município e que todos reconhecem, até crianças a pessoas idosas com base numa relação de amizade com todos.

“Saio mais pobre financeiramente do que entrei, porque enquanto professor podia fazer trabalho extra, mas desempenhei a função de presidência da câmara para servir as pessoas e quando vejo famílias com casas reabilitadas ou construídas de raiz, todas as escolas reabilitadas e alunos em boas salas e devidamente equipadas, fico satisfeito”, concluiu.

JR/AA

Inforpress/Fim

Notícias Recentes


16-06-2024 19:33
16-06-2024 16:12
16-06-2024 16:03
16-06-2024 15:47
16-06-2024 14:57