“Cabo Verde na Coraçon” quer combater insegurança alimentar no país e na diáspora

07-03-2024 14:48

Cidade da Praia, 07 Mar (Inforpress) – “Cabo Verde na Coraçon”, referenciada como uma campanha de ajuda alimentar directa em Cabo Verde e na diáspora solidária, foi oficialmente formalizada hoje, na cidade da Praia, pelo Grupo de Acção Cívica para a Segurança Alimentar e Nutricional.

Ângela Coutinho, integrante do Grupo de Acção Cívica pela Segurança Alimentar e Nutricional (Gacsa), explicou que esta iniciativa surgiu na sequência da preocupação de diversos cidadãos nacionais afectados com a situação de insegurança e insuficiência alimentar no país, agravada com o início da guerra na Ucrânia, marcada pelo consequente aumento exponencial dos preços dos bens de primeira necessidade.

Em conferência de imprensa, referiu que este “movimento cívico e apartidário”, congrega associações, personalidades e empresas no país e em diversos países da diáspora, com o papel de reforçar e alargar as redes de apoio alimentar directo aos mais vulneráveis em todo o país (idosos com parcos recursos, portadores de deficiência, crianças pequenas de famílias de desempregados e monoparentais, mães solteiras-chefe de família).

O Gacsa, afiançou, constituído a partir da diáspora Boston (EUA), Lisboa (Portugal) e cidades cabo-verdianas da Praia e do Mindelo, pretende, ainda, estender a rede do Banco Alimentar Contra a Fome de Cabo Verde a todo o país, com uma participação mais intensa por parte da Diáspora.

Segundo Ângela Coutinho, o grupo iniciou há quase um ano um trabalho com vista a juntar organizações em Cabo Verde e na diáspora no sentido de ajudar mais pessoas no arquipélago, enquanto questão de dignidade como comunidade povo, com foco nas 175.844 pessoas que vivem abaixo do limiar da pobreza (segundo dados oficiais).

O grupo, esclareceu, não tem a pretensão de resolver o problema da alimentação em Cabo Verde, mas quis montar um projecto com parceiros sérios, conhecedores da realidade cabo-verdiana como o Banco Alimentar Contra a Fome em Cabo Verde, enquanto instituição com mais tempo, mais eficaz e que atinge mais pessoas.

“Conseguimos uma parceria com a Organização Nacional da Diáspora Solidária (ONDS), uma ONG que existe há mais de 20 anos com sede em São Vicente, juntamos trabalho do Banco Alimentar Contra a Fome de Cabo Verde, Fundação Donana e a Federação das Organizações Cabo-verdiana em Portugal e a Plataforma Cabo Verde e Diáspora, uma ONG, recentemente criada”, explicou.

Esta ONG, frisou, agrupa associações e federações cabo-verdianas no Luxemburgo, França, Portugal, Estados Unidos, Senegal e Holanda com o intuito de ajudar o grupo nesta campanha, de forma a ajudar as famílias, sobretudo grupos focais de Banco Alimentar Contra a Fome.

A presidente da Fundação Donana e do Banco Alimentar Contra a Fome de Cabo Verde, Ana Hopffer Almada, presente na apresentação pública deste projecto, considerou que a campanha “Cabo Verde na Coraçon” chegou na hora certa, alegando que  o Banco Alimentar tem estado, há já algum tempo, a alertar a sociedade cabo-verdiana sobre a problemática da insegurança alimentar aguda.

Disse que trabalha com uma rede de cerca de 30 associações de todas as ilhas e com espírito de transparência e que se tem notado que muitas pessoas em Cabo Verde têm a necessidade da ajuda alimentar.

“Temos todas as estruturas montadas. É uma campanha muito necessária para ajudar o Banco Alimentar no sentido de dar respostas a enorme procura”, realçou, clarificando que só na cidade da Praia beneficiam cerca de 300 pessoas, pelo que acredita que com esta campanha, que contará com o envolvimento da diáspora, mais famílias serão favorecidas.

SR/HF

Inforpress/Fim

Notícias Recentes


21-06-2024 22:18
21-06-2024 20:26
21-06-2024 20:23
21-06-2024 20:12
21-06-2024 19:35