Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Zuzana Caputova vence primeira volta das presidenciais na Eslováquia

Bratislava, 17 Mar (Ingorpress) – A advogada Zuzana Caputova venceu, no sábado, a primeira volta das eleições presidenciais na Eslováquia, alcançando 40% dos votos, enquanto o comissário europeu da Energia, Maros Sefcovic, não foi além de 18,6%, segundo resultados provisórios.

Quando estavam apurados mais de 98% dos votos, a advogada defensora do meio ambiente e acérrima crítica do Governo Zuzana Caputova tinha garantido 40,5%.

Na segunda volta das eleições, marcada para 30 de março, irá defrontar o seu principal rival, Maros Sefcovic, 52 anos, apoiado pelo partido no poder, Smer-SD.

Estas eleições são encaradas como um teste para o partido populista no poder, um ano após as manifestações contra o Governo e em plena crise política motivada pelo assassínio de um jornalista de investigação.

Zuzana Caputova, 45 anos, era a favorita neste escrutínio decisivo antes das legislativas de 2020, neste país de 5,4 milhões de habitantes, membro da União Europeia (UE) e da NATO.

Como nenhum dos candidatos obteve 50% dos votos terá, então, de realizar-se uma segunda volta na eleição para Presidente da Eslováquia, um cargo mais protocolar que executivo.

Vice-presidente do partido Eslováquia Progressista (PS, social-liberal), sem representação parlamentar, Caputova considera que “as pessoas apelam à mudança” e elegeu como frase de campanha “Lutemos contra o mal”.

A candidata participou nas manifestações de milhares de pessoas em protesto pelo assassínio, em Fevereiro de 2018, do jornalista de investigação Jan Kuciak e da sua companheira.

O duplo crime e as apuradas investigações de Kuciak sobre presumíveis ligações entre responsáveis políticos eslovacos e a máfia italiana, publicadas postumamente, originaram uma crise no país e alertas sobre a liberdade dos ‘media’ e a corrupção.

A vaga de indignação esteve na origem da demissão do primeiro-ministro, Robert Fico, que permanece na liderança do Direção – Social-democracia (Smer-SD, populista de esquerda) no poder, e aliado próximo do atual primeiro-ministro Peter Pellegrini.

Analistas locais têm considerado que neste escrutínio decide-se um afastamento dos eleitores do populismo, associado à corrupção, e um novo estilo político reformista que restabeleça alguma confiança nas instituições.

Inforpress/Lusa

Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos