Santa Cruz: Comunidades de Libencha e Ribeirão Moura com energia 100 por cento (%) solar

14-06-2024 0:17

Pedra Badejo, 13 Jun (Inforpress) – Os moradores de Libencha e Ribeirão Moura, no município de Santa Cruz, viram hoje “chegar” às suas casas energia limpa e sustentável, permitindo-lhes assim ter melhores condições de vida.

Conforme contaram os moradores, este é um sonho acalentado há muitos anos, mas que nem tinham esperança de que era possível se tornar realidade, tendo em conta o valor que a Electra estava a cobrar para electrificar as 32 casas existentes nestas duas zonas.

Entretanto, segundo a moradora Margarida Cabral, graças ao engajamento da equipa camarária e parceiros estrangeiros, hoje a energia eléctrica já é uma realidade e o mais importante é que é uma energia totalmente limpa, permitindo assim a essas comunidades dar alguma contribuição na luta pelo combate às alterações climáticas.

Essa moradora contou que a vida nessas comunidades era um pouco “apagada”, porque não tinham condições de custear com as despesas.

Na aldeia, lembrou que somente uma moradora tinha um pequeno gerador e frequentemente se reuniam para amealhar algum dinheiro, para aquisição de combustível e assim poder usufruir de energia eléctrica para pelo menos ver o telejornal, carregar um telemóvel, ou mesmo para os filhos estudarem e pesquisarem alguma matéria escolar.

Mas, caso não fosse assim, a vida era totalmente “complicada”, exemplificando que nem peixe poderiam comprar para guardar porque não era possível conservá-lo no frigorífico ou na arca.

Igualmente, a moradora Maria Semedo evidenciou que era algo esperado há vários anos, mas somente agora foi possível e o que lhes resta é agradecer e cuidar do projecto, porque hoje já têm luz nas suas residências e não comparticiparam com nenhum valor, uma iniciativa que considerou como sendo “louvável”, principalmente pelo facto de ser energia renovável.

Com este ganho, ressaltou que agora os filhos não precisam de se deslocar a outras localidades para estudarem ou realizar algum trabalho de pesquisa, uma situação que lhes preocupava muito tendo em conta a onda de violência por que passa o mundo.

Esta moradora sublinhou que ainda existem outros desafios, nomeadamente o problema de água e de estrada em condições, mas estão confiantes de que todas essas situações vão ser resolvidas com o tempo.

Já o presidente da Associação Agro Barragem, Carlos Tavares, explicou que em cada casa instalaram três painéis solares, com a capacidade de fornecer 1000kw de luz e uma bateria de armazenamento com a mesma capacidade, permitindo essas comunidades estarem em pé de igualdade com as outras.

Sendo uma comunidade agrícola, este responsável avançou que agora vão fazer um melhor aproveitamento dos seus produtos, encorajados que estão agora para adquirirem equipamentos de conservação, cabendo a cada família fazer a gestão da sua energia.

O projecto foi implementado pela Câmara Municipal de Santa Cruz, em parceria com a Fundação Canárias para o Controle de Doenças Tropicais (FUNCCET).

Na ocasião, o presidente da fundação, Basílio Valladares Hernández, ressaltou que para o combate às alterações climáticas a opção tem sido apostar nas energias renováveis, defendendo que os projectos não devem ficar somente em promessas, mas sim serem realizados, explicando assim o motivo de terem envolvido neste processo.

Por seu turno, o presidente da câmara, Carlos Silva, ressaltou que o projecto enquadra-se também na política do combate às alterações climáticas, porque, sublinhou, está-se a falar de energia limpa e renovável, que é um dos maiores recursos que Cabo Verde dispõe, neste caso o sol.

E por ser um município agrícola, salientou que é necessário aproveitar o sol para transformar em energia e assim tratar a água do mar para poder ter com que praticar a agricultura, garantir o rendimento e desenvolvimento social, económico e ambiental.

Nas imediações destas duas comunidades o autarca informou que também há uma outra comunidade de difícil acesso e que não tem energia eléctrica, e está a pensar em trabalhar num projecto semelhante para a eletrificação das sete casas ali existentes.

O projeto surgiu no âmbito da participação dos técnicos da Câmara Municipal de Santa Cruz no Programa Internacional Campus África da Universidade La Laguna Tenerife e a empresa Solar Canarias foi a responsável pela materialização do projeto de energia renovável para as aldeias de Libencha e Ribeirão Moura, em Ribeira Seca.

MC/JMV
Inforpress/Fim
 

Notícias Recentes


15-07-2024 13:41
15-07-2024 13:25
15-07-2024 13:19
15-07-2024 12:34
15-07-2024 12:34