Washington saúda “vitória extraordinária” ucraniana em Kherson

Phnom Penh, 12 Nov (Inforpress) – Os Estados Unidos saudaram hoje a reconquista da cidade de Kherson pelas forças ucranianas, na sexta-feira, como uma “vitória extraordinária”.

“Parece que os ucranianos acabam de obter uma vitória extraordinária: a única capital regional que a Rússia apreendeu nesta guerra está agora de volta sob a bandeira ucraniana, o que é bastante notável”, disse o Conselheiro de Segurança Nacional Jake Sullivan, citado pela agência francesa AFP.

As tropas ucranianas entraram na cidade de Kherson na sexta-feira, depois de as forças russas se terem retirado para a margem sul do Rio Dniepre, a outra metade da região da Ucrânia que Moscovo controlava desde Março.

Kherson é uma das quatro regiões anexadas pela Rússia desde que invadiu a Ucrânia, em 24 de Fevereiro deste ano, juntamente com Zaporijia (sudeste), Donetsk e Lugansk (leste).

A Rússia já tinha anexado a península ucraniana da Crimeia (sul) em 2014.

A Ucrânia e a generalidade da comunidade internacional consideraram as anexações ilegais.

Com o armamento que lhe foi fornecido pelos seus aliados ocidentais, a Ucrânia lançou uma contra-ofensiva no Sul e no Leste nos últimos dois meses, que lhe permitiu reconquistar algum do território que estava sob domínio russo.

A retirada russa terá “implicações estratégicas mais vastas”, incluindo a atenuação da ameaça a longo prazo colocada a outras cidades do sul da Ucrânia, como Odessa, disse Jack Sullivan durante a viagem do Presidente Joe Biden para o Camboja.

“Este é um grande momento e deve-se à incrível tenacidade e habilidade dos ucranianos, apoiados pelo apoio unido e implacável dos Estados Unidos e dos nossos aliados”, acrescentou.

O ministro dos Negócios Estrangeiros ucraniano, Dmytro Kuleba, disse hoje, em Phnom Penh, que a vitória contra a Rússia é apenas “uma questão de tempo”.

“Na nossa guerra defensiva contra o inimigo, a Ucrânia vencerá, é uma questão de tempo”, disse Kuleba, segundo a agência espanhola EFE.

“Cada centímetro da Ucrânia será libertado”, reforçou Kuleba, um dos convidados para a cimeira da ASEAN (sigla inglesa da Associação das Nações Asiáticos do Sudeste Asiático, que decorre até domingo na capital do Camboja.

Kuleba justificou o seu optimismo com as vitórias que as forças ucranianas tiveram em diferentes batalhas, tais como em Kiev, nas áreas ocupadas no nordeste do país e na região de Kherson.

Também denunciou o exército russo por torturar e assassinar civis e atacar infra-estruturas, não por razões militares, mas para prejudicar a população.

Kuleba apelou à comunidade internacional, incluindo os países do Sudeste Asiático, para fornecer transformadores, geradores e peças à Ucrânia para ajudar a reparar a infra-estrutura eléctrica, que é necessária no meio da crise e para enfrentar o Inverno.

A guerra na Ucrânia, em curso há quase nove meses, mergulhou a Europa naquela que é considerada a crise de segurança mais grave desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Desconhece-se o número de baixas civis e militares, mas diversas fontes, incluindo a ONU, têm alertado que será elevado.

Inforpress/Lusa/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos