Tribunal de Londres avalia pedido de recurso contra extradição de Assange para EUA

20-02-2024 7:56

Londres, 20 Fev (Inforpress) - Um tribunal de Londres vai hoje começar a avaliar a possibilidade de o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, recorrer do pedido de extradição para os Estados Unidos, onde é judicialmente perseguido pela divulgação maciça de documentos confidenciais.

Dois magistrados do Tribunal Superior [High Court] vão rever hoje e quarta-feira a decisão anterior, contrária ao recurso e tomada por um único juiz a 06 de junho de 2023, e deliberar sobre se Julian Assange pode recorrer.

A decisão poderá ser conhecida ainda na quinta-feira, remetida para mais tarde ou os juízes poderão marcar uma nova audiência para escutar mais argumentos. 

Se o pedido for recusado, estarão esgotadas todas as vias legais no sistema judicial britânico e Assange será extraditado para os Estados Unidos da América (EUA), ou então poderá recorrer ao Tribunal Europeu dos Direitos Humanos.

O australiano de 53 anos é acusado pelas autoridades norte-americanas de ter publicado mais de 700 mil documentos confidenciais sobre as atividades militares e diplomáticas dos EUA, nomeadamente no Iraque e no Afeganistão, a partir de 2010.

Detido pela polícia britânica em 2019, depois de sete anos asilado na embaixada do Equador em Londres para evitar a extradição para a Suécia por acusações de agressão sexual, está encarcerado há cinco anos na prisão de alta segurança de Belmarsh, no leste de Londres.

O Governo britânico aprovou a extradição em junho de 2022, mas Julian Assange recorreu.

Caso a extradição se confirme, Assange está sujeito a um máximo de 175 anos de prisão nos EUA.

Além de uma sentença longa, organizações como a Repórteres Sem Fronteiras (RSF), a Amnistia Internacional e a ONU manifestaram preocupações com as condições em que Assange poderá ficar detido nos EUA devido ao seu estado de saúde, classificado como frágil. 

Na semana passada, o parlamento australiano aprovou uma moção que apela ao fim do processo para que Assange possa regressar ao seu país de origem.

O primeiro-ministro australiano, Anthony Albanese, tem feito diligências junto das autoridades norte-americanas para que o caso seja encerrado, levando Stella Assange, advogada e mulher do ativista, a defender uma "solução política” para o caso.

Inforpress/Lusa

Fim

Notícias Recentes


14-06-2024 10:01
14-06-2024 9:54
14-06-2024 9:45
14-06-2024 0:17
14-06-2024 1:25