Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Voos anunciados pelo primeiro-ministro dependerão da rentabilidade da rota  – ex-CEO da Cabo Verde Airlines (c/áudio)

Cidade da Praia, 02 Mar (Inforpress) – O ex-CEO da Cabo Verde Airlines, Mário Chaves, afirmou sexta-feira que a possibilidade dos voos anunciados pelo primeiro-ministro de se concretizarem dependerá da rentabilidade da rota.

Mário Chaves deu essa garantia à imprensa, quando convidado pelos jornalistas para falar sobre as declarações do primeiro-ministro, após o acto de assinatura do contracto de privatização da Transportadora Aérea Cabo-verdiana (TACV), quanto à possibilidade de realização de voos Praia/Lisboa; Praia/Boston e São Vicente/Lisboa.

“O primeiro-ministro falou da rentabilidade das rotas, são estudos que se tem de fazer e depois disso a avaliação será feita na questão económica e rentabilidade e se houver viabilidade irão se concretizar”, disse.

Questionado se a Cabo Verde Airlines está interessada no mercado inter-ilhas, de forma a fazer interligação dos passageiros entre as ilhas, Mário Chaves avançou que o foco da empresa é o hub, não só externo como interno.

No que tange às rotas planeadas para o ano 2019, além dos já existentes, o presidente executivo da Cabo Verde Airlines informou que estão previstos mais destinos, sendo que um  para os Estados Unidos, dois para Europa e mais dois para África.

Segundo Mário Chaves, dentro de dois messe todo o processo de privatização vai ser concluído,  destacando que “é obvio que a maior parte dos funcionários quer ir para Sal”,  já que o hub é nesta ilha.

Quanto aos aviões previstos para completar os já existentes, informou que vai chegar mais um nos próximos meses e que a empresa perspectiva  quatro aviões até ao final do ano. A intenção, confirmou, é ter mais 12 aviões nos próximos cinco anos.

Loftleidir  Cabo Verde é uma empresa detida em 70% pela Loftleidir Icelandic EHF e em 30% por empresários islandeses com experiência no sector da aviação.

PC/JMV

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos