VBG: Primeira-dama reconhece dificuldades ao nível da denúncia em Cabo Verde

Cidade da Praia, 11 Mar (Inforpress) – A primeira-dama, Débora Katisa Carvalho, reconheceu hoje que há no País dificuldades para que as mulheres denunciem situações de violência baseada no género (VBG), defendendo a necessidade de se empoderar as mulheres para perceberem este flagelo e denunciar.

Débora Katisa Carvalho fez estas declarações à imprensa à margem de sua participação numa conversa aberta na Escola Secundária de Calabaceira, Cidade da Praia, subordinada ao tema “Mulher e a Preservação do Ambiente”, com alunos daquele estabelecimento de ensino.

“Nós temos uma dificuldade a nível das mulheres que é a denúncia”, disse a primeira-dama, afirmando que entre o primeiro acto de violência e a denúncia ou procura da ajuda tem havido um espaço temporal considerável.

“Precisamos empoderar as mulheres e como a Miriam Medina diz no seu livro sobre a violência no namoro: se é dor, não é amor. Então precisamos empoderar as mulheres, as adolescentes para perceberem claramente os sinais de violência e pedirem ajuda”, defendeu.

Ainda nas suas declarações, Débora Katisa Carvalho ressaltou que apenas 40% das mulheres que sofrem violência é que pedem apoio especializado, por isso defendeu que é preciso mostrar às mulheres que o amor não se coaduna com violência física, nem verbal, emocional ou psicológica.

“Congratulamos com as medidas legislativas, com as detenções. Isso quer dizer que as instituições estão a funcionar, mas é preciso também que as mulheres que são vítimas, as próprias famílias colaborem com as instituições, com as autoridades no sentido de denunciarem e procurarem ajuda, sobretudo isso”, finalizou.        

CC/GSF//ZS

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos