Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Vacina protegeu contra a malária 650.000 crianças no Gana, Quénia e Maláui

Lisboa, 20 Abr (Inforpress) – Mais de 650.000 crianças no Gana, Quénia e Maláui estão hoje mais protegidas contra a malária após receberem a primeira vacina contra a malária no mundo, administrada nos últimos dois anos através de um programa piloto, segundo a OMS.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o projecto piloto permitiu a administração de mais de 1,7 milhões de doses desta vacina (RTS,S).

“O número de crianças atingido neste período relativamente curto indica uma forte procura comunitária da vacina, bem como a capacidade dos programas de imunização infantil dos países para fornecer a vacina segundo um novo calendário (quatro doses até aos cerca de 02 anos) ”, refere a organização, em comunicado.

Segundo a OMS, a protecção proporcionada pela vacina RTS,S contra a malária, quando adicionada às intervenções de controlo da malária actualmente recomendadas, têm o potencial de salvar dezenas de milhares de vidas por ano.

“O Gana, o Quénia e o Maláui mostram que as plataformas de vacinação infantil existentes podem efectivamente fazer chegar a vacina contra a malária às crianças, algumas das quais sem acesso a um mosquiteiro tratado com insecticida, ou outras medidas de prevenção da malária”, afirmou Kate O’Brien, directora do Departamento de Imunização, Vacinas e Biológicos da OMS.

E sublinhou: “Esta vacina pode ser a chave para tornar a prevenção da malária mais equitativa e para salvar mais vidas”.

Pedro Alonso, director do Programa Global da OMS contra a Malária, sublinhou os “resultados notáveis” obtidos nas últimas duas décadas “com os instrumentos de controlo da malária existentes, evitando mais de sete milhões de mortes e 1,5 mil milhões de casos da doença”.

Contudo, alertou: “Os alvos-chave para o progresso da nossa estratégia global contra a malária continuam de fora. Para voltar ao bom caminho, são urgentemente necessários novos instrumentos – e as vacinas contra o paludismo devem ser uma componente essencial do conjunto global de instrumentos”.

Os conhecimentos obtidos através da implementação do projecto-piloto levarão a uma recomendação da OMS sobre uma utilização mais ampla da vacina em toda a África Subsaariana.

É esperada uma reunião, no próximo mês de Outubro, entre os órgãos consultivos mundiais para a imunização e a malária para uma revisão dos dados da RTS,S e a avaliação sobre se deve ser recomendada uma utilização mais ampla da vacina.

“De certa forma, a malária é a emergência de saúde infantil de uma vida – ou de muitas vidas – em África. Aplaudimos o trabalho dos países participantes no projecto piloto que resultou numa forte cobertura vacinal que irá aumentar a nossa compreensão do potencial da vacina RTS,S para melhorar a saúde infantil, reforçar o controlo da malária e, potencialmente, inverter tendências”, disse o chefe da equipa para Doenças Tropicais e Vectoriais da OMS para a Região Africana da OMS, Akpaka Kalu.

O mais recente relatório mundial sobre a malária revelou que em 2019 se tenham registado 229 milhões de episódios de malária e 400.000 mortes por esta doença.

Mais de 90% destas mortes ocorrem em África e a maioria – mais de 265.000 – em crianças pequenas.

A RTS,S é a primeira e única vacina que demonstrou reduzir a malária em crianças, incluindo a malária grave com risco de vida, internamentos hospitalares relacionados e a necessidade de transfusões de sangue.

Inforpress/Lusa

Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos