Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

UNTC-CS exige do Governo respeito no cumprimento do regulamento do Conselho da Concertação Social (c/áudio)

Cidade da Praia, 11 Mar (Inforpress) – A secretária-geral do UNTC-CS exigiu hoje ao Governo uma “melhor gestão do tempo e respeito” no cumprimento do regulamento da Concertação Social, estranhando que não haja ainda explicação da não convocatória da reunião com as centrais sindicais.

Joaquina Almeida fez estas declarações à imprensa durante uma conferência de imprensa realizada na cidade da Praia, tendo afirmado que o Conselho de Concertação Social, enquanto órgão tripartido, deve reunir-se ordinariamente no 1º trimestre entre 1 de Fevereiro e 15 de Março e no 4º trimestre entre 1 de Outubro e 15 de Novembro de cada ano, conforme reza o regulamento.

“Já vamos a 11 de Março e o Governo ainda não marcou a reunião quando o regulamento prevê que a convocatória deve ser enviada aos parceiros sociais com uma antecedência mínima de 15 dias. Exigimos o respeito pelo regulamento e uma melhor gestão do tempo de forma a cumprir com o estabelecido”, declarou a líder da União Nacional dos Trabalhadores de Cabo Verde – Central Sindical (UNTC-CS).

Segundo a sindicalista, há “assuntos importantes” a tratar no Concelho da Concertação Social, indicando a questão do aumento salarial de 2,2% concedida aos trabalhadores da função pública em regime de emprego e de carreira como um dos assuntos que “não pode esperar”.

A UNTC-CS, lembrou Joaquina Almeida, aquando do anúncio do Governo do aumento salarial de 2,2%, não aceitou esse aumento por entender que o valor não repõe o poder de compra dos trabalhadores da função pública, frisando que nem todos tiveram direito a esse aumento.

“Temos que chamar o Governo porque ao anunciar este aumento assumiu que esses trabalhadores teriam direito, mas até ao momento alguns trabalhadores, os contratados da função pública, uns já na idade de reforma com mais de 20 anos de serviço, não tiveram direito a esses 2,2% “, revelou, realçando, por outro lado, que o Governo tem que explicar aos parceiros o que é que se está a passar.

Para a líder sindical, o local apropriado para debater o assunto é a sede da concertação social, um órgão “muito importante” onde os parceiros, dentro do prazo regulamentado, têm assento para discutir as grandes questões do país.

CM/AA

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos