UNICEF defende os direitos fundamentais e o desenvolvimento pleno de todas as crianças (c/vídeo)

Cidade da Praia, 01 Jun. (Inforpress) – O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) compromete-se redobrar os esforços na implementação da Agenda 2030 e das agendas nacionais, visando garantir que os direitos fundamentais e o desenvolvimento pleno de todas as crianças cabo-verdianas sejam assegurados.

O UNICEF, na sua mensagem por ocasião da celebração do Dia Internacional da Criança, enviada a Inforpress, promete trabalhar em conjunto com os parceiros nacionais, ciente que “uma sociedade que se preocupa com a felicidade das suas crianças é uma sociedade que prepara o futuro com adultos capazes de praticar a paz, a solidariedade e a igualdade.

“Por isso, prometemos trabalhar todos juntos para que sejam muito felizes e que tenham as melhores oportunidades para desenvolver as vossas capacidades de realizar os vossos sonhos”, lê-se no documento.

“Enquanto exista uma criança fora da escola, uma criança negligenciada, uma criança vítima de abusos sexuais, uma criança sem acesso a um serviço básico de saúde, uma criança com acesso desigual às oportunidades de educação ou uma criança vivendo na pobreza, significa que não acabamos o nosso trabalho”, adianta o documento.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância admite que mundo passa por momentos difíceis, causados pela pandemia do novo coronavírus, com uma grave crise sanitária, mas também humanitária e de desenvolvimento, e que ameaça agora deixar cicatrizes socioeconómicas profundas nos anos que se seguem, particularmente em países mais fragilizados pela pobreza e inúmeras vulnerabilidades.

Apesar de s crianças não serem dos grupos etários mais directamente afectados pela covid-19, o UNICEF entende que elas estão, no entanto, no centro das sua preocupações, pela sua vulnerabilidade crescente em face dos impactos causados por esta pandemia.

“Estão em causa os ganhos globais no desenvolvimento até agora alcançados para as crianças em todo o mundo. A degradação das condições socioeconómicas traz consigo o acentuar da pobreza, das vulnerabilidades e das desigualdades sociais, com efeitos prejudiciais na saúde, educação, direitos e protecção das crianças de todo o mundo, aclarou.

Para o UNICEF, estes riscos representam um “desafio enorme” ao princípio dos ODS, de não deixar ninguém para trás, mas constitui também uma oportunidade de firmar um compromisso de uma solidariedade internacional sem precedentes para a promoção de transformações com impacto real na vida e no futuro das crianças.

SR/JMV

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos