Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

União Africana condena escalada de violência e pede restauração urgente da ordem

Adis Abeba, 14 Jul (Inforpress) – A União Africana (UA) condenou hoje a “escalada de violência” na África do Sul, que já provocou pelo menos 72 mortos, e apelou a uma “restauração urgente da ordem, paz e estabilidade” no país.

Se as autoridades não conseguirem controlar a violência, haverá “graves impactos não só no país, mas em toda a região”, advertiu Moussa Faki Mahamat, presidente da Comissão da UA, numa declaração na terça-feira à noite.

Na mensagem, o responsável descreveu como “terríveis” as “cenas de pilhagem da propriedade pública e privada” e a “destruição de infra-estruturas” e lamentou a suspensão de serviços essenciais nas regiões afectadas pela violência.

Nos últimos dias, outras organizações internacionais e humanitárias também manifestaram preocupação com a situação na África do Sul, como a Amnistia Internacional e a Save The Children.

“Embora a ONU reconheça o direito de todos os sul-africanos a uma manifestação pacífica, tal como consagrado na Constituição, isto deve ser exercido de forma responsável”, disse também numa declaração divulgada na terça-feira o gabinete de representação das Nações Unidas em Pretória.

A África do Sul vive uma onda de violentos tumultos e pilhagens que começou na sexta-feira passada, inicialmente como protestos contra a prisão do controverso ex-Presidente Jacob Zuma (2009-2018) por desrespeito ao Tribunal Constitucional, ao recusar-se repetidamente a testemunhar por corrupção.

Durante o fim de semana, a situação degenerou numa onda de saques e vandalismo indiscriminado, de uma magnitude que o presidente do país, Cyril Ramaphosa, comparou com a transição que a África do Sul viveu no início dos anos 1990, após o fim do sistema segregacionista do “apartheid”.

De acordo com os últimos dados divulgados pela polícia sul-africana, o número de mortos ascende agora a 72, com 45 mortos em Gauteng (centro) e 27 em KwaZulu-Natal (leste), que são as duas províncias mais afectadas pela violência.

A polícia deteve mais de 1.200 pessoas e os tumultos alastraram-se na noite de terça-feira às províncias do Cabo do Norte e Mpumalanga, que faz fronteira com Moçambique, e Essuatíni (antiga Suazilândia), avançou o portal sul-africano News24.

Inforpress/Lusa

Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos