Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Uni-CV forma enfermeiros com capacidade para trabalhar no país e no exterior, coordenadora

Cidade da Praia, 14 Mai (Inforpress) – A Universidade de Cabo Verde tem inscrito no curso de enfermagem, na academia da Cidade da Praia, cerca de 120 alunos que são formados para servir no país e no exterior, “visto que se trata de uma profissão promissora”.

A afirmação é da coordenadora do Grupo Disciplinar de Enfermagem, Deisa Semedo, em declarações à Inforpress, no âmbito da VI Jornada Académica de Enfermagem, realizado hoje na Uni-CV para assinalar o Dia Internacional do Enfermeiro, que foi celebrado no dia 12.

Deisa Semedo, que classifica o profissional de enfermagem como alguém responsável pela promoção da saúde, prevenção de doenças e cuidados com os pacientes, sublinha ainda que estes devem ser encarregados de planear, organizar e executar a assistência hospitalar.

Por isso, ao ser interpelada sobre a tão falada humanização na profissão, a coordenadora do Grupo Disciplinar de Enfermagem na Uni-CV defende que ao se falar de humanização é preciso reflectir, visto que “é dizer humanos para cuidar de humanos”.

“Supostamente pensamos que não era necessário pedir isso, mas foi preciso implementar essa necessidade de falar de cuidados humanizados. A primeira bandeira que o curso levanta é a qualidade pelo que na construção do curso começamos por seleccionar até na entrada como na saída”, disse.

Cabo Verde, advogou, precisa de uma adaptação de uma resposta diferente e que responde pela insularidade do país, pelo tipo de população existente e de doenças que afectam o arquipélago.

Na sua declaração, Deisa Semedo ressaltou que a universidade tenta formar sempre os melhores, e advertiu que a profissão não passa apenas pelo conhecimento científico já que é necessário se colocar nela os saberes como o saber ser e estar, e que engloba a humanização dos cuidados.

“Tudo isso é incutido nos profissionais que formamos”, ajuntou.

Já no que tange à formação em excedente, a coordenadora do Grupo Disciplinar de Enfermagem da Uni-CV admitiu que pelo facto de Cabo Verde ser um país pequeno o mercado começou a ficar saturado.

“O nosso enfoque, de momento, é formar profissionais que possam trabalhar em qualquer parte do mundo, e isso pode ser uma saída para muitos. Nós tentamos adaptar no nosso curso as ‘guidelines’ internacionais para que tenham reconhecimento lá fora”, realçou.

Na sua explicação, salientou ainda que a Uni-CV na sua oferta está a projectar uma outra fase com a coordenação de enfermagem que visa apostar nas pós-graduações, mestrados e doutoramento.

“Depois de dez anos de curso devemos reflectir e saber que caminhos seguir a partir de agora”, acrescentou.

O conhecimento científico, segundo os promotores da jornada, tem vindo a revelar-se, cada vez mais, como uma via para a resolução de problemas, sobretudo, se divulgado.

Imbuído deste espírito o grupo disciplinar de Enfermagem da Universidade de Cabo Verde organiza todos os anos Jornadas Académicas de Enfermagem da Uni-CV, com vista a divulgar os trabalhos realizados pelos estudantes e disseminar conhecimentos.

Assim, no âmbito dessas comemorações a Universidade de Cabo Verde realizou, hoje as VI Jornadas Académicas de Enfermagem no auditório do Campus do Palmarejo e as IV Jornadas Académicas de Enfermagem no Campus da Faculdade de Engenharias e Ciências do Mar no Mindelo sob o lema “Enfermeiros: uma voz para liderar – Saúde para Todos”.

PC/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos