Uni-CV arranca ano lectivo 2017/18 com anúncio de candidatura da reitora à sua própria sucessão

 

Cidade da Praia, 03 Out (Inforpress) – A reitora da Universidade de Cabo Verde (Uni-CV), Judite Nascimento anunciou hoje a candidatura à sua própria sucessão, nas eleições de Janeiro de 2018, no dia em que a instituição fez a abertura oficial do ano lectivo 2017/18.

Judite Nascimento anunciou a sua recandidatura no seu discurso de abertura do evento que serviu também de recepção aos novos estudantes no campus do Palmarejo, Cidade da Praia, em presença da ministra da Educação, Maritza Rosabal.

“Serei candidata à minha própria sucessão, com certeza, porque tivemos quatro anos de trabalho muito intenso, transformamos esta universidade naquilo que é hoje em termos de melhoria do processo e a imagem da instituição é visível, e a própria expansão da universidade”, disse, complementando depois em declarações à imprensa, acreditar que a comunidade académica saberá avaliar o trabalho feito durante o seu mandato.

Quanto ao ano lectivo 2017/18, a reitora sublinhou que há estratégias que terão “grande impacto”, nomeadamente a criação da Faculdade de Educação e Desporto que irá herdar todo o património do Instituto Universitário de Educação (IUE).

Por sua vez, o presidente da Associação Académica, Edson Gomes, apontou como desafio a ultrapassar, as dificuldades no pagamento de propinas por parte de muitos alunos e a falta de manuais e outros materiais escolares, que vão ser exigidos junto da universidade.

“O nosso maior desafio é tentar ultrapassar os constrangimentos do processo de transição, porque é complicado sair do ensino secundário e entrar no ensino superior, já que não há um plano de transição, o que torna cada vez mais difícil a integração dos novos estudantes”, considerou.

Por sua vez, em declarações à imprensa à margem do evento, a ministra da Educação, Maritza Rosabal apontou aquilo que considerou serem os elementos que vão imprimir “qualidade” no ensino superior neste ano lectivo, como é o caso da nova lei de base para a subsidiação do ensino superior, que está em elaboração, e a aposta em programas de investigação científica.

“Em Fevereiro vai ser lançada a agenda de pesquisa, construída consensualmente, mas também vão sair os editais para frequência do mestrado e doutoramento, como forma de aumentar a qualidade, assim como a questão da mobilidade de docentes com universidades de referência a nível mundial”, disse.

DR/FP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos