Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Um atum foi vendido por mais de 128 mil euros no primeiro leilão anual de Tóquio

Tóquio, 05 Jan 2022 (Inforpress) – Um atum foi leiloado hoje por 16,88 milhões de ienes (128.879 euros) no mercado de Toyosu no tradicional primeiro leilão do ano no mercado de peixe e marisco de Tóquio.

Ainda que elevado, o preço caiu pelo terceiro ano consecutivo devido à pandemia.

O preço mais elevado pago em 2022 foi para um atum rabilho de 211 quilos (610 euros por quilo) capturado na aldeia de Oma, na costa de Aomori (norte), que foi comprado numa oferta conjunta pelo grossista Yamayuki e o grupo Onodera, proprietário de uma cadeia de restaurantes de sushi com uma estrela Michelin.

Às cinco horas da manhã em Tóquio, o sino tocou para iniciar a intensa licitação para o melhor atum fresco e congelado capturado no Japão e noutras partes do mundo. No início do dia, os participantes rezaram por um ano próspero.

Como medida de precaução contra a pandemia, o número de participantes no leilão foi limitado pelo segundo ano consecutivo.

Foi o quarto leilão nas instalações da Toyosu, depois do popular mercado, o maior mercado de peixe do mundo, ter sido relocalizado em 2018 da sua antiga localização central em Tsukiji, após um processo controverso que levou 17 anos.

O primeiro leilão do ano costuma atingir preços extremamente elevados em Tóquio, onde um quilo de atum atinge normalmente um máximo de 70-80 euros. O preço recorde foi estabelecido em 2019.

Nessa ocasião, e como tem sido o caso desde 2011, a popular cadeia de restaurantes Sushi Zanmai pagou 333,6 milhões de ienes (cerca de 2,6 milhões de euros), o preço mais alto por um atum rabilho desde o início dos registos em 1999.

Participar no leilão de atum é uma das atracções turísticas em Tóquio, mas desde a abertura das novas instalações e a chegada da pandemia, as visitas têm sido raras.

Inforpress/Lusa

Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos