Ulisses Correia e Silva diz ter medidas em curso para melhoria do ambiente de negócios  

Cidade da Praia, 15 Nov (Inforpress) – O primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, garantiu que o Governo   tem em curso um conjunto de medidas que no próximo ano vão reflectir na melhoria do ambiente de negócios e  na posição de Cabo Verde no “Doing Business”.

O projecto “Doing Business” elabora relatórios e índices sobre a facilidade de prosseguir negócios em diversos países, isto é, a medida em que a regulação promove o desenvolvimento de negócios.

O anúncio foi feito em declarações à imprensa após presidir o acto de inauguração da XXI edição da Feira Internacional de Cabo Verde (FIC), que arrancou esta quarta-feira e cujo término está aprazado paradomingo, 18.

“Nós temos um conjunto de medidas em curso de melhoria das condições de funcionamento da administração, da informatização   e de integração de serviços,    através da Casa do Cidadão,    que vão ter o impacto não só na resolução do tempo, mas também no custo das operações que tem a ver com as empresas”, informou.

Ulisses Correia e Silva adiantou que também estão em curso reformas legislativas que vão reflectir nessa mudança de ambiente de negócio, num período que está estabelecido.

“O objectivo é até 2026 colocarmos Cabo Verde no top 50 dos países que podem fazer negócios   com facilidade”, disse   o primeiro-ministro.

Avançou ainda que a ideia passa também por transformar o país numa plataforma internacional de negócios, uma vez que se trata da funcionalidade de Cabo Verde, devido à sua localização e os factores da sua competitividade, que exigem ter acessos ao mercado externo.

É neste sentido, segundo Ulisses Correia e Silva, que foi desenvolvido o conceito de plataforma aérea, com o hub da Ilha do Sal, a Economia Marítima, em São Vicente, bem como a captação de investimentos industriais.

“Vamos criando as condições para que possamos diversificar mais a economia que não esteja dependente do turismo, que seja um turismo que contemple todas as vocações e especialidade de cada uma das ilhas”, indicou o chefe do Governo.

Ulisses Correia e Silva disse ainda que “num futuro próximo” a FIC vai ser realizada no Centro Internacional de Convenções de Cabo Verde, cuja construção já tem a garantia de financiamento do governo chinês.

Nesta XXI edição da FIC estão expostos 220 stands de serviços e produtos de 130 empresas.

Para além das empresas cabo-verdianas, participam na feira empresas portuguesas, da Espanha e do Brasil.

E por ser uma edição dedicada à Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), a feira conta com a participação e a presença de todos os países da Comunidade.

A organização da FIC estima receber uma média diária de 2.500 pessoas, totalizando 12.500 visitantes durante os cinco dias do evento, que culminarão com a gala onde serão entregues, pela primeira vez, os prémios de melhor stand e melhor design.

OM/AA
Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos