Ulisses Correia define “desenvolvimento sustentável” como meta para Cabo Verde

Cidade da Praia, 16 Set (Inforpress) – O primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, disse hoje, na Cidade da Praia, que “não satisfaz” ter Cabo Verde como país de desenvolvimento médio e defendeu, na mesma linha, uma transição para o desenvolvimento sustentável.

“Nós saímos de país muito pobre para país menos avançado. Conseguimos a transição do país de rendimento médio, mas país de rendimento médio não é estação para ficar. Não queremos permanecer mais 10, 20 ou 50 anos em país de rendimento médio e ainda por cima em condições de condicionalidade de financiamentos mais gravosas”, afirmou.

Ulisses Correia discursava no acto de inauguração do escritório do Banco Mundial em Cabo Verde, sito no edifício das Nações Unidas, em Achada de Santo António, na Cidade da Praia.

A meta que o governo quer traçar com toda a comunidade internacional é, conforme Ulisses Correia, atingir o desenvolvimento sustentável.

“Não nos satisfaz ficar em país de rendimento médio e a transição que deve ser feita deve ser transição para o desenvolvimento sustentável e não para uma fase que ficando lá poderemos ter problemas de sustentabilidade”, acrescentou.

O primeiro-ministro disse ainda que o governo está “sintonizado” com o apoio do Banco Mundial para poder levantar e “continuar a fazer um bom voo”. Augurou ainda o governante que haja, cada vez mais, “boas parcerias”.

“Cabo Verde, garanto que cumpre e cumpre nas relações de confiança com os investidores com os nossos parceiros e cumpre com aquilo que é a nossa responsabilidade: dar a essa geração a esperança de um país muito melhor”, prosseguiu Ulisses Correia, defendendo que “a dor de cabeça que cada geração vai ter não deve passa-la para as próximas gerações”.

Ainda no seu discurso, Ulisses Correia assinalou o simbolismo da abertura da representação permanente do Banco Mundial em Cabo Verde. Conforme disse, “muito mais do que aspecto físico da instalação é uma relação de muita confiança”.

“Termos, nesse momento, o Banco Mundial, representado de uma forma permanente, criando condições de maior proximidade, maior conhecimento da realidade do país, maior comprometimento não só com o governo, mas com as organizações da sociedade civil, as empresas, as instituições. Para nós, de facto, é um sinal muito forte de que estamos juntos e cada vez mais fortes”, asseverou.

Conforme ressaltou o primeiro-ministro, o governo está “satisfeito” com a” boa parceria” com o Banco Mundial, que já vem de várias décadas, atravessando vários governos, “mas que demonstra ser, de facto, um comprometimento forte do Banco com o desenvolvimento de Cabo Verde”.

GSF/JMV

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos