Ucrânia: Von der Leyen garante que UE “está preparada” para corte de gás russo

Bruxelas, 27 Abr (Inforpress) – A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, garantiu hoje que a União Europeia (UE) “está preparada” para o corte de gás russo, após o grupo Gazprom ter anunciado a suspensão do fornecimento à Bulgária e Polónia.

“O anúncio pela Gazprom de que está a suspender unilateralmente a entrega de gás a clientes na Europa é mais uma tentativa da Rússia de utilizar o gás como instrumento de chantagem. Isto é injustificado e inaceitável e mostra mais uma vez a falta de fiabilidade da Rússia como fornecedor de gás, [mas] estamos preparados para este cenário”, reagiu Ursula von der Leyen.

Numa declaração hoje divulgada, horas após o anúncio da Gazprom, Ursula von der Leyen assegurou estar “em estreito contacto com todos os Estados-membros”.

“Temos trabalhado para assegurar entregas alternativas e os melhores níveis de armazenamento possíveis em toda a UE. Os Estados-membros estabeleceram planos de contingência para esse cenário e trabalhámos com eles em coordenação e solidariedade”, precisou.

E, de acordo com a líder do executivo comunitário, “uma reunião do grupo de coordenação do gás está a ter lugar neste momento”.

“Estamos a traçar a nossa resposta coordenada da UE. Continuaremos também a trabalhar com parceiros internacionais para assegurar fluxos alternativos e continuarei a trabalhar com os líderes europeus e mundiais para garantir a segurança do aprovisionamento energético na Europa”, adiantou Ursula von der Leyen, prometendo aos europeus que “podem confiar” no “total apoio” e na “plena solidariedade” no espaço comunitário.

O grupo russo Gazprom anunciou hoje que suspendeu todas as suas entregas de gás à Bulgária e à Polónia, dois países membros da União Europeia por não terem feito o pagamento em rublos.

Em comunicado, a Gazprom disse que notificou a empresa búlgara Bulgargaz e a empresa polaca PGNiG da “suspensão das entregas de gás a partir de 27 de Abril e até que o pagamento seja feito em rublos”.

A petrolífera estatal russa Gazprom já tinha avançado com a suspensão do fornecimento de gás à Bulgária a partir de hoje, no mesmo dia em que o primeiro-ministro búlgaro tem previsto um encontro com o Presidente da Ucrânia, em Kiev.

A Bulgária juntou-se assim à Polónia, que também tinha anunciado que a Rússia iria interromper o fornecimento de gás a partir de hoje perante a recusa em fazer os pagamentos em rublos, como exige a administração da Gazprom, controlada por Moscovo.

Em entrevista à agência Lusa, em Bruxelas, a presidente do Parlamento Europeu, Roberta Metsola, defende um “embargo total” pela UE ao petróleo, gás e carvão russos, devido à guerra na Ucrânia, considerando que o apoio europeu a Kiev “ainda não é suficiente”.

Prestes a completar 100 dias no cargo, a presidente do Parlamento Europeu salienta à Lusa que “a democracia não tem preço”, criticando que a UE tenha “ignorado todos os sinais” e se tenha tornado “demasiado dependente do Kremlin” devido à dependência energética europeia face aos fornecedores russos.

A Rússia lançou, na madrugada de 24 de Fevereiro, uma ofensiva militar na Ucrânia que já matou mais de dois mil civis, segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU), que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.

Inforpress/Lusa

Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos