Ucrânia: Fornecimento de energia totalmente cortado na central nuclear de Chernobyl

Kiev, 09 Mar (Inforpress) – O fornecimento de energia eléctrica para a central nuclear de Chernobyl e para os respectivos equipamentos de segurança foi “completamente” cortado devido às acções militares russas, anunciou hoje o distribuidor de energia ucraniano, a Ukrenergo.

A central de Chernobyl, que foi cenário do maior acidente nuclear da história, em 1986, “foi completamente desligada da rede eléctrica devido às acções militares do ocupante russo. O local não tem mais fornecimento de energia”, escreveu a empresa ucraniana na rede social Facebook.

Com a ofensiva russa em curso no território ucraniano, “não há possibilidade de restabelecer as linhas” de energia, declarou a operadora.

A central nuclear de Chernobyl, localizada numa zona de exclusão, inclui reactores desactivados e instalações de resíduos radioactivos.

A Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA – o organismo da ONU para as questões nucleares com sede em Viena – não reagiu, até ao momento, a esta informação.

Poucas horas antes, a organização tinha indicado que “a transmissão remota de dados dos sistemas de controlo” instalados no local “tinha sido cortada”.

A AEIA estava a referir-se às câmaras de vigilância e a outros equipamentos colocados no local no âmbito do seu programa de monitorização da natureza pacífica dos programas nucleares a nível mundial.

Mais de 200 técnicos e guardas estão retidos no local, estando a trabalhar há 13 dias consecutivos sob vigilância russa.

A AIEA pediu à Rússia que permita a rotatividade dos funcionários, argumentando que o descanso e os horários fixos são essenciais para a segurança do local.

“Estou profundamente preocupado com a situação difícil e de ‘stress’ em que se encontram os funcionários da central nuclear de Chernobyl e os riscos potenciais que isso acarreta para a segurança nuclear”, alertou o director-geral da AIEA, Rafael Grossi.

Grossi já se ofereceu por diversas vezes para visitar a Ucrânia e estabelecer uma estrutura que garanta a segurança das instalações nucleares durante o actual conflito.

A Rússia lançou na madrugada de 24 de Fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que, segundo os mais recentes dados da ONU, fez pelo menos 406 mortos e mais de 800 feridos entre a população civil e causou a fuga de mais de dois milhões de pessoas para os países vizinhos.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional que está a responder com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e financeiras a Moscovo.

O Presidente russo, Vladimir Putin, justificou a “operação militar especial” na Ucrânia com a necessidade de desmilitarizar o país vizinho, afirmando ser a única maneira de a Rússia se defender e garantindo que a ofensiva durará o tempo necessário.

Inforpress/Lusa

Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos