Ucrânia: Forças russas recuam para trás do rio Dnieper

Moscovo, 10 Nov (Inforpress) – O ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, ordenou na quarta-feira que as forças russas deixem a margem direita (oeste) do rio Dnieper e fortaleçam sua defesa contra as ofensivas ucranianas na margem esquerda.

Sergei Shoigu anunciou esta decisão após tomar nota das informações transmitidas por Sergei Surovikin, comandante das forças russas na Ucrânia, sobre o último desenvolvimento da operação militar especial, escreve a Xinhua.

“Após uma avaliação completa da situação actual, propõe-se montar uma defesa ao longo da margem esquerda do Dnieper”, disse Surovikin a Shoigu.

A maior parte da cidade de Kherson está localizada na margem direita do rio largo, e Surovikin descreveu a decisão de retirada como difícil, mas considerou que, acima de tudo, preservará as vidas e a capacidade de combate das forças russas.

Embora a defesa aérea russa tenha conseguido repelir o fogo de artilharia ucraniano em Kherson, até 20% dos foguetes ainda podem atingir seus alvos e a cidade e os assentamentos próximos não podem ser totalmente abastecidos, explicou.

Surovikin também expressou preocupação de que o bombardeio contínuo da Ucrânia à usina hidrelétrica de Kakhovka no Dnieper possa inundar uma grande área a jusante, causando pesadas baixas civis e isolando as forças russas na margem direita.

Shoigu exigiu que Surovikin tomasse todas as medidas para garantir a movimentação segura de pessoal, armamentos e equipamentos atrás do rio Dnieper.

Após a retirada, as forças russas poderão ser mobilizadas para realizar ofensivas em outras direções, ajuntou Surovikin.

Mais de 115.000 pessoas foram evacuadas da margem direita do rio na região de Kherson, acrescentou Surovykin, enfatizando que as perdas da Rússia na direcção de Kherson foram significativamente menores do que as da Ucrânia.

Entretanto, o conselheiro do presidente ucraniano, Mykhailo Podolyak, disse também na quarta-feira que Kiev não viu sinais de que as forças russas se retirassem da cidade de Kherson.

“Não vemos sinais de que a Rússia esteja deixando Kherson sem lutar”, escreveu Podolyak no twitter.

Parte do grupo militar russo é mantida na cidade e reservas adicionais são atribuídas à região de Kherson, disse Podolyak.

As forças russas assumiram o controle da prefeitura de Kherson no final de Abril.

Inforpress/Xinhua

Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos