Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

UCID diz que Governo está “sem norte” em matéria de transporte aéreo e que não acredita na privatização da TACV

Cidade da Praia, 04 Jul (Inforpress) – O presidente da UCID (oposição), António Monteiro, disse hoje na Cidade da Praia, que o Governo “está sem norte” em matéria de transporte aéreo e que a Cabo Verde Airlines não está em condições de ser privatizada.

António Monteiro, que falava em conferência de imprensa, realçou que os vários acontecimentos verificados recentemente, vêm trazer a nu, a “má estratégia” do actual Executivo em matéria de transportes aéreos em Cabo Verde.

O presidente da União Cabo-verdiana Independente e Democrática, diz não entender o facto de o Governo ter feito “festa rija” há cerca de um ano, aquando da assinatura do contrato de gestão da TACV (agora Cabo Verde Airlines) com a Icelandair, prometendo em pouco tempo no mínimo quatro aviões e onze Boing até 2021 para a companhia de bandeira cabo-verdiana e, no entanto, esta “não ter neste momento um único avião”.

“Só há um avião, um Boing 767 alugado a uma empresa europeia”, disse António Monteiro para quem isto demonstra que o governo “perdeu na sua euforia” ao “tentar animar a população que tinha os problemas resolvidos na TACV (…) e agora assistimos o cancelamento dos voos da TACV, lesando de uma forma categórica os passageiros, interesses e imagem do país”, acrescentou.

Monteiro, realçou ainda, que o término de voos directos dos TACV a partir da Praia e São Vicente tem dificultado “cada vez mais a vida dos viajantes em Cabo Verde e dos cabo-verdianos”.

Contudo, o líder da UCID diz que o seu partido quer saber se o processo da anunciada privatização da TACV está a correr bem, se a experiência da Icelandair foi bem conseguida e quais as razões que levaram os islandeses a abandonarem os TACV, “pelo menos em termo de aviões”.

“O resultado final da gestão dos TACV, quer no tempo do PAICV, com o arresto do Boing, quer agora no tempo do MpD, com a retirada dos aviões do Icelandair é a mesma coisa, porque os cabo-verdianos e os outros cidadãos foram fortemente incomodados e alguns com possibilidade de perder o trabalho”, acrescentou.

A UCID, segundo António Monteiro, entende que a TACV está num “manto acinzentado e que o governo não está a falar a verdade ao povo (…) com ameaças da privatização, quando nem sequer o documento da privatização ainda foi apresentado no Parlamento”.

Por isso, o presidente da UCID foi peremptório: Por aquilo que conhecemos “a TACV não está em condições de ser privatizada”.

GSF/FP

Inforpress/Fim

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos