Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Turquia adverte Grécia para não testar a sua paciência com provocações

Ancara, 08 Jan (Inforpress) – A Grécia deve-se abster de testar a paciência da Turquia com provocações, incluindo a ameaça de alargar as suas águas territoriais no Mar Egeu, advertiu hoje o ministro da Defesa turco, Hulusi Akar.

Falando para um grupo de jornalistas, Akar disse que a Turquia queria resolver disputas com a vizinha Grécia, membro da NATO (sigla em inglês da Organização do Tratado do Atlântico Norte), por via do diálogo e tornar o Mar Egeu no “mar da amizade”, mas acusou Atenas de pressionar com acções, incluindo a presença de militares nas ilhas próximas da Turquia, violando os acordos internacionais.

“Eles (a Grécia) não devem calcular mal e pensar que é o momento certo (para estender as águas territoriais para) 12 milhas”, disse Akar, acrescentando: “eles não nos devem testar de forma alguma e não devem embarcar em tal aventura. Espero que não cometam tal erro.”

Grécia e a Turquia estão há muito envolvidas numa série de disputas, incluindo sobre direitos territoriais no Mar Egeu e direitos de exploração de energia no Mediterrâneo oriental.

As tensões aumentaram no verão de 2020 em relação aos direitos de perfuração exploratória no Mediterrâneo, onde a Grécia e Chipre reivindicam ter a sua zona económica exclusiva.

A Grécia mantém ser seu direito estender as suas águas territoriais das actuais seis para as 12 milhas náuticas ao redor das suas ilhas do mar Egeu, o que foi votado este mês no parlamento.

Por seu turno, a Turquia defende que a medida – que bloquearia o seu próprio acesso ao Egeu – é motivo de guerra.

Atenas pediu recentemente à Turquia que revogue a decisão de considerar uma extensão das águas territoriais como causa de guerra, se quiser estabilizar os laços e instou Ancara a encerrar o que também chama de provocações no Egeu e no Mediterrâneo Oriental.

Em relação à NATO, aliança que a Turquia integra, o ministro da Defesa turco lamentou o que disse ser um embargo de armas “aberto ou encoberto” de alguns aliados a Ancara, considerando que se recusarem a vender armamento estão a “enfraquecer” a Aliança Atlântica.

Os Estados Unidos impuseram sanções a alguns oficiais turcos e expulsaram a Turquia do programa de caças F-35, liderado pelos EUA, depois de a Turquia ter comprado o avançado sistema de defesa antimísseis S-400 da Rússia, para garantir a segurança.

Em Abril, o Canadá cancelou as licenças de exportação de tecnologia de ‘drones’ (aviões não tripulados) para a Turquia, depois de ter descoberto que o equipamento havia sido usado pelo aliado da Turquia, o Azerbaijão, no conflito com as forças arménias em Nagorno Karabakh, cinco meses antes.

Já em 2019, o Canadá se tinha juntado a países como a França, Reino Unido e Alemanha na suspensão das exportações de armas, depois de Ancara ter lançado uma operação na Síria contra combatentes curdos.

Inforpress/Lusa

Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos