Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Turismo, sector financeiro, TIC e energia renovável são portadores do crescimento para a economia – ministro das Finanças

 

Cidade da Praia, 25 Out (Inforpress) – O turismo, o sector financeiro, a área das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC), a energia renovável, a economia do mar, a agroindústria, são sectores portadores do crescimento para economia cabo-verdiana, defendeu hoje o ministro das Finanças.

Olavo Correia, que falava à imprensa, no encontro de apresentação do Diagnóstico Sistemático do País (SCD), na Cidade da Praia, disse que a aposta nestas áreas “é fundamental” para o crescimento da economia cabo-verdiana.

“Hoje vamos fazer um exercício diagnóstico em relação a visão de Cabo Verde no futuro, enquanto país prestador de serviços especializados nos mais diversos domínios, em articulação com as autoridades nacionais, o sector privado, as organizações da sociedade civil e outros actores nacionais e parceiros, nomeadamente o Banco Mundial (BM), salientou.

Segundo o Ministro das Finanças, durante o encontro Cabo Verde vai partilhar a sua visão com base em evidências, uma avaliação sistemática de possíveis vias para o crescimento e para a redução da pobreza no país.

“Queremos saber onde estamos e para onde vamos e quais os constrangimentos que devem ser removidos para que o país possa crescer ao nível elevado e possamos combater a pobreza e garantir um crescimento inclusivo para todos os cabo-verdianos e todas as ilhas de Cabo Verde”, frisou Olavo Correia.

Na sua intervenção durante o encontro, o governante defendeu também a necessidade de Cabo Verde criar um ambiente de negócio para que as empresas possam expandir, inovar, criar emprego e gerar rendimentos.

Olavo Correia disse ainda que o apoio do BM “é essencial” no sentido de Cabo Verde melhorar o ambiente de negócio, garantir o acesso ao financiamento, unificar o mercado doméstico, garantir a ligação do país com o mundo e também qualificar os recursos humanos para prestarem serviços e competir a escala global.

“Temos que avançar com a reforma dos transportes aéreos e marítimos, dos portos e aeroportos, mas também ao nível da energia, água e saneamento. São sectores fundamentais para criarmos o ambiente de negócio”, afirmou o ministro.

Cabo Verde, segundo Olavo Correia, tem que encontrar as soluções para a implementação de um sistema de transportes “eficiente, a bom preço, competitivo, regular, seguro”, ligando as ilhas entre si e ao mundo.

“A reforma do modelo é imprescindível e estamos a trabalhar para que isso acontece. E, com isso, teremos as condições todas para que Cabo Verde consiga crescer a taxa 7% ao ano”, salientou.

O Systematic Country Diagnostic (SCD) é uma etapa do diálogo estratégico entre o Grupo Banco Mundial e seus clientes, sobre as áreas prioritárias para o engajamento do Banco, lê-se num documento do Ministério das Finanças.

O SCD avalia também os constrangimentos que impedem o progresso sustentável, priorizando a análise dessas restrições e as formas de debelá-las, o que constitui a base do programa do Banco Mundial, para Cabo Verde.

No seguimento destas análises, foi elaborada uma Nota Conceptual e, numa segunda etapa, pretende-se realizar consultas com diferentes atores e parceiros para dar continuidade ao diálogo e receber subsídios referentes às conclusões preliminares do estudo.

JL/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos