Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Tribunal decreta prisão preventiva e TIR para militares detidos durante assalto à residência na cidade da Praia

Cidade da Praia, 17 Ago (Inforpress) – O Tribunal da Praia decretou prisão preventiva para três dos quatro militares detidos na terça-feira a assaltar uma casa, a mulher suspeita de ajudar a orquestrar o assalto ficou também em prisão preventiva, informou fonte judicial.

Ainda de acordo com a mesma fonte, os três soldados vão aguardar pelo desenrolar do caso detidos na cadeia militar, enquanto o quarto vai aguardar o desenrolar do processo sob Termo de Identidade e Residência (TIR).

Uma mulher suspeita de ajudar os militares a entrar na residência foi também detida e aplicada prisão preventiva como medida de coação.

A Polícia Nacional (PN) em Santiago Sul deteve, terça-feira, 13, em flagrante delito, quatro indivíduos por assalto à mão armada a uma residência no bairro da Cidadela, cidade da Praia. Informações avançadas quarta-feira pela Inforpress, que cita fonte policial, dão conta que os assaltantes são quatro militares.

De acordo com informações avançadas pela Polícia Nacional, a quadrilha estava armada e encapuzada, tendo amarrado os donos da residência, com o objectivo de subtraírem os seus bens.

“No entanto, através de uma denúncia anónima, a Esquadra de Piquete foi alertada e agiu com extrema rapidez, tendo impedido que o assalto acontecesse”, referiu a força policial.

Na posse dos assaltantes, a Polícia Nacional apreendeu 1.259.540 escudos, 6.320 euros, jóias, telemóveis e computadores, 05 cordões de ouro, 01 anel de ouro aliança, 02 pares de brinco em ouro, 01 medalha em ouro, 03 frascos de perfume, 04 telemóveis, 01 computador portátil e 01 relógio doirado.

Igualmente foram apreendidos os objectos utilizados pela quadrilha durante o assalto, sendo 02 armas de fogo de fabrico artesanal, 01 munição de calibre 12mm, 02 punhais, 02 pares de luvas de cor preta, 03 carapuças, 01 frasco de gás pimenta e ainda, 12 embrulhos de estupefaciente “padjinha”.

Na quarta-feira, o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas (CEMFA) cabo-verdianas, Anildo Morais, disse que o caso “mancha a imagem” da instituição e vai ser instaurado um processo disciplinar aos militares.

Anildo Morais indicou que os assaltantes são soldados da última incorporação na tropa cabo-verdiana e que praticaram o crime no seu período de folga, mas não utilizaram qualquer material militar.

O CEMFA explicou ainda que os soldados serão julgados por um tribunal civil, porque não se trata de um crime militar.

GSF/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos