Três anos/Governo: Políticas implementadas têm contribuído para melhoria do ambiente de negócios no País – CCISS

Cidade da Praia 22 Abr (Inforpress) – O presidente da CCISS considerou hoje que as políticas implementadas pelo Governo têm contribuído para melhoria do ambiente de negócios em Cabo Verde, mas admite que “é preciso colocar o pé no acelerador” para consolidar os ganhos e projectos.

Jorge Spencer Lima, presidente da Câmara de Comércio, Indústria e Serviços de Sotavento (CCISS), falava em declarações à Inforpress no âmbito do balanço dos três anos de governação do Movimento para a Democracia (MpD), liderado por Ulisses Correia e Silva, tendo afirmado que apesar de alguns constrangimentos dá nota positiva ao mandato do referido Governo.

No seu entender, nos três anos de governação, o Governo do MpD, que chegou ao poder após 15 anos de oposição procurou basicamente tomar o pulso das coisas, ajuntando, neste sentido, que o mesmo “levou algum tempo para se adaptar à realidade e perceber os dossiers”.

“Dou nota positiva ao desempenho do Governo e nesses dois anos que faltam é preciso pôr o pé no acelerador porque as coisas estão indo muito lentamente e tem havido uma ansiedade por parte dos empresários em ver progredir as coisas. (…) Acho que o Governo já levou todo esse tempo para tomar pulso do sistema e se ainda não tomou não vai tomar mais”, declarou.

Entretanto, realçou que as políticas e medidas implementadas pelo Governo nesses três anos de mandato têm contribuído para a melhoria do ambiente de negócios em Cabo Verde, apontando, contudo, que a questão dos transportes marítimos e aéreos e o financiamento das empresas continuam a ser os principais problemas que afectam a classe empresarial.

“No domínio aéreo procurou-se uma solução que do nosso ponto de vista ainda não satisfaz aos cabo-verdianos e empresas, e está longe de ser a solução ideal na medida em que continuamos com problemas de ligação e preços extrema e exageradamente altos”, asseverou, realçando que esta medida tem diminuído a competitividade e dificultado a mobilidade das pessoas no território nacional.

No sector marítimo, prosseguiu, o Governo encontrou uma solução que deve estar na sua fase final de conclusão, mas que ainda é cedo para avaliar se a medida adoptada conseguirá efectivamente responder às necessidades dos cabo-verdianos.

Considerou, por outro lado, a questão do financiamento das empresas como um grande problema, isto porque, elucidou, o financiamento está “escasso” e “caro” e que as justificativas do Governo nesta matéria não correspondem à realidade, isso porque esta situação tem dificultado a consolidação e desenvolvimento das empresas.

“O Governo já lançou uma série de iniciativas que consideramos iniciativas positivas que pensamos que deverão ter efeitos positivos na economia e no financiamento das empresas”, indicou, afiançando, por outro lado que apesar disso, Cabo Verde está ainda longe da meta quando avaliada a situação do país no Doing Business.

O presidente da Câmara de Comércio, Indústria e Serviços de Sotavento admite, contudo, que nesses três anos de governação a relação entre o governo e o sector empresarial melhorou bastante, acrescentando que o executivo tem “tido ouvido” e estado atento às reclamações da classe empresarial no país.

“Temos participado na tomada de decisões que dizem respeito à classe empresarial e devo considerar que, de facto, este governo é amigo das empresas. Às vezes não faz porque não tem meios, mas pelo menos dialoga, ouve e não se fecha em gabinetes tomando decisões sobre a vida das empresas como aconteceu no passado”, disse, realçando que a CCISS apoia totalmente o Governo na criação do Fundo Soberano, por entender que esta iniciativa irá colmatar a questão do financiamento e consolidação das empresas.

Apontou ainda, que com o andar da governação da equipa que não tinha experiência com o poder tem-se verificado alguma melhoria muito tênue a nível da administração pública no que diz respeito ao funcionamento das empresas e do sector privado, defendendo, por outro lado, a necessidade de se promover e facilitar a integração de Cabo Verde na CEDEAO.

O Governo do Movimento para Democracia (MpD) que completa agora o terceiro ano de mandato, venceu as eleições legislativas de 20 de Março de 2016 com maioria absoluta, tendo tomado posse a 22 de Abril de 2016.

CM/FP

Inforpress/Fim

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos