Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Temer nega ter mandado investigar juiz do Supremo Tribunal Federal do Brasil

 

São Paulo, Brasil, 13 Jun (Inforpress) – O presidente do Brasil, Michel Temer, negou ter mandado investigar um juiz do Supremo Tribunal Federal (STF) e disse que não interfere no trabalho do poder judiciário do país.

“Eu não interfiro e nunca permitirei que haja a interferência de um poder no outro (…) Nas democracias modernas, nenhum poder impõe sua vontade sobre o outro”, afirmou o chefe de Estado num vídeo publicado nas redes sociais na noite de segunda-feira.

A afirmação do presidente surge em resposta a um artigo publicado pela revista brasileira Veja que citou uma fonte não identificada segundo a qual o Governo pediu que a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) procurasse informações contra o juiz Edson Fachin, do STF.

Edson Fachin foi o responsável pela autorização do início de uma investigação contra Michel Temer, após a revelação de uma gravação comprometedora contra ele entregue por executivos da empresa JBS.

Esta investigação visa apurar se Michel Temer aceitou suborno e foi cúmplice do crime de obstrução da Justiça, acusações que se forem comprovadas podem resultar num pedido de destituição.

Enquanto nega qualquer interferência no poder judiciário, o Presidente brasileiro ressaltou que o papel da Justiça é vigiar o país para que ele se mantenha no caminho da democracia.

Foi a primeira declaração de Michel Temer após o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) o absolver num processo contra a coligação que ele dividiu com a ex-presidente Dilma Rousseff

Ambos foram absolvidos no TSE da acusação de que haviam cometido os crimes de abuso de poder político e económico nas últimas presidenciais de 2014.

As declarações do Presidente brasileiro aconteceram no mesmo dia em que seu principal aliado político, o Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), anunciou que continuará a apoiar o seu Governo.

O PSDB tem quatro ministros no Governo, e disse que manterá seu apoio porque defende as reformas de austeridade implementadas para tentar tirar o Brasil de uma profunda crise económica.

Inforpress/Lusa

Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos