Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Taxa de variação homóloga do IPC de Junho foi superior ao de Maio em 1,4 pontos percentuais – INE

 

Cidade da Praia, 17 Jul (Inforpress) – A taxa de variação homóloga registada pelo Índice de Preços no Consumidor (IPC) passou de 0,3% em Maio para 1,7% em Junho, valor superior em 1,4 pontos percentuais (p.p), informou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

De acordo com os dados divulgados, o indicador de inflação subjacente, ou seja, o índice total excluindo energia e produtos alimentares não transformados, registou uma variação homóloga de 1,2%, taxa superior à do mês anterior em 0,4 p.p.

A taxa de variação homóloga do IPC, conforme a mesma fonte, reflecte, sobretudo, a aceleração dos preços das classes das rendas de habitação, água, electricidade, gás e outros combustíveis (+5,6%), do vestuário e calçado (+4,3%), da Saúde (+2,7%) e das bebidas alcoólicas e tabaco (+2,5%).

As classes dos bens e serviços diversos (+2,1%), do lazer, recreação e cultura (+2%) e do ensino (+1,9%) também registou a aceleração dos preços, enquanto a classe dos hotéis, restaurantes, cafés e similares (-0,1%) registou variação negativa, que foi “largamente suplantada” pelas contribuições positivas, resultando na variação homóloga positiva observada para o IPC total nacional.

Verificou-se que as classes das “rendas de habitação, água, electricidade, gás e outros combustíveis”, dos vestuários e calçado” e dos “produtos alimentares e bebidas não alcoólicas”, contribuíram com cerca de 75% para a formação da taxa de variação homóloga do IPC total nacional.

O mesmo documento mostra que a variação mensal do IPC foi 0,1% (0,2% no mês anterior e -1,3% em Junho de 2016), valor inferior ao registado no mês anterior em 0,1 p.p, sendo que a variação média dos últimos 12 meses registou uma taxa de -0,5%, valor superior em 0,4 p.p. à registada no mês anterior.

As classes que mais contribuíram, positivamente, para a taxa de variação mensal foram as das bebidas alcoólicas e tabaco (+0,4%), dos hotéis, restaurantes, cafés e similares (+0,4%), dos produtos alimentares e bebidas não alcoólicas (+0,3%), do lazer, recreação e cultura (+0,3%) e das rendas de habitação, água, electricidade, gás e outros combustíveis (+0,2%).

Esta contribuição foi data, ainda, pelas classes dos acessórios, equipamento doméstico e manutenção corrente da habitação (+0,2%) e dos bens e serviços diversos (+0,2%), mas por outro lado, as classes da saúde (-0,1%), do vestuário e calçado (-0,6%) e dos transportes (-0,9%), contribuíram com valores negativos “mais relevantes”.

Entretanto, as principais subidas de preços registadas pelo IPC foram na electricidade, produtos hortícolas, abastecimento de água, serviços desportivos e recreativos, enquanto as principais descidas de preços ocorreram nos combustíveis líquidos, combustíveis e lubrificantes, gás, aparelhos e materiais terapêuticos e sua reparação.

A nível regional, registaram-se variação mensal positiva em São Vicente (0,2%) e Santiago (0,2%), e negativa em Santo Antão (-0,2%), sendo que em relação à variação homóloga, o índice de Santo Antão e de São Vicente foram inferiores à média nacional em 0,6 e 0,3 p.p., respectivamente, enquanto em Santiago o valor registado foi superior à média nacional em 0,3 p.p.

Em relação aos “agregados especiais”, constatou-se que relativamente ao IPC dos bens, houve um acréscimo da taxa de variação homóloga, isto é, passou de 0,5% em Maio para 2,2% em Junho, o mesmo acontecer no indicador dos serviços, em que observou-se um acréscimo da taxa de variação homóloga que passou de 0,1% em Maio, para 0,3% em Junho.

DR/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos