Tarrafal/2º Mandato: PAICV e MIT rendem-se ao desenvolvimento e MpD fala em “expectativas defraudadas”

Tarrafal, 22 Nov (Inforpress) – O PAICV e MIT MpD renderam-se ao nível de desenvolvimento do Tarrafal e com o desempenho da equipa camarária volvidos dois anos da governação, mas o MpD dá nota negativa e diz que as “expectativas dos tararfalenses foram defraudadas”.

“A execução da câmara nos dois anos de mandato ficou muito aquém das expectativas e das promessas feitas durante a campanha eleitoral. Constatamos que a câmara já gastou mais de um bilhão de contos nos dois orçamentos aprovados, mas, as obras estruturantes que Tarrafal almeja e que prometeram ainda não foram executadas”, afirmou o líder da bancada do Movimento para a Democracia (MpD, oposição) na Assembleia Municipal do Tarrafal, Manuel Landim.

Para sustentar as suas afirmações, o líder da oposição lembrou que a equipa camarária liderada por José dos Reis prometera construir 20 casas e reabilitar mais 50, construir 200 casas de banho por ano, campos relvados, massificar ligação domiciliaria de água, rede de esgotos e electricidade, mas que hoje na prática constata-se que as acções da edilidade não estão alinhadas às das famílias e do Governo.

“Constatamos um conjunto de obras inacabadas, cuja qualidade é duvidosa, porque a câmara simplesmente não respeitou a lei da contratação pública para fazer aquelas obras e fê-las contratando militantes e pessoas amigas do PAICV”, criticou o eleito municipal.

Notou que além das “pequenas obras de arruamentos”, que foram feitas em parceria com o Governo no âmbito do PRRA (Programa de Requalificação, Reabilitação e Acessibilidades), além de inacabadas tem deixado dívidas para com as pessoas e com os próprios fornecedores.

Para reforçar que as “expectativas dos tarrafalense foram defraudadas”, informou que a autarquia continua a não pagar a cobertura do INPS dos funcionários, contratou mais de 200 pessoas militantes, tem beneficiado pequenos grupos ligados ao PAICV, não tem apoiado pessoas, sobretudo as mais vulneráveis e deixou de lado os projectos sociais da anterior equipa camarária, nomeadamente Casa Aldeias SOS, Loja Social, Centro “Graciosa” e Escola da Família.

Criticou ainda a falta de apoio para juventude, aumento de emolumentos, venda desenfreada de terrenos reservados a equipamentos sociais, notando que se não fosse a implementação de alguns programas sociais do Governo as famílias estariam em condições muito mais difíceis.

Por tudo isso, acrescentou que os tarrafalense precisam de obras estruturantes, mas, que, no entanto, PAICV ainda não conseguiu realizar este e outros sonhos dos tarrafalense.

Por seu turno, o líder da bancada do PAICV, Ronaldo Cardoso, rendeu-se ao desenvolvimento do município, que, segundo constatou, está num “bom caminho”.

“A alternância valeu muito a pena e esta sensação não é apenas da bancada do PAICV, mas, de todos os tarrafalenses. Tarrafal de hoje é diferente do de há 28 anos da governação do MpD”, observou o deputado municipal.

A actual equipa camarária, para o eleito municipal, em dois anos de gestão implementou 22 obras, sendo alguns entregues, outras em curso e em fase de conclusão, fez a distribuição de lotes de terrenos a 300 famílias em regime de aforamento, tem apoiado mulheres chefes-de-família com actividades geradoras de rendimento, e homens e mulheres do mar e do campo.

Acrescentou ainda que a edilidade tem ajudado as famílias a terem rendimentos para não ficarem dependentes das instituições e para pôr fim ao assistencialismo, tem implementado política virado para a saúde com apoios para medicamentos e consultas, e que através das obras implementadas já criou sete mil postos de trabalho de forma rotativa pagando 700 a 800/dia.

Não obstante, a equipa camarária estar num “bom caminho”, admitiu que ainda a bancada do PAICV não está totalmente satisfeita, tendo em conta que todos os problemas ainda não foram resolvidos, mas que as acções desenvolvidas até o momento está à vista de todos os tarrafalense e dos que visitam este município santiaguense.

O líder do Movimento Independente Tarrafal (MIT, oposição), Adelino da Silva, por seu lado, fez um balanço “positivo” dos dois primeiros anos de mandato da equipa camarária liderada por José dos Reis, não obstante ter afirmado que há “promessas eleitorais não cumpridas”.

O eleito municipal, que notou que esta alternância política registada em Outubro de 2020 foi provocada pelo MIT e pelos tarrafalense que almejavam mudança trouxe transformações em vários sectores do desenvolvimento do município.

O eleito municipal, que se rendeu ao progresso de construção e desenvolvimento em curso no Tarrafal, congratulou-se com as obras de arruamento/calcetamento em curso em algumas localidades.

No entanto, Adelino da Silva avisou que o MIT, que vai continuar a fazer uma oposição construtiva para bem do Tarrafal, quer ver resolvida até o final do mandato a questão da apanha de areia nas praias do concelho, construção e reabilitação de placas desportivas, mais investimentos nos sectores do turismo, da juventude, infra-estruturação, pesca e agricultura.

FM/ZS

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos