Tâmiris Évora representa Cabo Verde no concurso internacional de proficiência em língua chinesa

Cidade da Praia, 18 Jul (Inforpress) – A estudante universitária Tâmiris Évora foi a vencedora das preliminares cabo-verdianas do 21º concurso internacional de proficiência em língua chinesa, “A Ponte Chinesa”, e irá representar Cabo Verde na fase eliminatória prevista para este ano, na China.

Em declarações à Inforpress, a coordenadora do curso de licenciatura em Estudos Chineses, Lilian Barros, explicou que a iniciativa promovida pelo Instituto Confúcio da Universidade de Cabo Verde (Uni-CV) visa promover o ensino do mandarim a nível mundial, bem como melhorar a compreensão e o gosto pela língua chinesa.

Por outro lado, o concurso pretende criar uma plataforma para os estudantes exporem os seus níveis de conhecimento, mas também trocar experiências de aprendizagem e cultural.

Segundo a mesma fonte, a fase final da 21º edição do concurso a nível universitário contou com a participação de cinco concorrentes e o 15º concurso a nível do ensino secundário teve a presença de dez estudantes e decorreu no início deste mês.

Lilian Barros avançou que a Tâmiris Évora foi a vencedora a nível universitário e Aisha Évora do ensino secundário.

Acrescentou que para além de receber o prémio e de representar Cabo Verde na fase eliminatória na China, Tâmiris Évora foi contemplada ainda com uma bolsa de estudos para intercâmbio durante seis meses naquele País.

A coordenadora disse ainda que desde o início da pandemia a fase final do concurso tem acontecido por via online e que o número de participantes diminuiu.

Por seu turno, a vencedora do 21º concurso internacional de proficiência em língua chinesa a nível universitário, Tâmiris Évora, que é estudante de Engenharia Informática e de Computadores, disse estar tranquila, mas com sentido de responsabilidade por representar o País lá fora.

Disse que teve o primeiro contacto com a língua chinesa ainda no liceu, em 2018, quando começou a estudar o mandarim como disciplina extra-curricular e que durante o percurso começou a ganhar mais interesse pela língua e cultura chinesas.

Tâmiris Évora, que actualmente frequenta o nível três do mandarim, desafiou os estudantes cabo-verdianos a não terem medo de abraçar novas experiências, principalmente com línguas e culturas diferentes.

Por outro lado, a vencedora do ensino secundário, Aisha Évora, 14 anos e aluna do 9ª ano, disse que começou a estudar o mandarim em Setembro de 2021 como disciplina extra-curricular no liceu

“O motivo que me levou a gostar desta língua é porque gosto de aprender novas línguas, novas culturas e o mandarim é uma língua muito interessante e útil para o futuro”, referiu a estudante, que considerou que a língua chinesa “não é assim tão difícil”, desde que se tenha motivação.

“Ponte Chinesa” é um concurso organizado pelo Instituto Confúcio em todos os países do mundo, envolvendo a língua e a cultura chinesas. É destinado aos estudantes de 18 a 30 anos de idade, de nacionalidade não chinesa, nascidos e criados em países exteriores, e estudantes de língua estrangeira que não falam o chinês.

AV/AA

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos