Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Subsídios do Estado aumentaram 300% em Cabo Verde devido aos transportes marítimos

Cidade da Praia, 09 Mar (Inforpress) – As despesas do Estado cabo-verdiano com subsídios aumentaram quase 300% em 2020, para 5,6 milhões de euros, essencialmente devido à subsidiação do transporte marítimo interilhas, valor que ainda assim é apenas 69% do orçamentado pelo Governo.

Segundo dados compilados hoje pela Lusa a partir do relatório de execução do Orçamento do Estado de 2020, globalmente, a rubrica de subsídios aumentou 292,4% face a 2019, equivalente a mais 468,2 milhões de escudos (4,2 milhões de euros), tendo em conta os 160 milhões de escudos (1,4 milhão de euros) de subsídios no ano anterior.

Este aumento é justificado por 2020 ter sido o primeiro ano completo – apesar de condicionado pela pandemia de covid-19 – da concessão do serviço público de transportes marítimo de passageiros e carga, assegurado desde Agosto de 2019 pela CV Interilhas, liderada (51%) pela portuguesa Transinsular.

No relatório, elaborado pelo Ministério das Finanças, esse aumento é “justificado, essencialmente, pelos subsídios transferidos às empresas privadas não financeiras”, que aumentaram 907,8%, “nomeadamente o pagamento da indemnização compensatória através do Fundo Autónomo do Desenvolvimento de Transporte Marítimo, como resultado da taxa de ocupação de passageiros nas viagens marítimas interilhas”.

“Dado a situação pandémica da covid-19, da declaração e das prorrogações do estado de emergência [em Abril e Maio], bem como as diversas regras homologadas [redução da lotação dos navios], as viagens de passageiros interilhas, que antes estavam suspensas durante estes períodos, foram retomadas actualmente de forma gradual. O Estado, no âmbito do protocolo assinado com as agências marítimas, assume o compromisso de atribuir um subsídio compensatório sempre que as viagens se comprovarem deficitárias”, lê-se ainda no relatório.

Contudo, a verba alocada no Orçamento do Estado de 2020 para subsídios foi de 911 milhões de escudos (8,2 milhões de euros), pelo que o valor realmente gasto representa uma execução orçamental de 69% do total previsto.

O Governo cabo-verdiano autorizou no final de Abril de 2020 o pagamento de 100 milhões de escudos (900 mil euros) à CV Interilhas, como adiantamento da indemnização compensatória do Estado, previsto no contrato de concessão.

Conforme resolução do Conselho de Ministros, “ao abrigo do direito conferido à concessionária”, de “receber indemnização compensatória pela obrigação do serviço público de transporte marítimo interilhas de passageiros e cargas”, a CV Interilhas submeteu “o terceiro pedido de pagamento de adiantamento da indemnização compensatória, com base no desempenho das operações da empresa” no primeiro trimestre de 2020.

A decisão é feita ao abrigo dos “termos do Contrato de Concessão”, em que a atribuição da indemnização compensatória “é anual e o pagamento é efectuado após prévia sujeição a fiscalização às contas, competente auditoria externa e aprovação pela entidade reguladora do sector”.

A CV Interilhas tem sido visada por fortes críticas da oposição cabo-verdiana, à alegada falta de transparência na atribuição da concessão, por 20 anos, e por sistemáticas queixas, sobretudo nas redes sociais, de passageiros descontentes com o serviço, apesar do elevado crescimento do número de passageiros e carga transportados e da inclusão de novas linhas.

O Governo cabo-verdiano já anunciou que pretende renegociar o contrato de concessão do serviço público de transporte interilhas de passageiros e carga.

A posição, assumida já este ano pelo Governo, também consta dos documentos de suporte à proposta de lei do Orçamento do Estado para 2021, que incluiu um corte de quase 30% nos subsídios, que englobam a indemnização compensatória à CV Interilhas.

“A rubrica subsídios está orçada em 629 milhões de escudos [5,6 milhões de euros] para 2021, prevendo uma diminuição de 29,4% em face ao Orçamento Rectificativo 2020, justificada, essencialmente, pela projecção de renegociação de contrato de concessão das linhas marítimas”, lê-se no documento, sendo este um dos vários cortes previstos pelo Governo, para tentar reequilibrar contas públicas, afectadas pela crise gerada pela pandemia de covid-19.

O grupo português ETE, que detém a Transinsular, já se mostrou disponível para essa renegociação do contrato de concessão com o Governo de Cabo Verde.

Inforpress/Lusa

Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos