Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Sonetos de Camões traduzidos para língua cabo-verdiana por José Tavares integram Plano Nacional de Leitura de Portugal

Lisboa, 15 de Jul (Inforpress) – O livro Ku ki Vos/Com que Voz, resultado da tradução feita para a língua cabo-verdiana, por José Luiz Tavares, de 65 sonetos de Luís de Camões, foi incluído no Plano Nacional de Leitura de Portugal.

A informação está no sitio do programa Ler+ do Plano Nacional de Leitura consultado hoje pela Inforpress e posteriormente confirmada pelo autor e pela editora Abysmo, que destacou as “qualidades pedagógicas” desse volume.

“A escolha do Ku Ki Vos/Com Que Voz acaba sendo um singelo reconhecimento do valor do trabalho de criação de um corpus literário pujante em cabo-verdiano pelo José Luiz Tavares, mas também das potencialidades pedagógicas deste volume”, considerou o fundador da editora João Paulo Cotrim, em comentário enviado à Agência Inforpress.

Luís Vaz de Camões, prosseguiu João Paulo Cotrim, “renova-se com esta transmigração” e “encontrará novos leitores, sobretudo na comunidade escolar”.

“Pelo menos, nisso depositamos esperança”, concluiu.

Contactado pela Inforpress, o autor de “Paraíso Apagado por um Trovão”, Prémio Mário António de Poesia 2004, atribuído pela Fundação Calouste Gulbenkian à melhor obra de autor africano de língua portuguesa e de Timor-Leste publicada no triénio 2001-2003, explicou que quando traduziu os sonetos de Camões não tinha público algum em vista.

“Fi-lo, primeiramente, para o meu próprio prazer de ouvir aqueles poemas a reverberar na minha língua materna, e, segundo, na tentativa de dar um corpus poético relevante à língua cabo-verdiana”, esclareceu.

O objectivo maior deste livro é a defesa da diversidade cultural dentro da unidade, tendo para tal o autor dado a ganhar, à língua cabo-verdiana, um “monumento literário” onde se poderão, mais tarde, alicerçar outros poetas, como explica o autor no prefácio da obra.

“Sirva este trabalho (ambicioso enquanto ideia, se não pelo resultado) como pretexto de um fito bem maior: a construção de uma comunidade de povos, línguas e culturas, ao abrigo de tentações hegemónicas, tutelares ou neoimperiais, ainda que urdidas sob os véus da `política da língua`”, escreve José Luiz Tavares.

José Luiz Tavares nasceu a 10 de Junho 1967, no Tarrafal, ilha de Santiago, Cabo Verde. Estudou literatura e filosofia em Portugal, onde vive.

Entre 2003 e 2020 publicou catorze livros espalhados por Portugal, Brasil, Cabo Verde, Moçambique e Colômbia.

Recebeu uma dezena de prémios atribuídos em Cabo Verde, Brasil, Portugal e Espanha, sendo o autor cabo-verdiano mais premiado de sempre. Não aceitou nenhuma medalha ou comenda, até agora.

Traduziu Camões e Pessoa para a língua cabo-verdiana. As obras do poeta estão traduzidas para inglês, castelhano, francês, alemão, mandarim, neerlandês, italiano, catalão, russo, galês, finlandês e letão.

JMV/HF

Inforpress/fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos