Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Sol Atlântico coloca em circulação autocarros adaptados para pessoas com mobilidades reduzidas

Cidade da Praia, 25 Jun (Inforpress) – A empresa dos transportes colectivos “Sol Atlântico” vai colocar em circulação nas diversas linhas da Cidade da Praia, já esta quarta-feira, os primeiros autocarros adaptados para pessoas com mobilidades reduzidas, de forma a colmatar a lacuna destas pessoas.

O sócio-gerente, Henrique Duarte, avançou a imprensa que esta é “uma ideia antiga” da empresa que se vê na obrigação de importar autocarros (cinco) adaptados destinados às pessoas com deficiência e que, paulatinamente, esta frota vai ser aumentada, mediante estudos para proporcionar qualidade de vida aos passageiros.

Com 11 metros de comprimento, este auto-bus mistos, adaptados, segundo a gerência, estão equipados com elevadores e espaços para a fixação de uma cadeira de rodas e enquadra-se na política de inovação desta empresa.

Duarte disse que a empresa tem estado a apostar, desde sempre, numa acção social, mediante uma política que permite a determinadas camadas sociais utilizar, de forma gratuita, os seus autocarros, fruto de uma parceria com instituições de cariz social, que, igualmente, inclui passes com descontos que vão de 20 a 30 porcento.

A este propósito, afiançou que a Sol Atlântico tem se mostrado sensível a questões sociais, sobretudo às que mais afligem a sociedade cabo-verdiana.

O responsável da empresa alegou que abraçam, com naturalidade, estas causas, ao mesmo tempo que implementem as medidas de forma a tornar os transportes públicos mais acessíveis à população mais desfavorecida.

Esta inovação nas linhas dos transportes públicos na capital foi enaltecida pelo presidente da Federação das Associações de Pessoas com Deficiência (FECAD), Marciano Monteiro, que “destacou o ineditismo” desta cerimónia, ressalvado que a empresa tem vindo a dar uma grande atenção às pessoas com deficiência e com mobilidade reduzida.

Considerou que a sociedade cabo-verdiana “está um bocado sensível a esta questão de acessibilidade”, lembrando que o Governo já propiciou ensino gratuito para as pessoas com deficiência pelo que, atestou, torna-se necessária a criação de condições, sobretudo infra-estruturais, para que as pessoas com deficiência possam dar a sua contribuição para o desenvolvimento deste país.

SR/JMV

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos