Sociedade Cabo-verdiana de Música e APECV estabelecem protocolo em reforço da parceria

Cidade da Praia, 16 Out (Inforpress) –  A SCM reforçou hoje a parceria que mantém com a APECV através da assinatura de um protocolo, enquadrado nas acções de celebração do Dia Nacional da Cultura que se assinala no dia 18 de Outubro.

Segundo a presidente da Sociedade Cabo-verdiana de Música, Solange Cesarovna, espera-se com este protocolo materializar a proposta avançada no documento em apreço e que foi aceite pela Associação de Produtores de Cabo Verde (APECV), ou seja, tudo fazer para que os seus associados cumpram a obrigação legal do pagamento dos direitos de autores e dos direitos dos artistas.

Conforme explicou Solange Cesarovna, este protocolo representa um passo “muito importante” para a SCM e para todos os autores e artistas que representam, porquanto, frisou, “reforça a assunção do compromisso por parte da APECV do cumprimento pontual e a bom rigor do pagamento dos direitos de autor e direitos conexos afecto a todas as actividades culturais”.

A missão “maior” da Sociedade Cabo-verdiana de Música é defender esses direitos, lembrou a responsável, salientando que não poderiam receber de maneira “menos entusiasta” esta parceria, uma vez que ela torna “muito mais fácil” o trabalho que a SCM desenvolve.

“É a forma mais prática de chegar às instituições em vez de estar a contactá-las individualmente, ganha-se tempo e aproveita-se para passar todas as informações de licenciamento e outros, é mais prática”, reiterou.

De acordo com Cesarovna, a SCM tem conseguido dar passos estratégicos e colher frutos desde a sua existência, porque estão a trabalhar em “voz colectiva”, pelo que vir trabalhar com a APECV é novamente um caminho de reforço de trabalho com colectivos.

Lembrou ainda, que esta é uma oportunidade de colaboração conjunta neste momento do relançamento do sector da música, nesta fase de crise sanitária de covid-19.

Por seu turno, o presidente da APECV, Mário Bettencourt, disse que a parceria vai não só reforçar o trabalho da APECV como também reforçar todo o trabalho a ser feito para a abertura das actividades culturais na presente conjuntura.

Mário Bettencourt acredita que as duas entidades que têm a mesma forma de pensar e os mesmos objectivos a alcançar, estando juntos, são “mais fortes”.

Instado se neste momento há condições de pagar os direitos autorais, Bettencourt disse que com o protocolo ora assinado vão ter que encontrar um meio termo para não deixar de pagar os direitos autorais, realçando que estão a lutar contra a concorrência desleal, pelo que, para exemplo, não podem ser eles, os produtores, os primeiros a “prevaricar”.

“Por isso, o nosso aconselhamento aos associados é que de facto cumpram, e lá onde tiverem dificuldades, nós estaremos para ajudar a encontrar as melhores soluções”, frisou, adiantando que o protocolo vai nesse sentido de viabilizar as coisas, porque o sector da música “é de longe o mais prejudicado”.

TC/FP

Inforpress

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos