SOCA considera que há mais autores e mais criação que contribuem para o progresso do País

Cidade da Praia, 15 Jan (Inforpress) – O presidente da Sociedade Cabo-verdiana de Autores (SOCA) considerou hoje, que há um “crescimento enorme” em termos de autores em Cabo Verde que se traduz em mais criação, e, consequentemente, contribuem para o desenvolvimento do País.

Daniel Spínola fez esta apreciação em entrevista à Inforpress, por ocasião no Dia Mundial dos Compositores, que se celebra hoje, 15 de Janeiro, tendo realçado o facto de cada dia haver mais autores, mais músicos e mais músicas.

“Com mais criatividade, com mais autoria, eventualmente, o País cresce e progride”, defendeu.

A situação do novo coronavírus que está a afectar o mundo, segundo a mesma fonte, embora não tenha interferido na criatividade dos compositores, complicou a vida dos artistas, dos intérpretes e dos criadores a nível financeiro.

Isto porque, explicou, os lugares que usam música como discotecas, ‘pub’, hotéis, continuam fechados e os espectáculos não estão a ser realizados, o que deixa o processo de cobrança dos direitos dos autores mais “fragilizado”.

Por outro lado, as rádios e televisões públicas e privadas, do País, lembrou, continuam a funcionar e a fazer uso das obras dos músicos e dos compositores, mas não estão a pagar os direitos conexos.

“Os usuários da música no geral não tem pago, salvo algumas excepções, e isso tem prejudicado muito os autores e artistas que criam e não recebem pelo uso das suas obras. (…) Seria excelente para eles se pudessem receber e assim poderiam criar muito mais”, sublinhou.

A SOCA, lembrou, vem batendo nesta tecla desde 2010, ano em que iniciou o processo de cobrança dos direitos de autores e direitos conexos.

“Quase já esgotamos tudo que havia de ser feito. Já enviamos cartas de cobranças em 2010, 2012, 2015, 2017, 2018 e, recentemente, fizemos algumas ‘demarche’ no sentido de se pagar e também através de um processo judicial que estamos a intentar através dos escritórios de advocacia, há dois anos, mas as coisas ainda não avançaram e já não estão nas nossas mãos, mas continuaremos a trabalhar”, disse, assegurando que a SOCA vai continuar a fazer o seu papel e a trabalhar em prol dos artistas para que sejam ressarcidos pelos trabalhos que fazem.

Ainda, prosseguiu, esta entidade de gestão colectiva vai continuar as suas acções para sensibilizar os usuários de que devem pagar para que possam funcionar em pleno.

Na sequência das manifestações dos agentes culturais realizadas nas vésperas do Dia Mundial do Compositor, Daniel Spínola, disse aplaudir esta iniciativa, mas pede à classe que se una mais e associa-se às entidades para que possam ter sucesso nas reivindicações e exigências.

“Nós temos feito sempre um discurso neste sentido que os artistas e autores devem unir-se, mas devem congregar-se, quer dizer estar à volta das organizações e das instituições afins”, disse.

“Só assim é que teremos mais ganhos, se estivermos todos envolvidos e unidos nesta demanda e exigência de serem contemplados os seus direitos e de se criar uma situação favorável para compensar a situação desfavorável”, concluiu o responsável da SOCA.

O Dia Mundial do Compositor celebra-se a 15 de Janeiro.

Este dia surgiu com o intuito de honrar os compositores existentes no mundo, que contribuem com a sua arte para o fluir das emoções humanas, ao eternizar pequenos momentos e sensações da vida em música, um alimento para a alma. O compositor é o profissional que escreve músicas.

AM/CP
Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos