Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

“Situação do compositor está a melhorar mas falta reconhecimento das pessoas a nível patrimonial” – Kim di Santiago (c/áudio)

Cidade da Praia, 15 Jan (Inforpress) – O músico, compositor e intérprete Kim di Santiago afirmou hoje que a situação do compositor no País está a melhorar, porque há um “maior reconhecimento” por parte da sociedade civil, mas falta ainda o reconhecimento a nível patrimonial.

O autor de mais de 200 composições de vários géneros cabo-verdianos, gravados por vários artistas e grupos, falava à Inforpress por ocasião da celebração do dia 15 de Janeiro como Dia  Mundial do Compositor.

Conforme afirmou, normalmente as pessoas quando ouvem ou apreciem uma obra musical a primeira tendência é ter uma empatia com o intérprete, esquecendo-se muitas vezes dos compositores.

“Esta consciencialização, relativamente ao papel do compositor, vai-se melhorando, tanto é que os próprios intérpretes já começam a dar alguns sinais de evidenciarem nas suas actuações os nomes dos compositores, o que ajuda o próprio público a passar a saber quem são os verdadeiros autores ou compositores”, disse, ajuntado que falta agora a consolidação desse processo de reconhecimento das pessoas a nível patrimonial.

Para Kim di Santiago, hoje em dia há um “empenho forte” dos compositores em criar e melhorar as suas obras, por isso é “justo” que este esforço seja remunerável, visto que isto é um direito dos autores.

Uma vez que a questão do pagamento dos direitos do autor está sob a mesa no país e com a lei que regula o sector aprovado, defendeu que o desafio agora é fazer as pessoas respeitarem esta lei, e isto passa por mais campanha de sensibilização junto dos usuários de música.

Para este artista, sendo o dia Mundial do compositor uma forma de contribuir para o reconhecimento daqueles que criam e fazem um trabalho artístico para ajudar às pessoas a “alimentarem a alma” é necessário que Cabo Verde passe a celebra-lo com mais euforia.

Ainda, sugeriu, já é altura de Cabo Verde ter um dia nacional do compositor para dignificar ainda mais o trabalho destes artistas.

O autor de “Kenha ki ben ki ta bai”, interpretada pela artista Mayra Andrade, considerou que os compositores têm um “papel fundamental” na prevenção e promoção da morna, recentemente proclamado Património Cultural e Imaterial da Humanidade.

“Sinto-me muito comprometido com a elevação da morna e sendo a morna um género que é transversal a todas as gerações acho que este papel de assegurar a morna no nível em que está projectada e projecta-la cada vez mais tem que ser uma preocupação constante, sobretudo de quem exerce o papel de compor”, disse, acrescentando que é preciso compor com “mais qualidade e mais vivacidade”.

Kim di Santiago, que é também vice-presidente da Sociedade Cabo-verdiana de Musica, disse a Inforpress que por causa desta função, neste momento, tem estado a compor menos, mas que ao exercer este papel está a contribuir para a felicidade dos criadores, criando as condições para o exercício da profissão.

Informou que este ano vai divulgar algumas composições que tem resgatado para brindar os intérpretes das suas mais variadas composições.

AM
Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos