Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

SITTHUR concorda com decisão dos TACV mas quer lay-off que mantenha pagamento em 70% e não 50%

Cidade da Praia, 14 Jan (Inforpress) – O presidente do SITTHUR, Carlos Lopes, disse hoje esperar que o Governo e a Assembleia Nacional aprovem um lay-off que mantenha o pagamento dos trabalhadores na média dos 70% e não 50% como pretende a TACV.

O presidente do Sindicato dos Transportes, Telecomunicações, Hotelaria e Turismo (SITTHUR), Carlos Lopes, fez esta afirmação em declarações à Inforpress quando falava sobre o anúncio feito através de um comunicado pela administração dos TACV e que esta recorre à suspensão dos postos de trabalho como “medida excepcional e temporária” de protecção futura dos postos de trabalho, ao abrigo do Código Laboral, com efeitos a partir de 01 de Janeiro de 2022.

“Temos conhecimento e estamos a fazer consultas para informar os nossos associados da empresa, pois, a TACV está a relançar a sua actividade e faltará algum tempo até ganhar velocidade cruzeiro, pelo que é normal que adiram ao lay-off”, disse afirmando que o Governo deve aprovar o regime de lay-off para permitir que a empresa possa “ganhar fôlego”.

Quanto à decisão anunciada, clarificou que houve uma comunicação da Direcção-Geral do Trabalho dando a conhecer e onde, segundo disse, dizia-se também que, nos próximos três dias, seria apresentada a lista dos trabalhadores envolvidos no processo.

“Entretanto não recebemos ainda a lista e, por isso, não sabemos quantos trabalhadores são e nem quem são”, explicou o sindicalista que avança ainda que o conteúdo da nota dizia tratar-se de uma medida transitória até que as autoridades do país aprovem o regime de lay-off.

Carlos Lopes explicou ainda que o código laboral prevê no seu artigo 198º o regime de suspensão de contratos de trabalho, num período de quatro dias, inclusive de suspensão com as condições previstas, nomeadamente, o pagamento de 50%.

Conforme Carlos Lopes, a nota justifica que devido ao vazio existente, neste momento, sobre o lay-off, visto que o regime terminou a 31 de Dezembro de 2021 e ainda as autoridades não aprovaram o novo regime, a empresa avançou com esta medida que também irá depender da aprovação de medidas de lay-off aprovadas pela Assembleia Nacional.

“Achamos que o Governo e a AN devem acordar o lay-off que existia com a comparticipação do INPS em 70% e não 50%, pelo que pensamos que devem aprovar esse regime para permitir que a empresa possa ganhar fôlego”, acrescentou.

Perante a situação, lembrou que o sindicato teve uma primeira reunião com a nova administração em que se colocou sobre a mesa questões de pré-reforma, mútuo acordo e lay-off, e solicitou um novo encontro para a busca de solução para os trabalhadores interessados em desvincular-se da empresa.

“Vamos insistir com a administração da empresa sobre o assunto, pelo que vamos enviar uma proposta para voltarmos a trazer o tema ao debate e encontrar soluções para os que querem negociar mútuo acordo, pré-reforma ou lay-off”, realçou.

Quanto à questão da formação para a retoma dos serviços da TACV, Carlos Lopes defende que a empresa não deverá investir na formação de pessoal que quer desvincular e negociar a sua pré-reforma.

PC/HF

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos