Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Sindicatos de Santiago acusam Governo de postura discriminatória e de violar a liberdade sindical

Cidade da Praia, 17 Dez (Inforpress) – Os Sindicatos de Santiago (SINMEDECV, SACAR, SINCOP e SINTSEL) demarcaram-se hoje da forma “discriminatória” do Governo relativamente à situação actual dos trabalhadores, acusando o mesmo de desrespeitar os parceiros e de violar a liberdade sindical.

O porta-voz do grupo e presidente do SACAR, José Carlos Varela, fez estas declarações em conferência de imprensa sobre o descontentamento dos sindicatos face a situação laboral no país, afirmando que os trabalhadores estão “abandonados”, “ignorados” pelo Governo e sem perspectivas.

“Temos um Governo que não cumpre com os acordos de concertação estratégica, desrespeita os parceiros, viola o direito a liberdade sindical, não cumpre com o prometido em aumentar o salário a 1% ano, aumenta o fosso salarial entre os trabalhadores da Administração Pública, um governo discriminatório que dá aumento de 2.2% apenas a 1692 trabalhadores, num total de 23 mil” afirmou.

Por outro lado, o porta-voz dos Sindicatos de Santiago acusou o Governo de entregar dois diplomas na Presidência da República sem auscultar os sindicatos.

Perante essas e outras “situações de abuso”, avançou que o grupo prevê realizar uma manifestação geral no início do próximo ano, envolvendo todos os sindicatos de Santiago, referindo, por outro lado, que o executivo não tem criado as condições para melhorar a situação laboral no país.

A título de exemplo, apontou a elaboração de “contratos precários”, uma situação que, no seu entender, cria sentimentos de medo e de insegurança no seio dos trabalhadores da Administração Pública.

José Carlos Varela informou, por outro lado, que os Sindicatos de Santiago têm uma audiência marcada esta quarta-feira com o Presidente da República, onde levará essas preocupações com o objectivo de ver os problemas resolvidos e para que os diplomas tenham equilíbrio.

“Esperamos contar com a sensibilidade do Presidente da República relativamente aos diplomas, e que estes voltem ao Governo e possamos, realmente, dar contributos necessários”, afirmou, anotando que os Sindicatos de Santiago querem uma avaliação justa dos dois documentos.

O sindicalista ressalvou, ainda, que os trabalhadores não podem pagar pela ineficiência do sistema, reivindicando neste sentido mais promoções na Administração Pública.

CM/CP
Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos