Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Sindicato “louva” medida de lay-off na TACV mas acusa administração de colocar organização fora da discussão  

Cidade da Praia, 14 Jan (Inforpress) – A presidente do Sindicato do Pessoal Navegante de Cabine da Aviação Civil (SPNCAC), Carla da Veiga, considerou hoje a medida lay-off anunciada pela TACV como “a melhor solução”, apesar de discordar da forma como foi feito.

Em declarações à Inforpress, a sindicalista, que afirmou tratar-se de uma melhor solução para os associados que não terão de ser despedidos, discordou da presidente do conselho de administração da TACV quando esta assegura que os sindicatos tinham conhecimento da proposta anunciada.

“Em momento nenhum tivemos conhecimento desta decisão, inclusive contactei ao presidente da SITTHUR, mas este também disse não ter conhecimento de nenhuma proposta da TACV”, declarou Carla da Veiga, realçando que a empresa avançou com uma medida sem discutir o assunto com os sindicatos.

Segundo Carla da Veiga, que garantiu que o SPNCAC só teve conhecimento do comunicado após a sua publicação nos órgãos da comunicação social, o sindicato que representa está disposto a aceitar o que a lei prevê, mas para isso é preciso haver uma negociação entre as partes.

Salientou ainda ter notas em que o sindicato solicitou “inúmeras vezes” encontros com a nova administração da TACV, mas que até então não recebeu “nenhuma resposta”.

O Sindicato do Pessoal Navegante de Cabine de Aviação Civil diz ainda que face a esses comunicados, que consideram plausível, já que as pessoas receberão um salário igual a 50%, vão solicitar mais um encontro com a administração da TACV.

O encontro, segundo Carla da Veiga, é para que a administração da TACV explique quais as pessoas que vão ficar no activo e quais as que vão estar no lay-off.

Nesta situação encontram-se 53 elementos do pessoal de cabine dos TACV que vêm sobrevivendo desde Abril de 2020 no regime de lay-off, conforme o estabelecido pelo decreto-lei nº 83/2020, de 4 de Abril, colocando nesse regime mais de 75 por cento (%) dos colaboradores.

PC/AA

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos