Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Sindicato anuncia greve de três dias dos vigilantes de segurança privada com início a 15 de Junho

Cidade da Praia, 12 Jun (Inforpress) – O Sintsel anunciou hoje uma greve nacional de três dias com início a 15 de Junho, dos vigilantes de segurança privada para reivindicar o acordo conjunto de trabalho, assinado entre o Governo, sindicatos e empresas.

Em conferência de imprensa, na Praia, o presidente do Sindicato Nacional dos Agentes de Segurança Pública e Privada, Serviços, Agricultura, Comércio e Pesca (Sintsel), António Silva, explicou que a greve acontece após negociações e será materializada por alegado incumprimento das empresas de segurança privada do acordo de trabalho que foi assinado.

No passado mês de Novembro, foi acordado com o Governo, com os sindicatos e a Associação Nacional das Empresas de Segurança Privada (ANESP), um prazo de seis meses em que todas as empresas de segurança privada deveriam se esforçar para adoptar a nova grelha e o preço que têm estado a receber dos clientes para se aproximarem do Preço Indicativo de Referência.

Com isso, a partir do final do mês de Maio as empresas teriam que adoptar a nova grelha salarial estipulada para os vigilantes, que, no entanto, não foi cumprido.

“Querermos fazer um apelo ao Estado que cumpra com sua responsabilidade, assim como as empresas, é um desrespeito perante o sindicato que assinaram o acordo”, avançou o sindicalista.

O Sintsel revelou também que foram negociados os serviços mínimos a serem prestados durante o período de greve, “mas não se chegou a um acordo”, porque, justificou, as empresas querem 50 por cento (%) de vigilantes a prestarem serviços mínimos.

“Ou seja, num posto de quatro vigilantes, seriam duas pessoas para serviços mínimos e dois para a greve, o que não faz sentido”, referiu, sublinhando que o sindicato propôs um vigilante para serviços mínimos, num posto de 24 horas.

Por outro lado, o sindicalista apela ao Governo que não decrete requisição civil a nível do sector de segurança privada, alegando haver falta de fiscalização por parte do Estado, da Inspecção Geral do Trabalho e da Direcção-Geral do Trabalho.

“A lei diz que a requisição civil acontece no caso de não haver serviços mínimos, mas o sindicato esteve disponível para negociar”, atestou, sublinhando que caso for adoptado a medida, o Sintsel vai apresentar uma queixa contra o Estado.

HR/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos